Você está aqui

Suporte psicossocial para crianças de Mossul

29/06/2018
Médicos Sem Fronteiras oferece atendimento para crianças traumatizadas pela guerra no Iraque
Suporte psicossocial para crianças de Mossul

Foto: Sacha Myers/MSF

Rasha e seu pai, Halif, vivem em um acampamento para deslocados internos no norte do Iraque. Eles são originalmente de Mossul, mas fugiram da cidade quando o tio de Rasha foi morto e o conflito entre o grupo Estado Islâmico (EI) e as forças iraquianas se intensificou. Depois que eles chegaram ao acampamento de Hassansham (próximo a cidade de Erbil) em março de 2017, Rasha ficava constantemente com medo por causa dos eventos traumáticos que havia testemunhado em Mossul. Ela recebeu apoio de psicólogos de Médicos Sem Fronteiras (MSF) para administrar e superar seu medo.

Halif

“O EI tentou nos matar, então tivemos que fugir de Mossul e viemos para o acampamento de Hassansham. O EI trouxe com eles muita destruição e esse foi o pior período da minha vida. Nós estávamos cercados por todos os lados. Foi uma vida difícil. Nenhum movimento, nenhum comércio. Nós não tínhamos o direito de trabalhar ou fazer negócios. Não havia medicamentos.

Eles cortaram as linhas telefônicas externas e o uso de telefones celulares foi proibido. Se você tivesse um chip de celular, eles matavam você. Não havia gás nem gasolina e as pessoas cozinhavam em fornos a lenha. Algumas pessoas sofreram mais do que outras, mas, em geral, era uma vida horrível.
 
As crianças ficaram aterrorizadas com o começo da batalha no oeste de Mossul. Todo mundo estava atirando. As pessoas morriam pelas ruas e muitas famílias morreram durante o bombardeio. A maioria das vítimas era crianças e mulheres. Você não sabia se morreria em uma hora, em um minuto, hoje ou amanhã.

MSF visitou nossa barraca no acampamento de Hassansham. Eu estava feliz por eles ajudarem minhas filhas. Agradeço a MSF e ao médico pelos cuidados que ofereceram. Eles as mantiveram longe do medo. Elas relembrariam o medo do passado, do EI e do deslocamento. Mas, graças ao atendimento dos médicos, elas não tinham mais medo.

Faz um ano que estamos no acampamento. Nós não sabemos qual é o nosso destino. Eu e todas as pessoas em Mossul e no Iraque não temos esperança.”


Rasha

“Meu nome é Rasha e nasci em 2007. Na escola, eu gosto de estudar inglês. Amo estudar inglês. É a melhor coisa para mim. Também gosto de desenhar e de brincar, e gosto de jogos esportivos. Também gosto de futebol.

Quando eu crescer, quero ser intérprete porque gosto de ajudar as pessoas. Se as pessoas não souberem falar inglês, eu traduzirei para elas. Quando eu for intérprete, as pessoas falarão em árabe comigo e eu traduzirei para o inglês.

E eu também gostaria de ser médica. Eu gosto de cuidar das pessoas. Eu quero que elas melhorem e que sejam felizes.

Durante o domínio do EI, morávamos no bairro de Tal al-Ruman, em Mossul. Balas e estilhaços entraram em nossa casa e na casa do nosso vizinho. Minha mãe temia por nós e então fomos à casa do meu tio. Nós passamos a noite com eles. No dia seguinte, queríamos ir para outra casa.

Meu pai disse ao meu tio Ali que sairia pela porta principal que levava a um beco lateral e meu tio disse que sairia pela porta pequena que dava para a rua principal. Eu estava com meu pai e meu irmão mais novo, Musad. Quando saímos pela porta principal, um atirador começou a disparar contra nós. Nos escondemos na cozinha e, então, meu pai gritou "Ali, Ali, Ali". Ali não respondeu. Meu pai saiu e viu meu tio morto perto do carro. Fiquei em choque e traumatizada.

Minha vida no acampamento é boa e eu visito MSF. MSF me tratou e agora estou melhor. Fui curada do medo que sentia por causa do que vi durante o EI. Voltei a ser meu antigo eu; o que eu era antes do EI chegar."

MSF trabalha no Iraque desde 1991 e fornece cuidados de saúde primária e secundária, serviços para gestantes e de pós-parto, tratamento de doenças crônicas, apoio à saúde mental e atividades de educação em saúde. Atualmente, a organização trabalha nas províncias de Erbil, Diyala, Ninewa, Kirkuk, Anbar e Bagdá.

Nos acampamentos de deslocados internos próximos de Mossul e Erbil, MSF trabalha em seis instalações que fornecem cuidados de saúde mental e tratamento para doenças não transmissíveis, como diabetes. Os serviços de saúde mental incluem consultas psicológicas e psiquiátricas, terapia em grupo, aconselhamento psicossocial e terapia infantil.  
 

Leia mais sobre