Você está aqui

“O amor pelo seu filho é bom”

20/09/2019
Cuidando da saúde mental em meio à crise dos refugiados rohingyas
Cuidando da saúde mental em meio à crise dos refugiados rohingyas

Patrick Rohr

Como você cuida da saúde mental das pessoas quando a situação ao redor é tão instável? A agente britânica de saúde mental Alison Fogg compartilha sua experiência em tratar os rohingyas dentro do maior campo de refugiados do mundo.  

Chegando a uma cordilheira, podemos ver esses abrigos precários se espalhando por quilômetros em todas as direções, formando o megacampo Kutupalong-Balukhali aqui no sudeste de Bangladesh. Isso é ainda mais impressionante, sabendo que cada uma das milhares de residências representa famílias de provavelmente seis a 10 pessoas, cada uma com sua própria história.

Lugar de paz

Como agente de saúde mental por quase cinco meses no projeto de MSF em Kutupalong, estou admirada com meus colegas de Bangladesh e meus colegas internacionais.

Escrevo este texto em maio de 2018, mas meus colegas da equipe de saúde mental de Bangladesh têm trabalhado incansavelmente desde que a crise começou em 25 de agosto de 2017.

É um privilégio diário trabalhar com a equipe de MSF em Shanti Khana, ou “local de paz” – o nome escolhido para o departamento de saúde mental aqui – planejando as necessidades de treinamento de nossa equipe local e a melhor forma de apoiá-las, considerando as demandas emocionais contínuas do trabalho.

"O amor pelo seu filho é bom"

Sob o olhar atento dos médicos que são seus supervisores, os conselheiros Sharif, Mofizul e Kamrul ouvem histórias e mais histórias de trauma, múltiplas perdas e contínuo medo e tristeza. Eles apoiam pais preocupados trazendo seus filhos com dificuldade de aprendizado ou autismo não diagnosticado, tranquilizando-os: “não, isso não é culpa sua ou punição divina. Seu carinho e amor pelo seu filho são bons. ”

Uma das ocorrências mais felizes, embora tristemente regulares para a equipe, é o momento em que são retiradas as correntes nas quais alguns pacientes – geralmente homens jovens – são trazidos pelos pais ou irmãos preocupados. Vivendo em abrigos tão frágeis, quando seus filhos adultos são agitados ou violentos, os parentes muitas vezes ficam sem saber como protegê-los de si mesmos e de outras pessoas.

Vi como receber um diagnóstico de possível psicose ou epilepsia grave, por exemplo, assim como os medicamentos apropriados, acalma e estabiliza uma pessoa. Isso proporciona grande alívio à família e dá ao paciente a oportunidade de uma nova vida.

Nossa humanidade compartilhada

Ao passar o tempo no projeto, o impacto positivo dos esforços diários da equipe de saúde mental de MSF se torna claramente evidente.

Há um homen rohingya em particular que está especialmente grato pelo cuidado que a equipe presta à filha durante sua internação. Após um evento traumático, ela começa a confiar no conselheiro que a visita ao lado da cama. Ela lentamente começa a falar mais e comer de novo.

O pai dela visita nosso departamento diariamente. Um dia, quando o progresso de sua filha está realmente ficando claro, esse homem de estatura diminuta mostra sua gratidão ao me agarrar com força pela cintura em um abraço lateral – eu literalmente tenho que recuperar o fôlego neste momento e não apenas pela minha surpresa.

Permanecendo na área de espera dos pacientes, neste momento, tenho plena consciência das diretrizes da equipe para uma conduta culturalmente apropriada, onde as mulheres, especialmente as ocidentais, nunca devem ter contato físico com homens.

No entanto, esta é uma das muitas vezes em que minhas suposições culturais são desafiadas e um lembrete, em meio a todas as supostas diferenças, de nossa humanidade compartilhada.

Resiliência rohingya

Estou cercada por grandes olhos castanhos brilhantes e a conversa animada de dezenas de crianças rohingyas.

Elas variam de crianças de 1 ano de idade a adolescentes, algumas equilibradas nos quadris de seus irmãos mais velhos. Elas estão ansiosas para brincar, cantar, rir e fazer o que nossos dois conselheiros de saúde mental estão organizando naquele dia no espaço de MSF para crianças, que fica no "centro de trânsito".

Embora os números tenham diminuído consideravelmente desde agosto de 2017, alguns rohingyas continuam chegando a Cox's Bazar todas as semanas.

Atualmente conhecido como “o Jardim da Borracha” (antes da chegada dos rohingyas, era uma plantação de borracha local), o centro de trânsito é onde os novos refugiados são trazidos para passar por exames de saúde e receber vacinas vitais antes de serem transferidos para um local mais permanente em um dos acampamentos.

As crianças produzem os desenhos mais bonitos e detalhados. Elas gritam de alegria em jogos ou músicas em equipe (o "Hokey Cokey" nunca falha). No entanto, é o canto à capela que acho particularmente comovente. A música que fica comigo, que eles cantam em inglês, é uma música chamada “Nós venceremos”.

Eu nunca tinha ouvido essa música antes e fico intrigada com o fato de as crianças rohingyas a conhecerem. Mais tarde, descobri que a música era fundamental no movimento dos Direitos Civis dos anos 60 nos EUA e, desde então, foi adotada por pessoas de diferentes etnias e religiões em movimentos de protesto em todo o mundo.

A partir do testemunho coletivo de milhares de pessoas rohingyas, o mundo agora conhece os horríveis traumas que elas testemunharam e vivenciaram em Mianmar. Essas crianças e suas famílias viajaram, chocadas e angustiadas, pela selva densa e inflexível, muitas vezes à noite. Atravessaram águas perigosas com pouca comida, carregando feridos, idosos e jovens. As crianças, portanto, parecem resumir a resiliência dos rohingyas. Sua energia é visível diariamente em todos os campos.

Peço a um de nossos conselheiros, Mohammad, que traduza as palavras que estão cantando para as crianças, que geralmente não falam inglês:

Nós venceremos, venceremos,

Vamos superar um dia.
Oh, no fundo do meu coração
Eu acredito
Vamos superar um dia.
Minha esperança duradoura para essas crianças é que elas experimentem a realidade das palavras que cantam.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar