Você está aqui

Uma jornada perigosa para mulheres e mães

24/09/2019
A médica Natasha Reyes conta sua experiência em Bangladesh com cuidados de saúde sexual e reprodutiva
Uma jornada perigosa para mulheres e mães

Foto: Vincenzo Livieri

As mulheres que são expulsas de suas casas são particularmente vulneráveis. Elas têm necessidades específicas de saúde que são exacerbadas quando precisam se deslocar; as mulheres em movimento perdem o acesso a cuidados de saúde. Elas podem engravidar e dar à luz e correm o risco de complicações que podem ser fatais.

Eu observei isso em 2017, quando comecei a trabalhar entre as mulheres rohingyas como parte de uma equipe de emergência de Médicos Sem Fronteiras (MSF). Fomos enviados ao distrito de Cox's Bazar, em Bangladesh, para responder ao êxodo sem precedentes de cerca de 700.000 refugiados rohingyas que fugiam da perseguição no estado de Rakhine, em Mianmar.

No meu trabalho na resposta de emergência durante três semanas, fui encarregada de avaliar as necessidades dos refugiados recém-chegados. Cuidados de saúde sexual, reprodutiva e materna eram desesperadamente necessários naquele momento.

Voltei a Bangladesh em março deste ano como coordenadora-geral de MSF no país, três meses depois que alcançamos a marca de 1 milhão de consultas oferecidas a refugiados e pessoas da comunidade anfitriã em Cox's Bazar. Este número não deve ser comemorado, no entanto. Pelo contrário, revelou que mais precisa ser feito e que os problemas persistem.

Caminhos íngremes e escorregadios para um parto seguro

Uma descoberta que me impressionou particularmente foi o pequeno número de consultas que MSF ofereceu para partos e assistência pré-natal. Nossas equipes auxiliaram apenas 2.192 nascimentos em um ano. Enquanto as consultas pré-natais representavam apenas 3,36% (35.392) do total de consultas.

Isso mostra que a maioria das mulheres grávidas no campo de refugiados dá à luz a seus bebês em casa. Elas fazem isso com a ajuda de parteiras tradicionais, o que não é necessariamente um problema em si. No entanto, as condições em suas casas são precárias para o parto. Elas moram em casas improvisadas feitas de bambu com piso de terra em um acampamento superlotado.  É preciso trazer água de fontes fora de casa, o que às vezes exige uma longa caminhada. As instalações sanitárias também são comuns. Tais condições podem representar riscos à saúde da mãe e do filho, além de outras complicações que podem surgir durante o parto.

Pode ser difícil gerenciar partos complicados porque as mulheres precisam seguir seu próprio caminho até uma estrutura de saúde. Uma mulher em trabalho de parto provavelmente terá que ser carregada por trilhas escorregadias e montanhosas, geralmente em uma cadeira pendurada entre duas varas, até a unidade de saúde mais próxima, que pode estar a uma distância considerável. É mais complicado à noite, quando os caminhos não estão iluminados, e a mulher pode ter que esperar até o amanhecer. Pode levar horas até que ela chegue a uma estrutura de saúde, o que coloca em risco sua vida e a de seu bebê.

As equipes de MSF trabalham na comunidade para informar as mulheres e suas famílias sobre a disponibilidade e a importância de serviços de maternidade gratuitos e de qualidade. Isso é feito para incentivar as mulheres a acessar os cuidados de saúde reprodutiva. Também garantimos que nossos serviços facilitem seu parto seguro com privacidade e dignidade, ou sua transferência para estruturas mais especializadas quando elas precisarem de cuidados avançados.

Nenhuma solução de longo prazo à vista

Antes que eu percebesse, minha passagem como coordenadora-geral havia terminado. Saio sabendo que o trabalho está longe de terminar. Os refugiados estarão lá no futuro próximo e teremos que continuar cuidando deles para restaurar o máximo de sua dignidade possível.

Um desafio pessoal para mim é ver diretamente a situação dos rohingyas em Bangladesh e não enxergar nenhuma solução para o sofrimento deles. Eles estão presos em uma situação difícil – vivendo em condições fora do ideal em Bangladesh e incapazes de voltar para casa em Rakhine, Mianmar, porque não se sentem seguros lá.  É um problema complexo que requer uma solução política. Pode ser desanimador apoiar uma população em perigo cujo principal problema você não pode resolver.

O que mais me impressiona ao deixar Bangladesh é a força do povo rohingya nos campos de refugiados. Lembro que devemos continuar lançando luz à sua situação para que o mundo não esqueça que existem quase 1 milhão de seres humanos presos no limbo das colinas de Cox's Bazar.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar