Você está aqui

Pacientes enfrentam o árduo e prolongado tratamento da tuberculose na Papua-Nova Guiné

06/11/2019
As mãos de Louisa tremem de ansiedade, como acontece em todas as manhãs. Ela está claramente nervosa enquanto enche uma garrafa de água e pega um punhado de comprimidos diferentes. Louisa, com quase 20 anos, vive com sua família perto da praia, em um dos muitos pequenos assentamentos que compõem Port Moresby, a capital da Papua-Nova Guiné. 
 
Hoje de manhã, uma leve brisa marinha ajuda a suportar o calor. Nathanael, um agente comunitário de saúde de MSF, se aproxima da casa de Louisa, construída sobre palafitas, como muitas outras no país. Ele sobe a escada que leva à sala de estar, assim como todos os dias, para ajudar Louisa a preparar sua medicação e supervisionar seu tratamento para tuberculose resistente a medicamentos (TB-DR). 
 
Louisa reúne sua dose diária e as coloca na boca uma a uma, engolindo rapidamente cada uma com água. Ela deve se submeter a esse ritual diário por algo entre 18 meses a dois anos. 
 
“No começo, há dois anos, fui diagnosticada com a tuberculose mais fácil de tratar, sensível a medicamentos”, diz Louisa. "Logo após o tratamento, me senti melhor e parei de tomar o medicamento regularmente". Quando o tratamento da TB é interrompido, ela geralmente retorna em sua forma resistente a medicamentos, exigindo ainda mais comprimidos e um tratamento ainda mais longo. É por isso que a adesão ao tratamento é tão crucial e a equipe de MSF na Papua-Nova Guiné tem várias estratégias diferentes para ajudar os pacientes a alcançá-la. 
 
"Quando um novo paciente é diagnosticado com TB, visitamos sua casa para rastrear os membros da família – e todas as pessoas próximas ao paciente – em busca de infecções", diz Meaghan Hock, que coordena a equipe de MSF.

“Também verificamos como são suas condições de vida - por exemplo, se há água limpa disponível para a ingestão diária de medicamentos. Idealmente, uma enfermeira supervisiona a ingestão diária, mas também pode ser um profissional de saúde da comunidade, um conselheiro, um líder comunitário treinado ou um membro da família.  Ou se o paciente mora perto de um centro de saúde, ele pode visitar o centro para tomar seus remédios na frente de uma enfermeira.”

 
Louisa tomou seu remédio e Nathanael está pronto para seguir em frente. O próximo paciente em sua lista de visitas diárias é Joe Kassmann. Joe tem cinco filhos e quatro netos. Em 2017, ele sofria de tosse, mas sem perceber que isso era um sintoma potencial da tuberculose, não pensou em nada. A tosse não desapareceu e ele foi encaminhado ao hospital Gerehu em Port Moresby, onde foi diagnosticado com TB-DR. 
 
"É difícil aderir ao tratamento", diz Joe. "No começo, vomitei depois de tomar as pílulas." Após mais de 10 meses de tratamento, ainda faltam oito meses. Motivado por seu desejo de ser um bom avô, Joe deseja continuar. "Quero viver, poder educar meus netos", diz ele. "Quero vê-los crescer e isso torna mais fácil tomar os comprimidos todos os dias."
Desde 2014, a equipe de MSF na Papua-Nova Guiné tratou mais de 7.100 pacientes com TB sensível a medicamentos e mais de 200 com TB resistente a medicamentos, como Joe e Louisa. Papua-Nova Guiné é um país altamente sobrecarregado pela tuberculose; a doença é a segunda maior causa de morte no país. Muitas pessoas vivem em áreas remotas, longe dos centros de saúde, o que significa que muitos casos passam despercebidos. A falta de um sistema de acompanhamento eficaz também significa que um grande número de pacientes não consegue concluir o tratamento da TB, colocando-os em risco de desenvolver uma forma da doença resistente aos medicamentos.
 
Em colaboração com o programa nacional de TB, MSF apoia o hospital geral de Kerema e dois centros de saúde na província do Golfo e está aumentando a capacidade de triagem, diagnóstico, início do tratamento e acompanhamento no hospital de Gerehu, em Port Moresby. 
 
No hospital de Gerehu, Namsy Joe acaba de ser diagnosticado com tuberculose e está participando de sua primeira sessão de educação e aconselhamento. Cerca de uma dúzia de pequenos jarros estão alinhados na frente dele. Eles são preenchidos com quantidades decrescentes de arroz, ilustrando como o número de bactérias é reduzido pelo tratamento e, eventualmente, desaparece completamente após a conclusão do tratamento. 
 
Após a sessão, Namsy Joe visita o dispensário de medicamentos no hospital para receber seu primeiro lote de comprimidos. O conselheiro Stoney Karahure explica a ele como tomar sua dose diária de comprimidos, que será supervisionada por uma enfermeira. "Namsy Joe completará seu tratamento em um centro de saúde mais próximo de sua casa para evitar ter que viajar para o hospital", diz Stoney Karahure.  
 
A Papua-Nova Guiné é escassamente povoada e o transporte é limitado e caro. Além disso, os pacientes com tuberculose geralmente acham que não são bem-vindos no transporte público, devido ao estigma em torno da doença. Como resultado, muitos pacientes lutam para chegar ao centro de saúde mais próximo para marcar consultas, fazer check-ups e buscar novos medicamentos. Portanto, chegar aos pacientes onde vivem é uma parte essencial do tratamento da TB.
 
“Os pacientes costumam ter dificuldade em pegar o barco ou o ônibus”, diz Maria Morehari, que coordena a equipe de profissionais de saúde comunitários de MSF na pequena cidade de Malalaua, na província do Golfo, cerca de 200 quilômetros ao norte da capital.  "As pessoas têm medo de serem infectadas e geralmente não as deixam embarcar no transporte."
 
No centro de saúde de Malalaua, Maria está conversando com uma paciente jovem, Jane Matthews James, de 6 anos de idade. Jane acaba de completar dois anos de tratamento para TB resistente a medicamentos. O tratamento, que envolveu injeções diárias administradas por um conselheiro, foi terrivelmente difícil para Jane, diz sua mãe Joyce. "Às vezes, levava mais de 20 minutos para eu e o conselheiro acalmarmos Jane antes que a injeção pudesse ser administrada", diz ela. Mas tudo valeu a pena: Jane agora está curada da doença e mal pode esperar para finalmente começar as aulas dentro de algumas semanas. Quando ela crescer, ela diz, quer ser enfermeira.  
 
Felizmente para os pacientes que agora iniciam o tratamento para TB-DR, as injeções diárias dolorosas não são mais uma parte necessária. Uma nova combinação de medicamentos de bedaquilina e delamanida tornou o tratamento será mais curto, menos desagradável e muito mais fácil de ser seguido. No entanto, atualmente os novos medicamentos não estão disponíveis em todo o país, então MSF está trabalhando com o Departamento Nacional de Saúde para introduzir esse tratamento em mais centros de saúde "Esses medicamentos precisam estar disponíveis para todos os pacientes na Papua-Nova Guiné", diz o coordenador-geral de MSF no país, Yann Diplo. 
 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar