Você está aqui

Níger: país do centro-oeste africano vive a pior crise nutricional da atualidade

03/08/2005
MSF mobilizou centenas de profissionais para levar alimentos e cuidados de saúde à população afetada, para esta que é considerada uma das maiores operações nutricionais da organização. Desde janeiro, MSF identificou 21 mil crianças com desnutrição severa

A organização internacional Médicos Sem Fronteiras espera que até o final do ano pelo menos 30 mil crianças com desnutrição severa sejam tratadas nos projetos de MSF em Níger, um dos maiores programas nutricionais da história da organização. No ano passado, foram 10 mil crianças. Entre janeiro e agosto de 2005, 21 mil crianças deram entrada nos programas de nutrição com desnutrição severa e correm o risco de morrer, e, desde junho, o ritmo das admissões vem crescendo com uma média de mil crianças gravemente desnutridas sendo admitidas por semana nos projetos de MSF. Níger é um país do centro-oeste africano que tem dois terços de seu território ocupados pelo deserto do Saara.

A situação é de extrema gravidade e apenas uma reação rápida e significativa por parte de países doadores, do governo de Níger e de outras ONGs pode conter os efeitos desta catástrofe. MSF sozinha não pode responder a esta emergência, embora a organização esteja trabalhando nas regiões de Maradi e Tahoua onde vem tratando crianças com desnutrição severa – identificadas pela equipe de admissão por meio do método da circunferência do braço -, e acompanhando as crianças com desnutrição moderada.

Para realizar com sucesso tal operação MSF mobilizou 70 profissionais estrangeiros e 600 profissionais nacionais. A organização espera distribuir 8.450 toneladas de alimentos, e gastar 9 milhões de euros (cerca de 30 milhões de reais) em 2005.

Atualmente, MSF mantém cinco centros intensivos de reabilitação nutricional e 26 centros ambulatoriais de nutrição onde tratamos as crianças que sofrem de desnutrição severa. As crianças que dão entrada nos centros de MSF recebem alimentação especializada e cuidados de saúde. Além disso, as famílias dessas crianças recebem alimentos: quando admitidas elas recebem uma porção diária de proteção que inclui cinco quilos de Unimix (farinha enriquecida com vitaminas e minerais) e um litro de óleo. Quando a criança deixa o programa, a família recebe uma porção extra de 85 quilos de alimentos (50 quilos de cereal, 25 quilos de feijão e 5 litros de óleo).

50 mil crianças já estão recebendo alimentos

MSF decidiu reforçar suas atividades organizando distribuição de alimentos para crianças com menos de cinco anos de idade que sofrem de desnutrição moderada e a outras crianças sob risco (aquelas que medem menos de 65cm). Além disso, cinco unidades pediátricas – que trabalham juntamente com os centros intensivos de reabilitação nutricional – estão sendo abertas para oferecer assistência médica às crianças com desnutrição moderada ou sob risco.

Em termos de ajuda nutricional, o objetivo é distribuir – uma vez por mês, por um período de três meses – 25 quilos de Unimix e cinco litros de óleo para cada uma das 50 mil crianças que vivem nas regiões onde MSF mantém atividades.

A primeira distribuição ocorreu no dia 23 de julho na região de Maradi, e beneficia cerca de 25 mil crianças com desnutrição moderada, numa operação de extrema complexidade. "Eu esperava que fosse ser difícil, mas não tão difícil", diz surpreso, Christian Revert, logístico de MSF em Níger.

Mais de 7 mil crianças identificadas como desnutridas

As seis horas da manhã do primeiro dia de registro das famílias a serem beneficiadas pela distribuição de alimentos em Dan Issa, um vilarejo no sudoeste de Maradi, centenas de mulheres e crianças aguardavam pacientemente em frente a escola primária. Pouco depois, as 10 da manhã, milhares de pessoas pressionavam contra as cercas, muitas vezes derrubando-as. Só no primeiro dia de registro foram pouco mais de 3 mil crianças – um número duas vezes maior do que o esperado.

Ao todo, o número de crianças avaliadas durante os três dias de registro nos seis locais instalados por MSF totalizou 26.444. De acordo com as estimativas, este número representa o total de crianças com menos de cinco anos de idade na região. Dessas, 7.186 foram identificadas como desnutridas e estavam aptas a receberem uma porção de alimentos por mês pelos próximos três meses. As equipes também identificaram 200 casos de desnutrição severa e enviaram 681 crianças doentes para o centro de saúde, onde receberão assistência médica.

Após o primeiro processo de registro, a equipe de MSF teve que rapidamente preparar a próxima etapa – um novo processo de registro e uma nova distribuição de alimentos numa outra região do país, para que a meta de 50 mil crianças beneficiadas seja atingida o mais breve possível.