Você está aqui

Segunda onda de COVID-19 sobrecarrega sistema de saúde no Iêmen

26/03/2021
Hospitais chegaram ao limite: faltam suprimentos essenciais para o tratamento de pacientes, incluindo oxigênio
Segunda onda de COVID-19 sobrecarrega sistema de saúde no Iêmen

Foto: Hareth Mohammed/MSF

Médicos Sem Fronteiras (MSF) está testemunhando um influxo dramático de pacientes graves com COVID-19 que precisam ser hospitalizados em Aden e em muitas outras partes do país.

“Fazemos um apelo a todas as organizações médico-humanitárias já presentes no Iêmen para que aumentem rapidamente sua resposta de emergência à COVID-19. Os doadores internacionais que cortaram o apoio financeiro e humanitário ao Iêmen também devem agir rapidamente”, disse Raphael Veicht, coordenador-geral de MSF no Iêmen. "Todos os aspectos da intervenção contra a COVID-19 estão em falta e precisam de maior apoio internacional, desde mensagens de saúde pública até vacinas e oxigenoterapia - o apoio é necessário em todos os níveis."

Após seis anos de guerra, o sistema de saúde do Iêmen foi abalado e a capacidade de tratamento na UTI é limitada. MSF está oferecendo suporte ao Centro de Tratamento de COVID-19 no hospital Al Gamhouria. Sua equipe médica tem capacidade para atender 11 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e até 46 pacientes no setor de internação. Atualmente, todos os 11 leitos de UTI estão totalmente ocupados.

“Infelizmente, muitos dos pacientes que atendemos já estão em estado crítico quando chegam”, disse Line Lootens, coordenadora médica de MSF no Iêmen. “A maioria dos pacientes precisa de níveis muito altos de oxigênio e tratamento médico. Alguns pacientes também precisam de ventilação mecânica na UTI, o que é tecnicamente difícil e requer um alto nível de cuidados médicos."

MSF está pedindo à população iemenita que siga as medidas de prevenção à COVID-19, como distanciamento social, lavagem das mãos e uso de máscaras com mais rigor. Também é importante que os pacientes com sintomas graves procurem atendimento médico especializado desde o início para ter uma melhor chance de recuperação da doença.

A resposta de MSF à COVID-19 é realizada com o apoio do Ministério da Saúde Pública e População (MoPHP) e da Direção do Hospital Geral de Al Gamhouria. Hoje, a equipe do centro de tratamento de COVID-19 é composta por mais de 100 médicos, enfermeiros e equipe de apoio, trabalhando ininterruptamente para atender às necessidades.

“Estamos muito gratos por este apoio tão necessário das autoridades de saúde do Iêmen. No entanto, o forte aumento do número de casos de COVID-19 nas últimas semanas é extremamente alarmante e preocupante”, disse Raphael Veicht, coordenador-geral de MSF no Iêmen. “Enquanto alguns países vacinaram com sucesso metade de sua população, o Iêmen se encontra no final da fila de vacinas, destacando novamente a desigualdade global de acesso às vacinas, sem ninguém vacinado no país até o momento”.

O centro de tratamento de COVID-19 Al Gamhouria, em Aden, foi construído por MSF em 2020, durante a primeira onda do surto de COVID-19. Posteriormente, foi repassado ao Ministério da Saúde Pública e População quando a situação sanitária melhorou. Após o forte aumento de casos de COVID-19 no início deste mês, um Memorando de Entendimento (MoU) foi assinado no dia 15 de março com o MoPHP e a gestão do hospital Al Gamhouria, para relançar uma intervenção de emergência contra a pandemia.

Para poder oferecer cuidados a pacientes graves com COVID-19, MSF implantou uma equipe de emergência em Aden, composta por 1 coordenador médico, 2 médicos de UTI, 2 enfermeiros de UTI e 2 logísticos.

MSF é uma organização humanitária internacional e independente que oferece assistência médica a pessoas afetadas por conflitos, epidemias, desastres naturais ou exclusão dos serviços de saúde. As ações de MSF são orientadas pela ética médica e pelos princípios de imparcialidade, independência e neutralidade.

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar