Você está aqui

Níger: mentes jovens abaladas pelo conflito

18/12/2018
Crianças vítimas ou testemunhas de atos de violência por grupos armados – sequestrados, separados de suas famílias ou forçados a fugir – todos sofreram perdas e temores.
Níger: mentes jovens abaladas pelo conflito

Foto: Juan Carlos Tomasi/MSF

Aïcha tem 9 anos de idade. Ela mora no campo de deslocados internos de Kindjandi, em Diffa, no sudeste do Níger, às margens do Lago Chade. Aïcha é uma das 250 mil pessoas – refugiados, deslocados internos e retornados – que buscaram refúgio em Diffa, fugindo do conflito entre grupos armados não-estatais e forças militares na região. A grande maioria dessas pessoas vive em acampamentos como Kindjandi, onde lutam para alcançar até mesmo os serviços mais básicos. Segundo a UNICEF, cerca de 70% delas são crianças.  

A mãe de Aïcha, Fatsouma, conta sua história para MSF: “O grupo armado atacou a nossa pequena aldeia e nos obrigou a fugir. Ouvimos tiros e um de nossos primos foi atingido por uma bala perdida quando tentamos escapar. Aqui, Aïcha parou de brincar e estava sempre sentada sozinha. Ela teve dificuldade para comer e estava perdendo peso. Ela tinha pesadelos que a acordavam. Ela se levantava e corria, fugindo da aldeia, e eu tinha que correr atrás dela".

A história de Aïcha e as dos milhares de crianças que buscaram refúgio em Diffa são notavelmente parecidas. Vítimas ou testemunhas de atos de violência perpetrados por grupos armados – sequestrados, separados de suas famílias ou forçados a fugir – todos sofreram perdas e temores. Apesar de terem encontrado segurança relativa em Diffa, muitas dessas crianças continuam revivendo eventos traumáticos.

As cicatrizes invisíveis da guerra
Crianças e adolescentes, vítimas do conflito na região do Lago Chade, têm que lidar com situações difíceis e lembranças dolorosas, enquanto ainda não desenvolveram mecanismos de enfrentamento que lhes permitam lidar com seu sofrimento. Frequentemente, eles desenvolvem transtorno de estresse pós-traumático ou depressão. Os sintomas variam e podem incluir nervosismo intenso e ansiedade; medo constante e hipervigilância; apatia e abstinência; falta de apetite; comportamento regressivo ou agressivo, pesadelos e recriar situações traumáticas quando eles brincam.

Nas crises humanitárias, a saúde mental e o atendimento psicossocial das crianças são geralmente uma necessidade invisível que permanece não atendida, embora o risco de desenvolver um transtorno mental surja frequentemente na infância.

MSF está realizando um programa de apoio à saúde mental e psicossocial para crianças e adolescentes em Diffa, para evitar possíveis repercussões psicológicas e sociais após os eventos traumáticos que eles vivenciaram. Ao construir a conscientização da comunidade, integrar centros de saúde com programas de atenção psicossocial e executar vários programas de atendimento psicológico, a equipe está tentando integrar a saúde mental à prestação de cuidados de saúde na região.

Para integrar mais pacientes jovens ao programa de saúde mental e psicossocial de MSF em Diffa, nossas equipes treinaram 100 agentes comunitários para identificar os sintomas mais frequentes de problemas de saúde mental. Graças a essa estratégia, o número de crianças atendidas por MSF aumentou rapidamente. Entre março e junho de 2018, realizamos aproximadamente 700 consultas com crianças menores de 14 anos.

Brincando para curar
“Para ajudar essas crianças, nós as ajudamos a brincar. O trauma pelo qual passaram pode afetar muitas funções mentais diferentes. Ao incentivar crianças a brincar, nós não apenas permitimos que elas se expressem, mas também apoiamos seu desenvolvimento normal ”, explica Yacouba Harouna, psicóloga local e supervisora das atividades de saúde mental de MSF em Diffa.

Em 2017, menos de 10% dos pacientes atendidos pela equipe de saúde mental de MSF em Diffa eram crianças; no primeiro semestre de 2018, isso aumentou para 35%. Muitos pacientes melhoraram após receber tratamento de saúde mental. Aïcha também está se sentindo melhor, “O programa a ajudou muito. Ela não tem mais pesadelos e agora sai para brincar com as amigas”, explica a mãe. Mas enquanto o programa ajuda as crianças a superar o trauma que elas vivenciaram, as razões subjacentes para o sofrimento mental ainda estão lá.

“Infelizmente, a situação em Diffa ainda não se normalizou. Ainda há ataques nos campos, então o conflito ainda está presente todos os dias para crianças e adolescentes. Além disso, a falta de meios e a incerteza sobre o futuro pesam em muitas famílias; sem dinheiro ou possibilidades de trabalho, muitas pessoas dependem totalmente da ajuda humanitária”, explica Francisco Otero y Villar, coordenador de MSF no Níger.

Como as caixas de lápis de cor estão ajudando as crianças em Diffa
Os traços e as cores se parecem com o desenho de qualquer outra criança. Mas as cenas que as crianças deslocadas em Diffa pintam são diferentes: ataques aéreos, pessoas mortas com armas de fogo, casas incendiadas, pessoas fugindo. Seus desenhos destacam o trauma horrível do conflito que eles viveram.

O desenho está entre os principais instrumentos utilizados nos programas de saúde mental para crianças. Através do desenho, especialistas em saúde mental podem começar a entender a experiência psicológica de uma criança e ajudá-la a melhorar. Mas desenhar também é uma forma de as crianças expressarem mais facilmente seus sentimentos relacionados a experiências traumáticas e ajudá-las a visualizar e verbalizar sua dor – o primeiro passo para superar o trauma.
 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar