Você está aqui

“As pessoas que abandonam a Venezuela agora são mais pobres, mais vulneráveis”

13/09/2019
Coordenador do projeto para migrantes na Colômbia fala sobre o perfil das pessoas atendidas por MSF
Coordenador do projeto para migrantes na Colômbia fala sobre o perfil das pessoas atendidas por MSF

Esteban Montaño/MSF

Minos Hubert passou os últimos meses coordenando projetos de Médicos Sem Fronteiras (MSF) nos departamentos colombianos do Norte de Santander e Arauca, na fronteira com a Venezuela. Por meio desses projetos, juntamente com os do departamento de La Guajira, MSF realizou mais de 33 mil consultas médicas e de saúde mental para migrantes e solicitantes de asilo venezuelanos e a população local. Minos alerta que, diferentemente das primeiras ondas migratórias que deixaram a Venezuela, os venezuelanos que chegaram nas últimas semanas: "são mais pobres, mais vulneráveis; mães solteiras com crianças pequenas e idosos. Os recursos alocados para eles devem corresponder não apenas a um fluxo maior de pessoas, mas também a pessoas mais necessitadas do que as que vieram antes. ”

PERGUNTA: Qual é o perfil dos pacientes atendidos em projetos de fronteira?

RESPOSTA: O perfil é muito variado, dos chamados migrantes 'pendulares', que se deslocam de um país para outro, aos que chegam aqui viajando centenas de quilômetros desde a Venezuela. Certamente existem grupos que se estabeleceram em cidades e vilarejos fronteiriços (Tibú, Tame, La Gabarra e La Guajira), que vivem em condições difíceis, em assentamentos muito pobres. E também, pessoas em trânsito, aquelas que são conhecidas como "caminhantes", cujos números vimos aumentar nos últimos tempos. Em nossa central de ajuda em Tame, 2 mil pessoas chegaram no último mês.

P: Como esse perfil mudou?

R: Os grupos que estão chegando agora são muito mais vulneráveis do que os de ondas migratórias anteriores. Quem sai agora é mais pobre. Eles resistiram ao início da jornada, talvez por falta de recursos imediatos. Eles suportaram a situação na Venezuela por mais tempo e chegam com menos recursos. É algo a ser levado em consideração, pois é um grupo com maiores necessidades, que deve ser atendido.

P: Qual o significado de 33 mil consultas realizadas?

R: Reflete uma situação de necessidades enormes e urgentes, de uma situação muito complicada na Venezuela. É um lembrete de que qualquer mudança na Venezuela pode gerar um movimento populacional maciço novamente.

P: Como estamos respondendo às necessidades médicas dos venezuelanos recém-chegados?

R: O sistema de saúde colombiano está disponível para ajudar os venezuelanos com necessidades médicas urgentes. Seus hospitais estão fazendo um grande esforço, mas ainda precisam de mais reforços. Apoiamos o sistema de saúde cuidando da saúde da mulher, que continua sendo uma das prioridades, incluindo consultas de pré e pós-natal, planejamento familiar e interrupção segura da gravidez. Também ajudamos mulheres que tiveram que recorreram ao trabalho sexual para sobreviver. As mulheres vêm até nós de longe para acessar o serviço de prevenção da gravidez de MSF.

P: Venezuelanas e colombianas?

R: Nisto temos que ser muito claros. Não podemos e não devemos substituir os serviços que o sistema colombiano deve oferecer. Em alguns casos, apoiamos os colombianos, mas não podemos abrir nossos serviços a todos porque eles são limitados. No entanto, diminuímos bastante a carga de trabalho que os grupos recém-chegados exigiriam do sistema público de saúde, que já está sobrecarregado. Nosso foco é tratar os problemas causados pelas condições precárias e difíceis em que os migrantes vivem, que levam a doenças da pele, gastrointestinais e do trato respiratório. E não podemos esquecer o impacto que a decisão de deixar a Venezuela, a viagem à Colômbia e as condições de chegada têm sobre migrantes e solicitantes de asilo. Para as crianças, esse impacto é terrível. Os acampamentos em que vivem são muito difíceis, a vida dos “caminhantes” também é muito difícil para as crianças, que também sofrem bullying e xenofobia onde quer que cheguem.

P: O que o governo colombiano deve fazer?

R. Uma primeira coisa é reconhecer o esforço, mesmo com todas as suas limitações e contratempos, do governo colombiano de atender essa população. Mas a situação está longe de ser perfeita. Os hospitais estão cobrindo o mínimo necessário – as emergências –, mas correm o risco de entrar em colapso e precisam de mais ajuda. A comunidade internacional também deve fazer mais para proporcionar maior acesso ao povo colombiano e venezuelano a especialistas, apoiar o sistema de saúde em geral e melhorar e garantir maior integração social. Nas áreas rurais, fronteiriças ou violentas, como onde estamos localizados, o sistema de saúde deve ser fortalecido para poder apoiar tanto os locais quanto os venezuelanos.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar