Você está aqui

O trabalho no centro de trauma de Mossul, no Iraque

05/05/2017
Assistente de cirurgia fala sobre sua rotina em seu país
O trabalho no centro de trauma de Mossul, no Iraque

Foto: Alice Martins

Meu nome é Mohammed Khalid Taha. Tenho 38 anos e trabalho como assistente de cirurgião no centro cirúrgico do hospital de trauma. O trabalho aqui é muito bonito. Eu o descrevo assim porque as pessoas com quem trabalho são inteligentes, respeitosas e me tratam como um igual.

Além de trabalhar aqui, trabalho em outro hospital do governo, em Al-Salmaniyeh. Quando acabo meu trabalho lá, venho direto para cá, para ajudar nas cirurgias.

Muitos dos pacientes que recebemos têm diferentes tipos de ferimentos, que vão de amputações a cirurgias complexas. Aqueles que podemos ajudar são levados ao nosso centro cirúrgico e os demais são transferidos para outros hospitais. Houve uma época em que tivemos de fazer muitas cirurgias. É preciso salvar as pessoas o mais rápido possível a fim de seguir para o próximo caso. Não podemos hesitar ou ser lentos porque a vida do paciente pode estar em risco. A coisa mais importante é salvá-los.

De modo geral, os casos são deprimentes e deploráveis. Em meu trabalho diurno (no hospital do governo), cuidamos principalmente de ferimentos relacionados com acidentes e, depois de alguns anos trabalhando nesse tipo de ambiente, você se acostuma a ele. Aqui, porém, vemos diversos tipos de ferimentos, em diferentes grupos etários. O paciente mais jovem que tratei tinha apenas sete anos de idade, enquanto o mais velho tinha cerca de 60. Isso vai te afetar. Você vai tentar manter a calma, mas, por dentro, isso ainda vai te afetar.  Muitos dos casos que tratei estiveram relacionados com suspeitas de tiros de franco-atiradores ou dispositivos explosivos na estrada.

Felizmente, a equipe aqui é excepcional e cooperativa. Estamos aprendendo muito sobre modos de trabalho, e eu acredito de verdade que os diversos grupos humanitários que trabalham no Iraque estão ajudando – inclusive MSF – e eles estão fazendo o que é certo. De fato, vemos coisas horríveis, mas o lado bom é que salvar um paciente alivia a alma. Existe esperança nisso.
 

Leia mais sobre