Você está aqui

Rohingyas ainda vivem incerteza em Bangladesh três anos após a maior onda de deslocamentos

24/08/2020
Condições de vida nos campos de refugiados são difíceis e não há perspectiva de retorno a Mianmar
Rohingyas ainda vivem incerteza em Bangladesh três anos após a maior onda de deslocamentos

Foto: Dalila Mahdawi/MSF

“Passar nossas vidas nos campos é difícil. A área é pequena e não há espaço para as crianças brincarem”, diz Abu Siddik. Ele mora em um dos campos no distrito de Cox's Bazar, no sudeste de Bangladesh, onde cerca de 860 mil refugiados rohingya estão amontoados em apenas 26 quilômetros quadrados de terra. “Saí de Mianmar porque minha casa foi incendiada. Eles estavam matando e torturando todos e assediando nossas mulheres. Não era seguro.”

Siddik está se referindo às “operações de liberação” lançadas pelas forças de segurança de Mianmar que começaram em agosto de 2017. Eles forçaram mais de 700 mil rohingyas do estado de Rakhine a fugirem pela fronteira com Bangladesh. Esses refugiados se juntaram a outros 200 mil que haviam fugido de ondas de violência anteriores. Antes de escapar, muitos experimentaram ou testemunharam atos horríveis de violência. Seus amigos e familiares foram mortos e suas casas destruídas.

Pouca esperança para o futuro

Três anos depois, há pouca esperança de mudança positiva para os rohingyas, ou para seu retorno para casa de maneira segura e digna em curto prazo. As pessoas continuam a viver em abrigos superlotados e frágeis feitos de plástico e bambu. Suas vidas permanecem em espera.

As necessidades de saúde mental dos rohingyas evoluíram ao longo dos anos. Desemprego, ansiedade sobre o futuro, condições de vida precárias e pouco ou nenhum acesso a serviços básicos, como educação formal, contribuíram para as memórias traumáticas da violência sofrida em Mianmar. Alguns pacientes estão recebendo tratamento psiquiátrico para problemas graves de saúde mental, incluindo transtorno bipolar e esquizofrenia. Equipes de MSF têm visto um número crescente de pessoas com problemas de saúde mental em nossas instalações em Cox's Bazar.

As más condições de vida são a principal causa de doenças

“A maioria dos pacientes que atendemos, crianças e adultos, vem com infecções respiratórias e de pele e doenças diarreicas. Essas doenças estão principalmente relacionadas às más condições de vida”, explica Tarikul Islam, líder da equipe médica de MSF no megacampo Kutupalong-Balukhali, o maior campo de refugiados do mundo.

Há mais ordem agora nos acampamentos do que nos primeiros dias da emergência, com melhores estradas e mais latrinas e pontos de água potável, embora o acesso ainda seja extremamente limitado. Mas a vida no local é precária. Todos os anos, quando chega a estação das monções, o risco de inundações, deslizamentos de terra e de perda dos poucos bens que as pessoas possuem é muito real.

Também há problemas econômicos para enfrentar. Portanto, não é surpresa que as pessoas demorem a procurar atendimento médico, o que piora a situação. “Alguns pacientes chegam tarde, quando já estão gravemente enfermos. Quando um paciente não chega rápido, quando o quadro já está complicado e a doença já está prejudicando outros órgãos do corpo, requer muito mais atenção e é difícil reparar a situação”, afirma a pediatra Ferdyoli Porcel.

Em Mianmar, muitas comunidades rohingyas recebiam cuidados de saúde precários. Isso teve consequências médicas e tornou as pessoas menos confortáveis para acessar os cuidados de saúde nos campos. Como Ferdyoli explica, “outro problema está relacionado ao atendimento pré-natal e aos partos em casa, quando as mulheres têm complicações durante os partos em casa ou seus bebês correm risco. Um parto em um hospital pode responder a essas complicações e nos dá a chance de ajudar o bebê a respirar se ele nascer com problemas ou ajudar a mãe se ela estiver perdendo sangue.”

O desafio adicional da COVID-19

Este ano, a COVID-19 apresenta desafios adicionais. A primeira pessoa rohingya com a doença nos campos foi confirmada em 15 de maio. Um impacto imediato disso foi uma erosão ainda maior da confiança no sistema de saúde. Rumores e informações incorretas são abundantes, e o medo está mantendo as pessoas que precisam de cuidados de saúde essenciais longe das clínicas. “Alguns pacientes não admitiam abertamente os sintomas relacionados à COVID-19 porque pensavam que seriam tratados de forma diferente”, diz Tarikul Islam.

Jobaida deu à luz há algumas semanas no hospital materno infantil de MSF em Goyalmara. Ela descreve como ela e seu bebê ficaram na unidade de terapia intensiva neonatal, durante os quais foram testados para COVID-19: “O teste deu positivo e fui transferida para a ala de isolamento com meu bebê. Passamos 12 dias lá. Eu estava com medo porque há uma crença em nossa comunidade de que ter COVID-19 significa que você vai morrer. Os médicos e enfermeiras foram muito gentis. Eles me apoiaram e me examinaram todos os dias. Eles não pareciam ter medo de se aproximar de mim, embora eu estivesse infectada, o que me ajudou a me sentir menos estigmatizada.”

Trabalhar com as comunidades é essencial

Compartilhar informações sobre a COVID-19 e aumentar a conscientização entre as comunidades foi crucial para a resposta de MSF, mas fazer isso usando a mídia social ou mensagens SMS foi prejudicado por restrições à disponibilidade de rede móvel dentro e ao redor dos campos. Para evitar reunir pessoas em grupos, nossas equipes de abordagem nos acampamentos e nos vilarejos vizinhos vão de casa em casa, falando com cada membro da família.

Alguns fornecedores de saúde, incluindo MSF, tiveram que reduzir suas atividades, principalmente nos primeiros dias da pandemia, devido aos desafios de pessoal e recursos. Isso, por sua vez, teve consequências para quem precisava de cuidados médicos.

Conter a propagação de COVID-19 também significou aumento das restrições ao movimento nos campos. Isso dificultou ainda mais o acesso aos cuidados de saúde e tornou mais difícil para os pacientes com doenças "invisíveis", como transtornos psiquiátricos, ou doenças não transmissíveis, como diabetes, provar que estão doentes e viajar para instalações médicas.

As perspectivas são sombrias em toda a região

Com o passar dos anos, o dia 25 de agosto é uma lembrança das décadas de violência sancionada pelo Estado, perseguição, discriminação e negação dos direitos básicos que os rohingyas sofreram. Além de Bangladesh, MSF vê as consequências de viver no limbo para as comunidades rohingyas com as quais trabalhamos em lugares como Mianmar e Malásia.

Os rohingyas que permanecem no estado de Rakhine continuam enfrentando discriminação e segregação, principalmente restrições de movimento, que limitam seu acesso à saúde.

Na Malásia, que abriga uma das maiores populações de rohingyas fora de Mianmar, muitos não procuram atendimento médico ou demoram a fazê-lo até que sua condição se torne muito grave, por medo de serem denunciados às autoridades de imigração e detidos. As barreiras de acesso ao emprego significam que a maioria não pode pagar os cuidados de saúde, mesmo que queira procurá-los.

Além disso, nos últimos meses, os países do sudeste da Ásia recusaram repetidamente os barcos que transportavam centenas de refugiados que fugiam dos campos em Bangladesh a atracar em suas costas por medo da COVID-19. As pessoas ficam à deriva durante semanas, com pouca comida e água, e muitas vezes são vítimas de abusos. “A vulnerabilidade da situação para os refugiados rohingyas foi exacerbada pela pandemia de COVID-19. Sua falta de status legal e a ausência de soluções de longo prazo e mais sustentáveis significam que seu futuro está mais incerto do que nunca”, disse Alan Pereira, representante de MSF em Bangladesh.

“Numa época em que muitos ao redor do mundo têm seus movimentos interrompidos, seus planos engavetados e seus meios de subsistência em crise, é importante lembrar que esta tem sido a vida dos rohingyas por gerações.”

Em Cox's Bazar, MSF administra dez hospitais e centros de saúde primários. Nossas atividades cobrem uma variedade de serviços, incluindo atendimento de emergência e intensivo, pediatria, obstetrícia, saúde sexual e reprodutiva e tratamento para sobreviventes de violência sexual e pacientes com doenças não transmissíveis. Durante os primeiros seis meses de 2020, as equipes de MSF realizaram quase 173 mil consultas ambulatoriais e de emergência; admitiu mais de 9.100 pacientes para atendimento; forneceu mais de 22.600 consultas pré-natais e assistiu mais de dois mil partos; e deu mais de 14.250 consultas individuais de saúde mental.

Em resposta à COVID-19, as equipes de MSF estão realizando atividades de promoção da saúde para aumentar a conscientização e educar as comunidades. Estamos treinando profissionais da linha de frente em medidas de prevenção e controle de infecções e instalamos enfermarias de isolamento em todas as nossas unidades de saúde e centros de tratamento dedicados.

 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar