Você está aqui

OMS melhora padrão de programas de nutrição

06/10/2008
MSF saúda decisão de especialistas de incluir alimentos de origem animal no tratamento de criaças moderadamente desnutridas

Após décadas de negligência e programas de nutrição de baixa qualidade, a comunidade internacional especializada em nutrição propôs um conjunto de medidas simples para reduzir o número de mortes entre as crianças moderadamente desnutridas. Essas novas normas podem impactar positivamente 55 milhões de crianças moderadamente desnutridas em todo mundo, mas apenas se isso se traduzir em programas de alimentação eficazes.

Depois de um longo fim de semana de negociações, os especialistas da Organização Mundial de Saúde (OMS) concordaram que alimentos de origem animal, como laticínios, são a primeira e mais eficaz escolha para tratar crianças moderadamente desnutridas. De acordo com a organização médica humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF), esse novo padrão pode reduzir significantemente o número de mortes infantis. Mas o impacto dessas novas regras vai depender da criação de novas iniciativas para apoiar e financiar os programas.

Atualmente, os programas de alimentação focados nas crianças moderadamente desnutridas têm como base cereais e sofrem de falta de nutrientes que muitas crianças pequenas precisam.

"Farinhas de trigo ou de milho e soja enriquecidas que são amplamente usadas não respondem ao critério básico que os especialistas da OMS implementaram para as crianças com menos de cinco anos", afirma Christophe Fournier, presidente do Conselho Internacional de MSF. "Agora que todos concordam que a desnutrição infantil deve ser tratada com alimentos de origem animal, podemos acreditar que será o começo do fim dos programas de baixa qualidade para as crianças desntruidas e vulneráveis".

Nas áreas mais devastadas pela desnutrição, como o Sul da Ásia, o Sahel e o Chifre da África, nenhuma outra condição contribui para mais mortes e doenças entre as crianças.

Os novos alimentos de origem animal vão encarecer os programas de nutrição infantil. MSF estima que serão necessários 3,5 bilhões de euros anualmente para que o novo programa para desnutridos moderados se adeque mundialmente.

"Governos nacionais e doadores precisam urgentemente implementer novas políticas e recursos para que esses padrões entrem em vigor", afirmou Fournier. "Não fazê-lo seria endossar padrões de dois pesos e duas medidas, através do qual serão mantidos os programas alimentares que não fornecem os nutrientes necessários para as crianças".

MSF adotou recentemente como padrão o fornecimento mínimo de alimentos de origem animal para tratar as crianças desnutridas e começou a implementar essa estratégia em seus programas nutricionais em todo o mundo. Em 2006 e 2007, a organização tratou mais de 150 mil crianças desnutridas em 22 países com alimentação terapêutica e suplementar.

O encontro de especialistas da OMS "Manutenção da dieta para desnutrição moderada" foi realizado em Genebra, dos dias 30 de setembro a 3 de outubro.