Você está aqui

Ucrânia: milhares sofrerão com o fim imediato de atividades de MSF em Donetsk

23/10/2015
Comitê Humanitário comunica a anulação da permissão da organização para atuar na região

Foto: Manu Brabo

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) recebeu notificação por escrito do Comitê Humanitário dizendo que sua acreditação na autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) havia sido anulada e que é preciso interromper as atividades imediatamente. Não foram fornecidas à organização explicações para essa decisão. Até o momento, MSF havia coordenado todas as suas atividades com as autoridades e está disposta a continuar com essa colaboração pela saúde de milhares de cidadãos vulneráveis da RPD.

“Estamos extremamente preocupados com essa iniciativa, que vai privar milhares de pessoas de assistência médica essencial”, afirma Bart Janssens, diretor de operações de MSF. “Essa decisão trará consequências que ameaçarão a vida dos pacientes que MSF está, agora, deixando para trás. Estamos pedindo ao Comitê Humanitário da RPD que reconsidere a decisão sem demora para que possamos retomar a oferta de cuidados de saúde tão necessários.”

Desde o início do conflito, em maio de 2014, MSF doou medicamentos e materiais a 170 instalações médicas para tratar feridos de guerra e pacientes com doenças crônicas. MSF também conduziu mais de 85 mil consultas em parceria com as autoridades de saúde locais por meio de 40 clínicas móveis desde março de 2015, oferecendo cuidados de saúde a pessoas vivendo em locais de onde médicos e enfermeiros haviam fugido ou onde as farmácias estavam vazias.

A enfermeira de MSF Svetlana em centro de saúde em Donetsk, onde MSF administrava clínica móvel“Nós somos praticamente a única organização oferecendo tratamento para tuberculose nas prisões, insulina para pacientes de diabetes e produtos de hemodiálise para tratar falência renal”, adiciona Bart Janssens. “Com o encerramento de nossas atividades de um dia para o outro, milhares de pacientes sofrendo com doenças crônicas potencialmente fatais serão deixados com pouca ou nenhuma assistência.”

Atualmente, MSF fornece 77% da insulina necessária para pacientes com mais de 18 anos com diabetes na área sob controle da RPD. As equipes também fornecem 90% dos produtos necessários para conduzir tratamentos de hemodiálise, vital para pacientes sofrendo com falência renal. “Sem o suprimento estável desses tratamentos vitais, graves complicações podem ocorrer. Há poucas alternativas para essas pessoas, agora que MSF interrompeu suas atividades. Estamos profundamente tristes com o fato de que tantos pacientes serão deixados para trás”, enfatiza Bart Janssens.

Cerca de 150 pacientes no sistema penitenciário que vivem sob tratamento para a tuberculose resistente a medicamentos agora não mais terão acesso ao tratamento que MSF oferece desde 2011. “Há um enorme risco de que a saúde desses pacientes se deteriore rapidamente. É sabido que qualquer interrupção do tratamento de pacientes com tuberculose resistente pode reduzir dramaticamente as chances de cura, mesmo que o tratamento seja retomado posteriormente”, adiciona Bart Janssens. “As prisões na Ucrânia são conhecidas por terem altos índices de tuberculose resistente, e se esses tratamentos forem interrompidos, isso vai gerar um enorme risco à saúde pública.”

Médico de MSF examina paciente em centro de saúde em Donetsk, onde MSF administrava clínica móvelHoje, MSF pede urgentemente ao Comitê Humanitário que reconsidere a anulação da acreditação da organização para que seja possível retomar as atividades médicas essenciais. “Como organização médica, eticamente não podemos aceitar sermos forçados a abandonar nossos pacientes. Essa decisão precisa ser revista para que cuidados de saúde essenciais possam ser oferecidos, mais uma vez, às pessoas em necessidade”, conclui Bart Janssens.

MSF atua no leste da Ucrânia desde 2011 e tem oferecido ajuda médico-humanitária por meio de clínicas móveis e doações a instalações de saúde em ambos os lados do conflito desde maio de 2014. MSF é uma organização humanitária não governamental dedicada a oferecer assistência médico-humanitária gratuita a vítimas de conflitos, desastres naturais, epidemias ou da exclusão do acesso a cuidados de saúde. MSF foi fundada em 1971 e oferece assistência em mais de 60 países. A organização não toma partido em conflito algum e é independente de qualquer agenda política militar e corporativa. MSF oferece cuidados médicos com base exclusivamente na necessidade das pessoas, independentemente de gênero, raça, religião ou afiliação política. A organização conta apenas com doações privadas para realizar seu trabalho na Ucrânia, não aceitando recursos de governo algum.

Leia mais sobre