Você está aqui

Sudão: Confrontos forçam o deslocamento de milhares de pessoas

08/02/2011
Equipes de Médicos Sem Fronteiras prestam assistência médica imediata

Novos conflitos entre governo e grupos de oposição na região norte de Darfur (Sudão) forçaram, ao longo dos dois últimos meses, milhares de famílias a abandonar suas cidades, de acordo com a organização médico-humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF). Equipes de MSF estão agora prestando assistência médica a essas vítimas dos recentes deslocamentos, que estão vivendo em condições precárias em diversos campos em Shangil Tobaya, Dar Alsalam e Tabit.

"As pessoas fugiram de repente e chegaram aqui apenas com as roupas do corpo. Inicialmente elas montaram abrigos provisórios utilizando suas roupas e vegetação, para se proteger do frio à noite. MSF está fornecendo tendas plásticas, cobertores, colchonetes, sabonetes e galões de água para garantir condições mínimas a estas pessoas", disse Cristina Falconi, chefe da missão no Sudão. "Agora que a atenção está voltada para o referendo no sul do Sudão, não podemos esquecer as necessidades médicas urgentes em Darfur". 

Há dez dias, após um confronto na região de Tabit, MSF distribuiu itens domésticos básicos para mais de 500 pessoas que procuraram refúgio em localidades próximas à cidade de Jerno. Este foi o último de uma série de embates que tiveram início em meados de dezembro, com um confronto pesado em Shangil Tobaya, durante o qual o hospital do Ministério da Saúde, gerenciado por MSF, esteve no meio do fogo cruzado, obrigando pacientes e funcionários a abandonarem o hospital. Como consequência deste incidente, cerca de sete mil novos refugiados se reuniram em dois campos diferentes, próximo à cidade de Shangil Tobaya.

Alguns dias após esse confronto, MSF conseguiu realizar atendimento médico emergencial nessa área, cuidando de necessidades imediatas das pessoas deslocadas. Uma nova clínica foi montada dentro de um dos campos, e está atualmente atendendo 100 pacientes por dia. MSF também distribuiu alimentos nutritivos e ricos em vitaminas para aproximadamente 4 mil crianças com menos de cinco anos. Outras necessidades desta população estão sendo supridas por organizações que também atuam na área.

MSF também está apoiando uma campanha de vacinação, patrocinada pela UNICEF e pelo Ministério da Saúde, que alcança mais de 3 mil crianças e 200 mulheres grávidas na cidade de Shangil Tobaya e arredores.

Em outras localidades na região sul de Darfur, os conflitos também forçaram o deslocamento de milhares de famílias, no começo de dezembro. Atualmente, uma equipe de MSF está terminando uma averiguação para determinar as necessidades mais urgentes de milhares de famílias na região de Shaeria. MSF também está organizando um grande programa de nutrição, com a colaboração do Ministério da Saúde, para atender os casos mais graves de desnutrição de pessoas que sofrem com a violência contínua e com o baixo acesso a atendimentos médicos.

MSF continua a prestar assistência médica primária e secundária em Darfur, inclusive atendimento pediátrico e de ginecologia obstetrícia, assim como acompanhamento psicológico, em Kaguro, Dar Zaghawa, Tawila e Shangil Tobaya.

MSF atua no Sudão desde 1979, oferecendo cuidados médicos gratuitos a vítimas de conflitos armados, enchentes, secas com pouco ou nenhum acesso a tratamentos de saúde. Também trata surtos de doenças e casos emergenciais de desnutrição.

Hoje, MSF continua a prestar assistência médica humanitária por meio de uma série de projetos em diferentes áreas do Sudão, que incluem: Warrap, Jonglei, Alto Nilo; Unidade; Bahr-el-Ghazal do Norte e Bahr-el-Ghazal Ocidental, Equatoria central e ocidental, a área transitória de Abyei, Mar Vermelho, Al-Gedaref e nas regiões norte e sul de Darfur.