Você está aqui

Sudão do Sul: MSF condena saque a suas instalações em Bentiu

10/01/2014
Saque prejudica as operações de MSF em Bentiu e coloca em risco a ação humanitária no atual cenário de violência

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) condena fortemente o saque a suas instalações em Bentiu, capital do estado de Unity, no Sudão do Sul. MSF era uma das poucas organizações humanitárias presentes na cidade oferecendo assistência aos deslocados internos e feridos no hospital. Esse saque prejudica as operações de MSF em Bentiu e coloca em risco a ação humanitária em resposta à violência atual.

“É inaceitável que uma das únicas organizações humanitárias que ainda estão prestando assistência à população em Bentiu tenha sido saqueada”, diz Arjan Hehenkamp, diretor-geral de MSF na Holanda. “MSF pede a todas as partes deste conflito que respeitem a integridade das instalações médicas, garantam o acesso às comunidades afetadas e permitam que os pacientes cheguem às instalações de saúde independentemente de sua origem e etnia”.

MSF trabalha em Bentiu desde 2010. Antes do conflito, a organização prestava assistência contra tuberculose, HIV, além de cuidados nutricionais à comunidade local. Após a erupção do conflito, a organização concentrou-se em oferecer cuidados pós-operatórios no hospital para os feridos e assistência primária de saúde para as pessoas deslocadas que buscaram refúgio em uma base das Nações Unidas.  

Em consequência do conflito atual, milhares de pessoas estão sem acesso a cuidados de saúde em Bentiu, e estima-se que 10 mil estejam se deslocando na estrada para Leer.

“Milhares de pessoas não têm acesso à água, alimentos e cuidados de saúde em Bentiu e nas suas redondezas, diz Raphael Gorgeou, coordenador geral de MSF no Sudão do Sul. “MSF não poderá recomeçar suas atividades, extremamente necessárias, até que a segurança de seus pacientes, equipe e instalações seja garantida”.

Na quarta-feira, devido à deterioração da situação de segurança, as equipes de MSF tiveram que se transferir para Leer – a três horas e meia de Bentiu – onde prestaram apoio aos colegas do hospital que MSF mantém ali há 25 anos. Além dos serviços médicos normalmente oferecidos no hospital, as equipes estão agora começando a receber pacientes feridos da guerra de Bentiu.

“Milhares de pessoas tiveram que fugir da cidade, saindo no último minuto, sem levar nada. Nós estamos fazendo nosso melhor para verificar se eles têm acesso à água, alimentos e cuidados médicos no caminho entre Bentiu e Leer e estamos nos preparando para levar assistência àqueles que mais precisam”

MSF trabalha na região que hoje constitui a República do Sudão do Sul desde 1983, e atualmente mantém 15 projetos em nove dos dez estados do Sudão do Sul: Agok, Aweil, Gogrial, Gumuruk, Leer, Maban, Malakal, Nasir, Yambio, Lankien, Yuai e Yida e estabeleceu operações de emergência adicionais em Juba, Awerial e Malakal. MSF responde a emergências, incluindo deslocamentos em massa, influxos de refugiados, situações nutricionais alarmantes e picos de doenças como sarampo, malária, diarreia aquosa aguda e Calazar, além de oferecer cuidados de saúde básicos e especializados. MSF conta atualmente com 228 profissionais internacional trabalhando em seus projetos ao lado de 2.917 profissionais sudaneses.

Leia mais sobre