Você está aqui

Níger: MSF presta assistência a vítimas de nova onda de violência em Diffa

27/11/2015
Ataque deixou 18 pessoas mortas e 16 feridas, além da destruição de cerca de 100 casas

Foto: MSF

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) está transferindo diversos civis feridos para o hospital de Diffa, no sudeste do Níger, após um ataque que aconteceu na quarta-feira à noite (25/11) em Gogoni, um vilarejo no distrito de Bosso. De acordo com autoridades locais, 18 pessoas foram mortas, 16 ficaram feridas e cerca de 100 casas foram queimadas durante a ofensiva. Uma enfermeira de MSF e um conselheiro de saúde mental visitaram o centro de saúde de Bosso logo após o ataque para avaliar as necessidades. O pessoal médico do Ministério da Saúde local conseguiu tratar 16 feridos; seis deles foram transferidos para o hospital de Diffa. MSF prestou assistência com as transferências e irá oferecer apoio de saúde mental à população afetada do vilarejo.

Pessoas deixando suas casas em meados de maio para fugir da violência em Diffa (Foto: MSF)“Após apenas 10 dias de calmaria, estamos testemunhando outro ataque violento em Diffa”, diz Omar Ahmed Abenza, coordenador-geral adjunto de MSF no Níger. Durante o mês de outubro, MSF realizou 4.601 consultas no distrito de Bosso. Mais de 50% dos pacientes relataram estarem traumatizados pela violência contínua. “Essa população fugiu de casa para escapar da violência na região de Diffa ou no norte da Nigéria. Eles não conseguem encontrar um lugar seguro para ficar e temem que isso se torne sua rotina”, diz Abenza.

Há apenas duas semanas, cerca de 600 famílias (9 mil pessoas) foram deslocadas após uma nova onda de ataques no vilarejo de Barwa, no distrito de Bosso. Mulheres e crianças foram sequestradas e o gado foi roubado. O vilarejo foi esvaziado e a população se abrigou em cidades vizinhas. MSF realizou uma triagem nutricional e distribuiu itens não-alimentares (suprimentos nutricionais, cobertas e mosquiteiros) para 1.078 crianças com menos de cinco anos. Agora, MSF está construindo latrinas e prestando assistência de saúde mental aos deslocados.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), desde o último mês de fevereiro, mais de 60 ataques foram perpetrados em Diffa pelo grupo Estado Islâmico da África Ocidental (ISWAP, na sigla em inglês), também conhecido como Boko Haram, e combates entre eles e o exército nigeriano estão em andamento. Como resultado, mais de 47 mil pessoas foram deslocadas internamente em uma região que já abriga mais de 165 mil pessoas escapando da violência no norte da Nigéria. “A situação já vulnerável da população de Diffa, que está enfrentando o atual pico de desnutrição e malária, se deteriorou ainda mais devido à violência contínua. Mais e mais pacientes nossos estão descrevendo uma situação devastadora”, diz Luis Encinas, gestor do programa de MSF no Níger.

MSF atua em Diffa desde dezembro de 2014 para prestar assistência às pessoas deslocadas que fogem da violência na região e no norte da Nigéria. Atualmente, a organização está trabalhando nos distritos de Diffa, Nguigmi e Bosso, apoiando diversos centros de saúde, incluindo um centro de cuidados materno-infantis na cidade de Diffa.

Leia mais sobre