Você está aqui

Paquistão: MSF reforça presença em Mardan e Lower Dir

28/08/2009
Mais de um milhão de pessoas seguiram para essas regiões tentando fugir dos recentes conflitos registrados no Vale do Swat

Mais de um milhão de pessoas fugiram dos recentes conflitos entre as forças militares paquistanesas e os oponentes armados do Vale do Swat. Eles encontraram refúgio nos distritos de Mardan, Charsadda e Peshawar. Até o fim de maio, Médicos Sem Fronteiras (MSF) havia enviado equipes médicas para dar apoio ao Complexo Médico Universitário Mardan e ao centro de saúde rural Takht Bhai, ambos sobrecarregados com um grande fluxo de deslocados internos.

Preocupação com os refugiados

Cerca de três meses depois, o fluxo populacional está se revertendo gradualmente. Acampamentos temporários foram fechados e um terço dos deslocados voltou para casa com material e apoio financeiro da Acnur (Agência das Nações Unidas para Refugiados) e do governo. Sua partida diminuiu o fardo dos residentes locais.

Ao mesmo tempo, há muito preocupação com relação à segurança dos que retornaram. A segurança aumentou nos centros urbanos no Vale do Swat, Lower Dir e Buner. No entanto, as informações que chegam até MSF sugerem que áreas mais isoladas ainda estão sob ameaça de violência persistente, forçando as famílias a fugir novamente.

Muitos casos de diarréia aguda

Além dessas preocupações, e apesar do retorno parcial dos deslocados pelo conflito, a pressão não diminuiu no Complexo Médico Mardan onde trabalham os integrantes de MSF. Cada vez mais deslocados internos e residentes locais chegam em busca de tratamento. Nas três últimas semanas, nossas equipes médicas testemunharam um grande aumento nos casos de diarréia aguda, nessa região onde a cólera é endêmica. A Organização Mundial de Saúde realizou testes para diagnosticar o que seria, mas ainda não divulgou seus resultados.

Enquanto isso, MSF rapidamente abriu uma estrutura de saúde temporária que terá capacidade para receber 100 pessoas. Estruturas idênticas, em menor escala, foram aberta nos hospitais Timurgara e Summerbagh no distrito de Lower Dir.

“Em um único mês, passamos de 30 internações na primeira semana para 127 na última semana,” contou preocupada Fabien Schneider, chefe de missão de MSF no Paquistão.

Fatores agravantes

A superlotação aumenta o risco de uma epidemia e faz piorar as condições sanitárias. Para piorar, as chuvas torrenciais do início de agosto provocaram enchentes, o deslocamento de dezenas de milhares de pessoas nos distritos de Mardan e Swabi. As equipes de MSF responderam rapidamente para ajudar 150 famílias nas áreas mais isoladas que haviam sido privadas de assistência.

Mardan não é a única região afetada por diarréia aguda. A doença também atingiu as regiões fronteiras de Nowshera, aonde um vilarejo chegou a registrar mortes. Outra organização médica que já trabalhava no local respondeu, e o Hospital Nowshera agora transfere pacientes para o Complexo Médico Mardan. Até o dia 18 de agosto, MSF havia tratado 553 pacientes em vários centros de saúde e unidades de isolamento.

Leia mais sobre