Você está aqui

Número de casos de tuberculose multirresistente cresce de forma alarmante

23/03/2012
É necessária uma resposta urgente para evitar que a doença se alastre ainda mais

Dados alarmantes mostram que o alcance global da tuberculose multirresistente (MDR-TB) é muito maior do que o estimado, o que exige um esforço internacional para combater esta forma da doença, diz organização internacional humanitária Médicos Sem Fronteiras às vésperas do Dia Mundial de Combate à Tuberculose (24 de março). 

A crise mundial de MDR-TB coincide com uma lacuna no acesso ao diagnóstico e tratamento. Mecanismos de diagnóstico e medicamentos ultrapassados e extremamente caros, além do financiamento insuficiente, facilitam a propagação da doença. Em todo o mundo, menos de 5% de pacientes com tuberculose têm acesso a um diagnóstico preciso sobre a resistência aos medicamentos e estima-se que apenas 10% das pessoas diagnosticadas com MDR-TB tenham acesso ao tratamento – porcentagem que pode ser muito menor em lugares com poucos recursos e uma grande prevalência.  

“Em todos os lugares onde fazemos teste de tuberculose multirresistente encontramos números alarmantes da doença, o que sugere que estatísticas atuais podem não corresponder à realidade”, diz o presidente de MSF Dr. Unni Karunakara. “Cerca de 95% dos pacientes do mundo não têm acesso a um diagnóstico adequado, mas os esforços para expandir a detecção de MDR-TB estão seriamente prejudicados por um recuo no financiamento dos doadores – exatamente no momento em que o aumento no financiamento é mais necessário.  

Uma das principais causas do desenvolvimento de bacilos mais resistentes é o abandono do tratamento.  A doença também pode ser desenvolvida quando os profissionais de saúde saúde administram doses inadequados de medicamentos ou prescrevem medicamento inadequados, com prazo de validade vencido, ou de má qualidade. Atualmente, a MDR também é transmitida de pessoa para pessoa.

Os dados colhidos por MSF ao redor do mundo chocam os médicos que trabalham no tratamento da doença.

Na África do Sul, onde os índices são os mais altos do mundo, MSF registrou aumento de 211% no número de diagnósticos de TB por mês, depois que introduziu um novo diagnóstico rápido no projeto de KwaZulu Natal. Dos pacientes diagnosticados com TB, 13,2% eram resistentes ao rifampicin, um dos mais eficazes medicamentos de primeira linha para tratamento da TB.

Na Índia, as vendas de medicamento sem receita e o setor privado de saúde não regulamentado continuam a alimentando o desenvolvimento de MDR-TB. Estima-se que 99 mil pessoas sejam infectadas por ano. Desse total, apenas 1% recebem tratamento adequado.

Em Mianmar, são estimados cerca de 9,3 mil novos casos de MDR-TB por ano, mas até agora pouco mais de 300 pacientes receberam tratamento. O cancelamento de uma rodada inteira de financiamento do Fundo Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária ameaça prejudicar seriamente o plano de tratar 10 mil pessoas com MDR-TB em Mianmar e em muitos outros países. 

A crise global, é agravada por conta do tratamento, que é demorado (cerca de dois anos) e feito com medicamentos altamente tóxicos, a maioria foi desenvolvida em meados do século passado e provoca efeitos colaterais desagradáveis. A redução dos investimentos, particularmente os cortes recentes do Fundo Global, e um mercado pequeno, com poucos fabricantes, mantiveram altíssimos os preços de alguns medicamentos. Veja a galeria de fotos.

Brasil –De acordo com dados do Ministério da Saúde, entre 2001 e 2010, os casos de TB multirresistente no país passaram de 334 para 607, um aumento de 82%. Apesar das altas taxas de incidência em TB e do aumento de casos de MDR-TB, o Programa de Tuberculose do Brasil é visto como um exemplo positivo para outros países porque envolve a sociedade civil em ações de prevenção e supervisão do tratamento. Desse modo, incentiva os pacientes a prosseguirem com o tratamento até o final e inibe o consumo indevido de medicamentos, medidas fundamentais para o controle da tuberculose multirresistente.

Este envolvimento da sociedade civil, especialmente em ações desenvolvidas em comunidades mais vulneráveis, foi impulsionado por um projeto do Fundo Global, iniciado em 2007 voltado para o fortalecimento das ações de controle da tuberculose desenvolvidas pelo governo. O projeto será encerrado em abril, mas ainda não há definição de como as ações desenvolvidas nesses cinco anos serão incorporadas e financiadas daqui para frente.

“Estamos acompanhando a preocupação de grupos da sociedade civil brasileira com a continuidade dessas ações, especialmente as de caráter comunitário”, diz o diretor executivo de MSF, Tyler Fainstat.

MSF acredita que grupos da sociedade civil tem um papel importante a desempenhar no monitoramento dos esforços de ampliação de diagnóstico e tratamento para tuberculose e tuberculose multirresistente, e que estratégias de ações comunitárias são fundamentais para uma resposta efetiva à doença

Novos medicamentos - A expansão maciça de novas e rápidas formas de diagnóstico também aumentaria significativamente a detecção precoce da tuberculose multirresistente principalmente em locais de baixa renda, justamente onde a capacidade de detectar a TB dentro de horas - em vez de semanas - é extremamente necessária para salvar mais vidas 

MSF pede que governos, financiadores internacionais e indústria farmacêutica combatam o alastramento da tuberculose resistente a medicamentos e façam novos esforços para desenvolver medicamentos e mecanismos de diagnósticos eficazes e baratos. São necessários tratamentos muito mais curtos e com medicamentos menos tóxicos, assim como formulações para crianças, que hoje não existem, e testes de diagnóstico que podem ser feitos no local do atendimento. Além disso, medidas regulatórias precisam ser aplicadas para evitar a propagação da doença devido à má atuação de profissionais de saúde.

"Precisamos de novos medicamentos, novas pesquisas, novos programas e um compromisso internacional de financiadores e governos para combater esta doença mortal", disse Dr. Karunakara. "Só então, mais pessoas serão testadas, tratadas e curadas. O mundo não pode mais ignorar a ameaça de MDR-TB. Temos de agir agora."

NOTAS DO EDITOR:

TB: Apesar de existir desde a Antiguidade, a tuberculose é hoje a segunda causa de morte em nível mundial - e há cada vez mais casos de tuberculose resistente a medicamentos de primeira linha, normalmente utilizados para tratar a doença. Atualmente, estima-se que 12 milhões de pessoas vivam com TB  (2010) - referência do Relatório Global TB 2011 da OMS.

MDR-TB: tuberculose multirresistente (MDR-TB) é uma forma de tuberculose que não responde aos tratamentos com medicamentos de primeira linha. A doença é difícil e leva muito mais tempo para ser tratada - em torno de dois anos, com medicamentos altamente tóxicos. 

Cortes de financiamento: confrontados com uma grave escassez de financiamento depois de uma conferência decepcionante, e após os financiadores terem voltado atrás em suas promessas, o Fundo Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária tomou uma decisão inédita em novembro de 2011 e cancelou uma rodada de negociações de financiamento. Sem a rodada 11, não há novos subsídios para aumentar os financiamentos até 2014, impedindo os países de combater agressivamente a epidemia. O cancelamento da 11ª Rodada do Fundo Global 11 vem em uma época em que a ampliação dos programs de DR-TB é extremamente necessária.