Você está aqui

Saúde mental no Paquistão: "este mundo é bonito com as pessoas"

04/09/2019
A gerente de recursos humanos e finanças de MSF Rosy Lee fala sobre o projeto em Kuchlak
Saúde mental no Paquistão: "este mundo é bonito com as pessoas"

Foto: MSF

A clínica de saúde infantil de Kuchlak fica a 20 minutos de carro de Quetta por uma estrada empoeirada em uma paisagem bege na qual só recentemente brotaram pedaços de vegetação. É um país deserto e fica entre um anfiteatro natural de montanhas.

Como gerente de recursos humanos e finanças, tenho pouco a ver com as atividades médicas do dia-a-dia, mas tudo a ver com nossa equipe. É uma posição que me mantém no centro das coisas, dando-me boas razões para sair do escritório e ter uma presença no local onde a maioria de nossa equipe trabalha.
Na clínica, sou um ouvido compreensivo para as preocupações da equipe, me dando a oportunidade de impulsionar as pessoas.

Suporte incansável
Talvez tenha sido essa abordagem orientada para as pessoas que me fez gravitar em torno do trabalho de nossa equipe de saúde mental. A cada dia, os quatro conselheiros psicossociais – Malek, Mewish, Laiba e Aminullah – trabalham incansavelmente para apoiar o departamento ambulatorial e o centro de alimentação terapêutica ambulatorial, a unidade de parto e nossas instalações de tratamento de leishmaniose cutânea com uma abordagem integrada.

Essa equipe não apenas usa empatia e poderes extraordinários de escuta para apoiar nossos pacientes; seu trabalho combina perfeitamente com as outras atividades médicas da clínica para apoiar o trabalho de toda a nossa equipe médica.

Uma abordagem integrada: capacitar pacientes e abordar questões subjacentes
Integrar (verbo) - formar, coordenar ou mesclar-se a um todo funcional ou unificado.

Em uma época em que a doença mental está em ascensão na Europa e na América do Norte, nossa pequena clínica de saúde infantil no Paquistão não é exceção. Pacientes com leishmaniose cutânea enfrentam estigmatização por parte de suas comunidades por suas lesões; depressão pós-parto é vista na unidade de parto; e os desafios conjugais são comuns.

No centro de alimentação terapêutica para crianças com desnutrição, as mães experimentam depressão e ansiedade devido ao estresse de criar famílias numerosas em um ambiente empobrecido. Com uma das taxas de natalidade mais altas do mundo, a família média no Baluchistão tem seis filhos.

"Se você é afetado fisicamente, isso também afeta sua saúde mental", disse Mewish. Estou sentada com ela e Laiba na sala de saúde mental das mulheres, forrada com almofadas alaranjadas perto das paredes. "Então, quando você dá importância ao físico, também deve dar importância ao mental."

"Os sintomas são físicos, pensamentos e comportamento", acrescenta Laiba. “Se uma posição é perturbada, as outras também sofrem. Primeiro, nós ajudamos a pessoa a perceber que ela tem um problema de comportamento ou pensamento. Então, fazemos a mente dela levar em consideração os aspectos positivos”.

Mewish e Laiba me explicam a conexão entre problemas de saúde física e mental. A saúde mental de um paciente não apenas leva a manifestações físicas diretas – como no caso do estresse – como também afeta frequentemente o sucesso e a sustentabilidade do tratamento para outros problemas. Frequentemente, não podemos mudar a situação deles, mas, com o aconselhamento, podemos ajudá-los a lidar com o estresse e realizar seu próprio potencial.

As conselheiras me contam a história de um bebê desnutrido que não ganhava peso após vários acompanhamentos no centro de alimentação. Eventualmente, a equipe encaminhou o bebê para a equipe de saúde mental, onde a mãe foi diagnosticada com depressão. Nas sessões, a mãe foi incentivada a formar vínculos com o bebê por meio da amamentação e contato físico. Algumas semanas depois, a equipe ficou encantada ao ver que o bebê havia ganhado vários quilos que salvaram sua vida.

Sessões de grupos de apoio e o poder de cura da comunidade
A equipe também facilita sessões de grupo de apoio, que provaram ser uma maneira eficaz de resolver problemas comuns, além de gerenciar o número crescente de pacientes que precisam de apoio à saúde mental.
Laiba e Mewish admitem que as pessoas nem sempre são imediatamente receptivas ao aconselhamento. Eles geralmente querem remédios e a equipe de saúde mental é desafiada a criar confiança e consenso entre os pacientes. "Nos grupos, explicamos os sintomas e deixamos que os pacientes concordem que ‘sim, temos esse problema’", diz Laiba. “Eles discutem como se sentem. Como lidam com o estresse. Estamos todos percebendo que temos o mesmo problema, obtemos força um do outro".

Em Kuchlak, as sessões dos grupos de apoio têm sido uma grande fonte de apoio aos pacientes – tanto que os membros da comunidade vêm ao centro de saúde materno-infantil a procura dos grupos. "Eles estão se comunicando e divulgando a mensagem", diz Mewish, feliz com a perspectiva de que suas lições estão ultrapassando os muros da clínica e chegando às comunidades vizinhas.

"As pessoas devem estar juntas"
Estou sentada com Malek, nosso supervisor de saúde mental. Ele trabalha para MSF desde 2009, quando as atividades de saúde mental no centro de saúde materno-infantil de Kuchlak estavam focadas no apoio a refugiados da guerra do Afeganistão. Naquela época, a equipe de saúde mental era composta por apenas três pessoas: Malek, um conselheiro-sênior chamado Fozia, e sua supervisora Sue Petri, que posso dizer que tiveram um impacto profundo no desenvolvimento pessoal e profissional de Malek.

Ele me conta a história das atividades de saúde mental em Kuchlak. Em 2008, dois anos após a abertura da clínica, foi observado um número significativo de pacientes queixando-se de dores e sem nenhuma condição física aparente. Em muitos casos, uma avaliação revelou que a causa era psicossomática.
A partir de 2014, a direção da clínica passou de cuidar de estresse relacionado à guerra para apoiar problemas de saúde de mães e filhos. Ao mesmo tempo, a estratégia da equipe de saúde mental mudou para a abordagem integrada.

Malek me conta como é gratificante seu trabalho. Ele não apenas encontra significado em seu papel como supervisor, transmitindo o conhecimento que uma vez recebeu aos membros de sua equipe, mas também acredita profundamente no impacto que os serviços de saúde mental da clínica têm. “Acreditamos aqui que quando você compartilha, você está relaxando. Compartilhar é cuidar”, disse ele, ecoando um ditado popular em inglês que parecia profundo no momento em que se estendia por culturas. “Olhe ao seu redor – se você estivesse aqui na clínica e ninguém estivesse aqui, sentiria medo. Este mundo é bonito com as pessoas. Nós não devemos ser solitários.”

Necessidades crescentes em Kuchlak
A equipe admite que, apesar da abordagem integrada, eles não têm o tempo necessário para despender com cada departamento. Sua carga de trabalho é constante e as necessidades estão aumentando.
Da minha parte, estou simplesmente orgulhosa de que nossa clínica ofereça esses serviços importantes. Além disso, tenho orgulho de nossa equipe de saúde mental. Eles estão melhorando nosso atendimento aos pacientes de maneiras incomensuráveis; não apenas pelo método de abordagem do corpo como um sistema holístico e interconectado, mas também pelo cuidado e empatia que demonstram por cada paciente.
 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar