Você está aqui

Tuberculose: novos testes e medicamentos seguem fora do alcance de muitos pacientes

17/11/2020
Relatório aponta que inovações tecnológicas estão alcançando menos pessoas do que poderiam
Tuberculose: novos testes e medicamentos seguem fora do alcance de muitos pacientes

Foto: Albert Masias/MSF

Enquanto a pandemia de COVID-19 ameaça prejudicar a resposta global à tuberculose (TB), MSF apela que os governos acelerem os testes, tratamentos e prevenção à doença. Também convoca os doadores para fornecer o apoio financeiro necessário para garantir maior acesso a novas ferramentas médicas para diagnosticar e tratar milhões de pessoas com a doença.

O relatório Step Up for TB, divulgado nesta segunda-feira (16/11) por MSF e pela Stop TB Partnership após pesquisa em 37 países com alto número de casos de TB, mostra que inovações médicas estão alcançando muito menos pessoas que precisam delas com urgência, porque muitos países continuam atrasados em suas políticas nacionais de acordo com as novas diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Em vez de intensificar os cuidados contra a tuberculose, corremos o risco de retroceder devido à COVID-19”, diz Sharonann Lynch, consultora sênior de políticas de tuberculose para a Campanha de Acesso de MSF. “É urgente que os governos e doadores intensifiquem seus esforços para que inovações e ferramentas médicas cheguem às pessoas com tuberculose. Finalmente temos medicamentos e testes melhores para combater e prevenir esta doença extremamente infecciosa, mas curável, então é incompreensível e inaceitável que eles ainda não estejam sendo usados ​​para salvar o maior número de vidas possível.”

Ao relatar o grave impacto da pandemia de COVID-19 nos serviços de TB, a OMS revelou uma queda acentuada no número de pessoas diagnosticadas. Além de precisar se atualizar para manter a continuidade dos serviços existentes, ela aconselhou que os países implantem melhores políticas e práticas de testes.

Atualmente, os países continuam a não conseguir implementar políticas de teste atualizadas que possam ajudar a alcançar quase 3 milhões de pessoas que ainda estão sem diagnóstico. Conforme destacado no relatório, impressionantes 85% dos países pesquisados ​​ainda não usam o teste LAM para o diagnóstico de rotina de TB em pessoas vivendo com HIV, conforme recomendado pela OMS.

“Como médicos que trabalham na linha de frente da epidemia de tuberculose, é angustiante ver a lenta aceitação dos testes LAM nos programas nacionais de tratamento, apesar de seu papel comprovado em salvar vidas de pessoas que vivem com HIV”, afirma Patrick Mangochi, coordenador médico adjunto de MSF no Malaui. “Os países devem intensificar o uso de testes LAM como um componente central dos serviços de testes, caso contrário, atrasos no diagnóstico de TB e no início do tratamento continuarão a falhar nas pessoas com HIV que contraem a doença”.

A tuberculose continua a ser a principal causa de morte por doenças infecciosas no mundo. Em 2019, 10 milhões de pessoas adoeceram e 1,4 milhão, morreram. A implementação das diretrizes da OMS é urgentemente necessária para minimizar o risco desnecessário de COVID-19, reduzindo as visitas às unidades de saúde, sem interromper o tratamento. Os países devem tomar medidas imediatas para implementar políticas de TB centradas nas pessoas, incluindo o início do tratamento e o acompanhamento nas unidades básicas de saúde. Além disso, os programas nacionais de tratamento devem priorizar o uso de regimes de tratamento totalmente orais para pessoas com TB resistente a medicamentos (TB-DR) que não incluem medicamentos tóxicos mais antigos que precisam ser injetados e causam efeitos colaterais graves.

O relatório conclui que apenas 22% dos países pesquisados ​​permitem que o tratamento da TB seja iniciado e seguido em uma unidade de saúde primária, em vez de ir para um hospital, por exemplo, e que os medicamentos sejam tomados em casa. Além disso, 39% não usam um regime de tratamento totalmente oral mais curto e 28% dos países pesquisados ​​ainda usam medicamentos injetáveis ​​no tratamento de crianças com TB-DR.

“Passei por uma jornada agonizante sendo tratada com medicamentos com efeitos colaterais terríveis e perdi um dos meus pulmões", informa Meera Yadav, sobrevivente de tuberculose amplamente resistente aos medicamentos (XDR-TB) em Mumbai, na Índia. “Finalmente, em 2016, consegui acessar novos medicamentos para tuberculose como parte do regime que salvou minha vida. Não quero que mais ninguém passe por essa provação. Com medicamentos mais novos, agora é possível dar às pessoas tratamento oral que funciona para curá-los. Pessoas com TB não podem mais ser excluídas do acesso a essas inovações, especialmente quando têm medo de visitar centros de tratamento devido à COVID-19.”

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar