Você está aqui

Pfizer reduz preço da vacina contra pneumonia

13/11/2016
A redução se aplica a vacinas destinadas a crianças em contextos de emergências humanitárias. Mas a Pfizer e a GSK devem, ainda, estender a redução a todos os países em desenvolvimento
Pfizer reduz preço da vacina contra pneumonia

Foto: MSF/Sophia Apostolia

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) saúda a decisão da Pfizer de reduzir o preço de sua vacina pneumocócica conjugada (PCV) para crianças em meio a emergências humanitárias. Durante sete anos, MSF fez apelos à Pfizer e à GSK – as duas únicas produtoras da vacina contra pneumonia – para que elas oferecessem o menor preço global da vacina a organizações humanitárias – o que, até setembro, havia sido recusado. No mesmo mês, a GSK anunciou que finalmente iria reduzir o preço da PCV para uso em crises humanitárias. Após pronunciamento na última sexta-feira, a Pfizer está seguindo os passos da GSK.

“É muito bom ver que a Pfizer está finalmente reduzindo o preço de sua vacina, que é essencial para crianças em meio a emergências”, diz a dra. Joanne Liu, presidente internacional de MSF. “Com as reduções de preço da Pfizer e da GSK, organizações humanitárias estarão mais bem preparadas para proteger crianças contra essa doença mortal.”

A pneumonia é a principal causa de mortalidade infantil no mundo, matando cerca de um milhão de crianças a cada ano. Crianças afetadas por crises, como as que se encontram retidas em situações de conflito ou de emergências humanitárias, são particularmente suscetíveis a contraírem pneumonia. Equipes médicas de MSF frequentemente testemunham os efeitos mortais da pneumonia – uma doença evitável por meio de vacina – nas crianças atendidas em nossas instalações de saúde.  

As reduções de preços representam um passo significativo rumo à proteção de crianças vulneráveis que são atendidas por organizações como MSF. De 2009 a 2014, MSF conduziu negociações com a Pfizer e a GSK a fim de ter acesso a preços justos e sustentáveis da vacina contra pneumonia, antes de fazer uma notável exceção à nossa política de doações por parte de companhias farmacêuticas. Ao concordar com as doações de prazo limitado, tanto a Pfizer como a GSK garantiram a MSF que trabalhariam em soluções de longo prazo para melhorar a acessibilidade às vacinas. Desde então, na ausência de uma solução definitiva, MSF e outras organizações humanitárias passaram por dificuldades para comprar vacinas contra pneumonia por um preço acessível. No início deste ano, MSF pagou 60 euros (68,10 dólares) por uma dose do produto da Pfizer para vacinar crianças refugiadas na Grécia – um valor 20 vezes maior que o que é oferecido como menor preço global pela GSK e pela Pfizer.

Um terço dos países do mundo ainda não conseguiram introduzir a PCV por causa de seu alto custo. Milhões de crianças que vivem em países como a Jordânia, a Tailândia e as Filipinas estão abandonadas. Em 2015, os 193 países aprovaram uma resolução simbólica que pedia vacinas mais acessíveis e mais transparência no valor atribuído aos produtos. “Tanto a Pfizer como a GSK devem redobrar seus esforços para reduzir o preço da vacina para os muitos países em desenvolvimento que ainda não conseguem arcar com os custos para proteger suas crianças contra a pneumonia”, diz a dra. Liu.

O pronunciamento recente da Pfizer indica que a redução dos preços foi uma nova e específica diferenciação tarifária para organizações como MSF. Agora, esperamos que a farmacêutica estenda seus esforços de redução de preços a todos os países em desenvolvimento, e também que acelere o processo de registro para ampliar o acesso à vacina contra pneumonia para todos aqueles que precisam dela.



Contexto

Hoje em dia, vacinar uma criança é 68 vezes mais caro do que era em 2001, de acordo com relatório feito por MSF em 2015, “The Right Shot: Bringing down Barriers to Affordable and Adapted Vaccines” (“Dose Certa: Eliminando os Obstáculos para Vacinas Acessíveis e Adaptadas”, em tradução livre para o português). A vacina contra a pneumonia representa quase metade do preço de todo o pacote de vacinas essenciais para imunizar crianças nos países mais pobres. Depois de anos de negociações sem resultados, MSF lançou, em 2015, a campanha “Uma dose justa”, movimento público que pede à Pfizer e à GSK – as duas únicas produtoras da vacina de pneumonia – a redução dos preços da vacina para 5 dólares por criança (incluindo as três doses) para populações afetadas por crises e para todos os países em desenvolvimento. Em 27 de abril deste ano, MSF apresentou uma petição às duas farmacêuticas com mais de 416 mil assinaturas de pessoas de 170 países. Em setembro, a GSK anunciou que estava, finalmente, reduzindo o preço da vacina para situações humanitárias. Com pronunciamento divulgado na sexta-feira, 13 de novembro, a Pfizer mostrou estar seguindo os passos da GSK.