Você está aqui

Vacina de mRNA contra COVID-19 aprovada em definitivo pela FDA: MSF pede à Pfizer e BioNTech que compartilhem urgentemente tecnologia para aumentar produção e fornecimento globais

24/08/2021
Compartilhar conhecimento tecnológico da vacina de mRNA com fabricantes em países de baixa e média renda, incluindo os da África pode oferecer acesso sustentável e equitativo aos imunizantes da COVID-19
Combatendo a COVID-19 no Líbano por meio da prevenção e vacinação

Tracy Makhlouf

Genebra/Nova York, 23 de agosto de 2021 - Após a aprovação definitiva da vacina de mRNA contra a COVID-19 da Pfizer-BioNTech pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, Médicos Sem Fronteiras (MSF) pede novamente à Pfizer e à BioNTech que compartilhem imediatamente a tecnologia e o conhecimento das vacinas com os fabricantes no continente africano, o que poderia ajudar a aumentar o fornecimento global de vacinas.

As farmacêuticas devem fazer isso por meio do centro de transferência de tecnologia de vacina de mRNA da Organização Mundial da Saúde (OMS), sediado na África do Sul. Com apenas 1,7% da população da África totalmente vacinada contra a COVID-19, aumentar e diversificar a produção e o fornecimento de vacinas de mRNA por meio de fabricantes adicionais, começando com aqueles baseados em países do continente africano, oferece uma oportunidade de tratar, de forma urgente e sustentável, a desigualdade no acesso à vacina durante esta pandemia, assim como no futuro.

Pelo menos sete fabricantes atendem pré-requisitos para produção na África

"Estabelecer a capacidade de fabricação de vacinas de mRNA na África é absolutamente possível. Nossa análise mostra que pelo menos sete fabricantes em países africanos atualmente atendem aos pré-requisitos para produzir vacinas de mRNA, se toda a tecnologia e treinamento necessários forem abertamente compartilhados”, disse Lara Dovifat, coordenadora da Campanha de Acesso de MSF.

“Na verdade, desde julho de 2020, observamos que a Pfizer-BioNTech e a Moderna facilitam a produção de vacinas de mRNA com fabricantes na Suíça, Espanha e Alemanha, tudo em 8 meses, então é claramente viável para outros fabricantes produzirem vacinas de mRNA rapidamente. A única razão pela qual essas vacinas não estão sendo produzidas de forma mais ampla é porque a Pfizer-BioNTech e a Moderna estão se recusando a compartilhar tecnologia e informações de vacinas de mRNA com os fabricantes - incluindo aqueles no Egito, Marrocos, África do Sul e Tunísia,  que poderiam ter a capacidade de produzir até 100 milhões de doses anualmente dentro de um período de 10 meses".

Apenas 1% das doses da vacina Pfizer-BioNTech foram distribuídas para países de baixa e média renda

Em uma análise da Imperial College of London encomendada por MSF, o custo total estimado necessário para iniciar a produção de vacina de mRNA em uma fábrica existente, atingindo a produção de 100 milhões de doses, é de aproximadamente US$127 milhões para o imunizante da BioNTech-Pfizer e US$270 milhões para o da Moderna. Considerando os US$2,5 bilhões de dinheiro público estimados para o desenvolvimento de vacinas de mRNA e as receitas de vendas previstas para 2021 de US$26 bilhões e US$19 bilhões para a Pfizer-BioNTech e Moderna, respectivamente, essas empresas têm a obrigação pública de facilitar o aumento da produção e fornecimento de vacinas sempre que possível.

Atualmente, apenas 1% das doses da vacina Pfizer-BioNTech foram distribuídas para países de baixa renda (0,1%) e países de baixa e média renda (0,9%). Historicamente, *os países da África importam 99% das vacinas que administram. Essa dependência, evidentemente, não é sustentável para um continente de 1,2 bilhão de pessoas.

“Como vemos nos locais em que trabalhamos, a dependência quase total de importações e doações incertas de vacinas tem se mostrado lamentavelmente insuficiente para o acesso às vacinas no continente africano”, disse o dr. Khosi Mavuso, representante médico de MSF na África do Sul. “Enquanto novas variantes surgem e pessoas continuam a morrer de COVID-19 com taxas alarmantes em toda a África, a escassez de vacinas que estamos vendo se mostra incrivelmente preocupante. Esse sofrimento poderia ser aliviado se as empresas farmacêuticas compartilhassem a tecnologia de mRNA e os conhecimentos necessários para produzir mais vacinas da COVID-19 agora, por meio do centro de transferência de tecnologia da OMS. Assim, a produção local de vacinas poderia começar o mais rápido possível. É um fracasso para a saúde pública global que os governos e os produtores de vacinas de mRNA não estejam fazendo tudo o que podem para aumentar a produção de imunizantes da COVID-19 quando há potenciais fabricantes no continente africano”.

Uso de vacinas de mRNA apresenta vantagens significativas

As vacinas de mRNA são uma nova ferramenta médica revolucionária e vital. Elas representam uma escolha vantajosa para uso e fabricação em países de baixa e média renda. São relativamente mais simples, rápidas e baratas de produzir do que as vacinas tradicionais; apresentam certa facilidade para o aumento da produção; e são altamente adaptáveis a novas variantes. Além disso, a tecnologia de mRNA pode ser adaptada para atingir outros patógenos (agentes causadores de doenças), o que significa que a mesma plataforma pode ser adaptada para produzir diferentes vacinas ou mesmo terapêuticos para outras doenças preocupantes, incluindo a preparação para futuras pandemias.

“Apoiar a capacidade de fabricação de vacinas independente e sustentável em um país africano exigiria apenas a transferência de tecnologia da Pfizer-BioNTech e da Moderna, mas seria um fator decisivo para o acesso equitativo às vacinas para pessoas em países de baixa e média renda”, disse a dra. Carrie Teicher, diretora de programas de MSF-EUA. “O governo dos EUA deve convocar imediatamente a Pfizer-BioNTech e a Moderna a compartilharem a tecnologia e o conhecimento da vacina de mRNA de COVID-19. É realmente óbvio: compartilhar tecnologias de mRNA aumentará a produção global e o fornecimento de vacinas da COVID-19, salvando vidas nesta pandemia e no futuro”.

Além de exigir que a Pfizer-BioNTech e a Moderna compartilhem a tecnologia da vacina de mRNA, MSF pede aos governos que apoiem o Centro de Transferência de Tecnologia de Vacinas de mRNA da COVID-19 da OMS com apoio financeiro e político. Além disso, MSF apela aos governos com doses suficientes das vacinas de COVID-19 que redistribuam imediatamente os imunizantes em excesso para a COVAX Facility. MSF também solicita às autoridades governamentais que apoiem a proposta de suspensão de patentes na Organização Mundial do Comércio (OMC) para dispensar os monopólios de propriedade intelectual em todas as vacinas, testes, tratamentos e outras ferramentas de saúde para a COVID-19 durante a pandemia. Os governos devem usar todas as ferramentas legais e políticas para facilitar a produção ininterrupta e a diversidade no fornecimento de ferramentas médicas para a COVID-19.

*Cálculo baseado em dados da AirFinity, de 22 de agosto de 2021.

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar