Você está aqui

Níger: uma das maiores unidades pediátricas de terapia intensiva está sobrecarregada

26/09/2018
Na instalação em Magaria, equipes de MSF tratam 730 crianças, 208 em estado grave
Níger: uma das maiores unidades pediátricas de terapia intensiva está sobrecarregada

Foto: MSF/Laurence Hoenig

Equipes pediátricas da organização médico-humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) relataram níveis alarmantes de taxas de mortalidade entre crianças com menos de cinco anos em Magaria, no sul do Níger. MSF, em colaboração com o Ministério da Saúde, trata atualmente 730 crianças hospitalizadas. Destas, 208 estão em estado grave e internadas na unidade pediátrica de terapia intensiva. A maioria das crianças hospitalizadas sofre com complicações graves de malária ou desnutrição grave. Uma média de 10 crianças morreram diariamente durante o último mês.

“Nunca vimos nada assim antes e tememos que seja apenas a ponta do iceberg”, disse o dr. Dorian Job, gestor do programa de MSF para o Níger. “A cada ano, nessa época, esperamos um pico nas infecções por malária, bem como uma incidência de desnutrição acima dos limites de emergência. Mas nunca vimos antes pacientes sobrecarregando o hospital em tais números.”

Com base no número de mortes registradas em pesquisas sobre mortalidade, realizadas durante os picos de malária e desnutrição em anos anteriores, os médicos de MSF acreditam que estão tratando apenas 16% das crianças que precisam de cuidados. Muitos dos pacientes diagnosticados com malária ou desnutrição também sofrem de outras doenças. Malária grave e desnutrição grave estão entre os problemas comuns.

“Embora o nosso hospital já esteja terrivelmente sobrecarregado, é provável que centenas de crianças estejam gravemente doentes na comunidade e não recebam os cuidados que precisam. As crianças que estamos tratando estão chegando ao hospital extremamente tarde. Infelizmente, muitas já têm complicações tão sérias que não podem se recuperar”, disse Job.

Apesar das tentativas de reduzir o número de infecções por malária associadas ao pico sazonal -
incluindo a distribuição da profilaxia da malária a famílias com crianças com idades entre os três meses de vida e os cinco anos - as taxas de mortalidade continuam alarmantemente elevadas. MSF também enviou 243 equipes médicas experientes oriundas de todo o Níger e de inúmeras partes do mundo para garantir que os pacientes recebam os melhores cuidados possíveis dentro do hospital e na comunidade, onde uma equipe mantém clínicas móveis para cuidar das crianças, próximo às suas casas.

“O hospital em Magaria é a única instalação de saúde disponível em uma região de 700 mil a um milhão de pessoas, das quais cerca de 20% têm menos de cinco anos de idade. Assim, enquanto a estação de malária piora neste ano, não é surpresa estarmos sobrecarregados. O sistema de saúde na área está cronicamente subfinanciado, carente de meios, organização, treinamento e apoio. Isso impede que as pessoas acessem os cuidados e, por sua vez, percam suas vidas. Poderíamos dobrar nossa capacidade e ainda não atenderíamos às necessidades das crianças com menos de cinco anos na comunidade.”

MSF trabalha com o Ministério da Saúde do Níger na região de Zinder desde 2005. As equipes trabalham para melhorar o atendimento de pacientes pediátricos e prevenir, detectar e tratar doenças infantis.

Na movimentada cidade de Magaria, MSF mantém uma unidade pediátrica de 435 leitos, onde 11.100 crianças foram internadas de 1º de janeiro a 31 de agosto deste ano. Mais de 3.300 crianças com menos de cinco anos foram admitidas na unidade somente em agosto.

MSF também apoia 11 centros de saúde, 14 postos de saúde e seis salas de estabilização para crianças com menos de cinco anos na região de Magaria. De 1° de janeiro a 31 de agosto, as equipes de MSF realizaram 93.530 consultas ambulatoriais (31.390 em agosto) e receberam 13.284 crianças (3.629 em agosto) no programa de alimentação ambulatorial.

Atualmente, a unidade pediátrica emprega 594 funcionários, incluindo 485 médicos e enfermeiros.

Leia mais sobre