Você está aqui

Sudão do Sul: MSF trata mais de 100 feridos após intensos confrontos em Malakal

15/01/2014
Organização manifesta preocupação com deslocados internos no país

Intensos confrontos nos estados do Alto Nilo, Unity e Jonglei, no Sudão do Sul, deixaram milhares de pessoas deslocadas e centenas feridas, de acordo com a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF). Durante os mais recentes combates, as equipes de MSF trataram 116 pessoas com ferimentos à bala nas cidades de Malakal e Nasir, no estado do Alto Nilo.

“Os confrontos dos últimos dias em Malakal limitaram nossa habilidade de chegar às pessoas deslocadas nas regiões onde elas estão reunidas e estão impedindo que as pessoas recebam a assistência médico-humanitária de que tanto precisam”, conta Raphael Gorgeu, coordenador-geral de MSF no Sudão do Sul.

“Embora continuemos a tratar, dia após dia, mais pacientes feridos em nossos hospitais, estamos preocupados com as condições de vida das centenas de milhares de pessoas deslocadas por todo o país. A maioria fugiu de suas casas sem nada e tem pouca comida, água ou acesso a cuidados de saúde”, adiciona Raphael.

As necessidades médicas das pessoas deslocadas estão submetendo as instalações de saúde a uma pressão crescente, e alguns hospitais e clínicas já estão sobrecarregados. MSF está reforçando suas equipes de emergência para responder às demandas crescentes das pessoas por cuidados de saúde e ajuda humanitária.

Nas últimas semanas, as equipes de emergência de MSF incrementaram seu suporte às pessoas deslocadas em Awerial, no estado de Lakes, e na capital, Juba. Além disso, recentemente, equipes da organização passaram a prestar suporte às pessoas deslocadas fugindo de Bentiu rumo a Leer, no estado de Unity; em Nasir e Malakal, no estado do Alto Nilo; em Lankien, no estado de Jonglei; e em Nimule, no estado de Equatoria Oriental, na fronteira com Uganda. Fora do país, equipes de MSF estão prestando suporte aos Ministérios da Saúde de Uganda e do Quênia na provisão de cuidados e água limpa aos refugiados, enquanto uma equipe está também avaliando a necessidade dessas pessoas na Etiópia.

Paralelamente, equipes de MSF no Sudão do Sul continuam a operar seus projetos regulares pelo país. No total, a organização está com 15 projetos em nove dos dez estados do Sudão do Sul. No último mês, as equipes de MSF realizaram 41.899 consultas, internaram 1.628 pacientes em suas instalações médicas, conduziram 282 cirurgias, assistiram 852 partos e trataram 655 pessoas com ferimentos relacionados aos confrontos. Cinquenta toneladas de suprimentos médicos e logísticos foram distribuídos aos projetos.

MSF pede que todas as partes envolvidas no conflito respeitem a integridade dos estabelecimentos médicos para que organizações de ajuda possam ter acesso às comunidades e para que os pacientes possam receber tratamento médico, independentemente de sua origem ou etnia.
 
MSF atua na região que hoje constitui a República do Sudão do Sul desde 1983 e atualmente opera 11 projetos regulares em nove dos dez estados do país – in Agok, Aweil, Gogrial, Leer, Maban, Malakal, Nasir, Yambio, Lankien, Yuai e Yida –, além de quatro respostas de emergência – in Juba, Awerial, Malakal e Nimule –, que envolvem deslocamento em larga escala, influxo de refugiados, situações de nutrição alarmantes e picos de doenças como sarampo, malária, diarreia aquosa aguda e calazar, além de oferecer serviços de saúde básica e especializada. Hoje, MSF conta com uma equipe de 278 profissionais internacionais e 2.890 locais trabalhando em seus projetos no Sudão do Sul.

Leia mais sobre