Você está aqui

Síria: quatro hospitais são atingidos em Damasco após bombardeios contínuos na região

07/10/2016
Ataques são resultado da escalada militar do governo sírio e seus aliados contra áreas controladas pela oposição

Quatro grandes hospitais de referência apoiados pela organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) foram atingidos por bombardeios e fogo de artilharia em áreas controladas pela oposição na província rural de Damasco. Enquanto Aleppo continua a ser o foco das atenções – militares, diplomáticas e humanitárias –, esses incidentes ocorreram em meio a uma escalada militar do governo sírio e seus aliados a áreas controladas pela oposição ao redor da capital, Damasco.

O hospital Khan el Shih, no sudoeste de Damasco, foi completamente destruído por bombardeios e fogo de artilharia à noite e durante a madrugada do dia 5 de outubro. Quatro bombas e cerca de 20 mísseis atingiram o hospital e seu entorno. Dois profissionais e dois pacientes foram mortos e 11 pacientes, feridos – nove moderadamente e dois gravemente, que precisaram de cirurgia.

Duas alas do hospital Rif Damasco, localizado em Goutha Oriental, no subúrbio de Douma, foram alvo de mísseis na noite de segunda-feira, 3 de outubro. As incubadoras neonatais e o laboratório foram atingidos, causando danos significativos ou até mesmo sua destruição. Essas instalações eram indispensáveis para o bom funcionamento do hospital, cuja capacidade está, atualmente, extremamente limitada.

Os dois hospitais de referência mais importantes das regiões de Quqsaya e Hameh, no norte de Damasco, foram atingidos no dia 5 de outubro. O hospital Quqsaya foi diretamente atingido por fogo de artilharia durante a noite. Cinco pacientes foram feridos; dois deles, gravemente. O hospital sofreu outros danos menores, mas continua funcionando. Na mesma noite, uma bomba foi lançada de um helicóptero muito próximo ao hospital Hameh, causando danos parciais; a instalação ainda está funcionando.

“Esse é mais um capítulo ultrajante na história das violações do direito internacional humanitário na guerra na Síria”, diz Brice de le Vingne, diretor de operações de MSF. “É um dos princípios básicos do direito internacional; ataques diretos ou indiscriminados a instalações médicas são totalmente inaceitáveis. Nós continuaremos a denunciar todas as vezes em que a própria assistência médica se tornar vítima do conflito.”

MSF mantém seis instalações médicas no norte da Síria e apoia mais de 150 centros de saúde e hospitais no país, incluindo em Aleppo e outras áreas sitiadas.

Leia mais sobre