Você está aqui

Nova onda de violência mata civis no sul do Sudão

24/05/2006
Organização teve que interromper serviços em pelo menos duas províncias. Mesmo com acordo de paz, população ainda vive insegurança dos tempos de guerra

Um aumento da violência levou a deslocamento, ferimentos e mortes de civis em pelo menos duas províncias (Alto Nilo e Jonglei), no sul do Sudão. Segundo a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF), confrontos entre grupos armados e ataques diretos a vilarejos ocorrem na região norte e na sul do rio Sobat desde o início de abril. A situação deteriorada de segurança forçou MSF a retirar algumas de suas equipes de trabalho da área.

No dia 10 de abril, uma milícia armada atacou o vilarejo de Ulang, onde MSF opera uma clínica. A maioria dos habitantes do vilarejo, pacientes e equipes da organização deixou o local em busca de segurança. Trinta e uma pessoas morreram e dezenas ficaram feridas. Quinze receberam tratamento em um hospital de MSF, na cidade próxima de Nasir.


Depois, outros episódios e ameaças de violência forçaram equipes de MSF a também deixar Nasir, assim como Wudier, Lankien e Pieri. Em Pieri, a maioria dos pacientes tratados em um hospital da organização, entre os quais 120 em terapia contra a tuberculose, teve que ser evacuada. Equipamentos médicos, medicamentos e alimentos foram saqueados, deixando a clínica praticamente sem condições de continuar operando.

"Estamos preocupados com o aumento dos incidentes de violência", diz o coordenador de MSF na região, Cristoph Hippchen. "Isso significa que a assistência humanitária às populações do Alto Nilo e de Jonglei, já abaixo do necessário, será ainda menor agora".

MSF é um dos poucos fornecedores de assistência de saúde para essas regiões, onde o índice de malária, tuberculose e leishmaniose é elevadíssimo.

Depois de décadas de conflitos, a assinatura de um acordo de paz em janeiro de 2005 trouxe esperança à população do sul do Sudão. No entanto, em partes do Alto Nilo e de Jonglei, novos confrontos e tensão criaram condições similares às de quando o local se encontrava em guerra – com civis vivendo sob a ameaça da violência e acesso precário para as agência humanitárias .

MSF trabalha em seis localidades na região do Alto Nilo com 50 profissionais estrangeiros e 400 locais. Em 2005, MSF prestou mais de 294 mil consultas médicas, mais de 40% delas em crianças com menos de 5 anos. No sul do Sudão, a organização administra 19 hospitais e clínicas oferecendo cuidados primários e secundários, além de extensos programas para tratar vítimas de malária, tuberculose e leishmaniose.

Leia mais sobre