Você está aqui

Sudão do Sul: MSF combate pico de malária com a ajuda de comunidades locais

24/11/2015
“Receber tratamento em seus próprios vilarejos tem sido decisivo para as pessoas que antes precisavam andar por horas, às vezes até dias, para chegar à instalação de saúde mais próxima”, diz gestora do programa de MSF

Foto: Alexandra Malm/MSF

Uma estação excepcionalmente grave de malária está atingindo novamente o Sudão do Sul e a Área Administrativa Especial de Abyei, com um aumento dramático do número de casos. Mas com poucas instalações disponíveis nessa região remota, as pessoas com malária grave acabam muitas vezes morrendo silenciosamente em seus vilarejos. A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) está atuando junto a comunidades locais para pôr um fim à doença e às mortes evitáveis, com a realização de testes baseados nas comunidades e um programa que oferece tratamento precoce para a malária às pessoas que vivem em áreas rurais distantes.

Pacientes se organizam enquanto o agente de malária Abraham prepara o início das atividades de teste e tratamento em vilarejo no Sudão do Sul (Foto: Alexandra Malm/MSF)MSF estruturou uma rede de 37 “agentes de malária”, supervisionados por seis profissionais de saúde comunitários, para diagnosticar e tratar a doença em 23 vilarejos em um raio de 30 quilômetros da cidade de Agok. Com as estradas precárias da região tornando impossível a circulação de automóveis durante a estação chuvosa, as equipes estão usando motocicletas para chegar aos vilarejos.

Desde o início do programa, em agosto de 2015, 19.411 pessoas receberam tratamento em seus vilarejos após testarem positivo para a malária – uma média de 1.800 pessoas por semana. Dessas, mais de 160 eram casos graves e foram transferidas ao hospital de MSF em Agok para receberem cuidados especializados.

“Receber tratamento em seus próprios vilarejos tem sido decisivo para as pessoas que antes precisavam andar por horas, às vezes até dias, para chegar à instalação de saúde mais próxima”, diz Jessa Pontevedra, gestora do programa de MSF. “Essa ação nos permitiu tratar muito mais pessoas do que esperávamos, e também reduziu significativamente o número de casos de malária grave, já que as pessoas estão sendo tratadas mais cedo.”

NTodas as manhãs, agentes de saúde comunitários levam medicamentos e equipamentos em motocicletas para vilarejos no Sudão do Sul (Foto: Alexandra Malm/MSF)o início deste ano, o hospital de MSF estava enfrentando muitas dificuldades para lidar com o alto número de pacientes admitidos com malária grave. “Em junho, nós aumentamos o número de leitos de 125 para quase 200”, diz Sabine Haller, médica de MSF. “Colocamos leitos no corredor, na ala cirúrgica, em quatro tendas no pátio, e, ainda assim, o hospital estava transbordando de pacientes com malária grave.” Desde o início do programa de MSF com base na comunidade, no entanto, a percentagem de casos graves diminuiu, caindo para 17% em setembro e outubro, comparado aos 23% no mesmo período no ano passado.

As comunidades locais receberam muito bem o novo programa, e seu envolvimento ativo têm sido fundamental para seu sucesso. “Isso nos ajudou muito”, diz Kuol Deng, líder do vilarejo de Mijak Deng Kaya. “No ano passado, nós tivemos de carregar várias pessoas doentes até o hospital, e muitas delas morreram.”

Os líderes comunitários repassam informações aos moradores dos vilarejos, ajudam a armazenar os medicamentos e equipamentos, e construíram abrigos onde os agentes de malária podem realizar seu trabalho. Por vezes, eles também fornecem uma compensação financeira ou incentivos para os agentes de malária, que trabalham apenas voluntariamente.

Os agentes de malária têm muito orgulho de seu trabalho e dizem que conseguem enxergar a diferença que fazem em suas comunidades.

“As pessoas recebem tratamento agora, mas no ano passado tiveram muitas mortes, porque as pessoas não conseguiam ir até o hospital”, diz Abraham, um agente de malária que vive e trabalha no vilarejo de Maibong. “Ter visto todas essas mortes foi horrível. Esse é o motivo pelo qual quero ajudar minha comunidade, para que menos pessoas morram.”

MSF está presente na região que hoje constitui a República do Sudão do Sul desde 1983, e, atualmente, mantém 17 projetos no país. A organização conta com mais de 3.200 profissionais sul-sudaneses para trabalhar junto a 350 profissionais internacionais em seus projetos. Em 2014, equipes de MSF realizaram mais de 930 mil consultas, oferecendo cuidados médicos gratuitos e de alta qualidade. Quase 300 mil dessas consultas foram destinadas a crianças com menos de cinco anos.