Você está aqui

RCA: MSF está ultrajada com morte de profissional

20/05/2016
Comboio de MSF foi rendido por homens armados durante emboscada

Foto: Luca Sola

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) condena veementemente a emboscada contra uma de suas equipes na República Centro-Africana (RCA), durante a qual um profissional de MSF foi morto.

Ontem, dia 18 de maio, um comboio de MSF, claramente identificado, composto por dois veículos que transportavam profissionais e pacientes, foi parado por homens armados em Kouki, a 82 quilômetros ao norte de Bossangoa. A equipe foi forçada a sair dos carros e deitar no chão. Itens pessoais e medicamentos foram roubados. Durante o incidente, que durou mais de 40 minutos, um dos motoristas levou um tiro e foi morto.

“É absolutamente inaceitável que uma equipe de profissionais médicos e seus pacientes tenham sido atacados enquanto retornavam após oferecer cuidados de saúde vitais”, diz Michelle Chouinard, coordenadora-geral de MSF na RCA. “É ultrajante que um de nossos profissionais tenha sido morto durante esse ato de violência. A equipe de MSF e seus pacientes foram submetidos a assédio prolongado, incluindo tiros disparados próximo de suas cabeças e ameaças verbais constantes de que seriam mortos.”

Como resultado desse ato de violência, MSF foi forçada a suspender atividades na região até que receba garantias adequadas da segurança de seus profissionais e a aceitação de suas atividades médicas e humanitárias. “Profissionais humanitários deveriam ser protegidos do perigo enquanto atuam em áreas afetadas pela violência”, diz Chouinard.

MSF está coletando informações sobre as circunstâncias do incidente e não fará mais comentários até que todos os detalhes sejam esclarecidos e confirmados. A organização espera uma investigação completa pela polícia e as autoridades locais, e que os autores sejam levados à justiça.

MSF está chocada e profundamente triste com esse grave incidente de segurança. MSF estende suas sinceras condolências à família do profissional de MSF morto.

MSF começou a oferecer cuidados médicos gratuitos na República Centro-Africana (RCA) em 1997, época em que as taxas de mortalidade em algumas regiões estavam cinco vezes acima do patamar de uma emergência. Desde então, a RCA continua enfrentando uma situação de emergência de saúde crônica e prolongada. A crise política e a violência recorrente que afetam o país desde 2013 exacerbaram a situação de saúde, deixando 72% das instalações locais danificadas ou destruídas. Em resposta à atual crise, MSF dobrou sua resposta médica, e, hoje, mantém 17 projetos pelo país. Atualmente, um em cada cinco centro-africanos está deslocado de sua casa, seja dentro da RCA ou vivendo como refugiado em países vizinhos.

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar