Você está aqui

Navio Aquarius chega ao porto de Valência com pessoas resgatadas no mar

17/06/2018
Os governos europeus devem colocar a vida das pessoas antes dos interesses políticos
Navio Aquarius chega ao porto de Valência com pessoas resgatadas no mar

Lauren King/MSF

Após o impasse desta semana sobre o destino das pessoas resgatadas no Mediterrâneo, a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) denuncia o fechamento de portos pela Itália para impedir o desembarque de 630 pessoas resgatadas. Denuncia também que os governos europeus escolheram colocar pontos políticos acima da necessidade de salvar vidas no mar.

“Os homens, mulheres e crianças a bordo do Aquarius fugiram de conflitos e da pobreza e sobreviveram a abusos horríveis na Líbia. Eles foram transferidos de um barco para outro como carga e suportaram as intempéries em uma viagem desnecessariamente longa no mar”, afirma Karline Kleijer, coordenadora de emergências de MSF. "Somos gratos à Espanha por ter se posicionado, mesmo quando o governo italiano e outros governos europeus falharam vergonhosamente em suas responsabilidades humanitárias e colocaram a política acima das vidas de pessoas vulneráveis".

Antes da reunião do Conselho Europeu na próxima semana, MSF pede que os governos europeus ponham a vida das pessoas em primeiro lugar. Devem facilitar o rápido desembarque nos portos seguros mais próximos da Europa, onde as pessoas resgatadas podem receber cuidados adequados, e garantir que aqueles que precisam de proteção internacional possam solicitar asilo ou outras formas de proteção. Eles não devem obstruir iniciativas de busca e resgate não-governamentais independentes e devem estabelecer um mecanismo de busca e resgate proativo e dedicado no Mediterrâneo Central.

A Itália fecha seus portos e brinca com a vida de 630 pessoas resgatadas

No fim de semana de 9 e 10 de junho, o navio Aquarius de busca e salvamento, operado pela SOS Méditerranée em parceria com MSF, resgatou mais de 200 pessoas e recebeu 400 outras de navios italianos da Marinha e da Guarda Costeira. Embora o resgate e as transferências das 630 pessoas tenham sido iniciadas e coordenadas pelo Centro Italiano de Coordenação de Resgate Marítimo (MRCC), as autoridades italianas negaram ao Aquarius autorização para desembarcar em terra no porto seguro mais próximo na Itália. Ao fazê-lo, romperam com a prática passada e o direito internacional. Malta, que tinha o porto seguro mais próximo, também se recusou a permitir que o Aquarius desembarcasse, citando o papel e a responsabilidade da coordenação da Itália.

Por fim, em 11 de junho, o governo espanhol interveio e se ofereceu para deixar o Aquarius desembarcar em Valência, a 1.300 km de distância.

MSF continuou a pressionar as autoridades italianas para autorizar o desembarque no porto seguro mais próximo, conforme estipulado pela lei marítima internacional. MSF também levantou sérias preocupações de segurança e humanitárias em torno da navegação com 630 passageiros em um barco superlotado por mais quatro dias sem abrigo adequado ou comida suficiente.

“Muitas vezes, as autoridades italianas pareciam insensíveis. No início, eles sugeriram que MSF transferisse todas as pessoas vulneráveis. No entanto, quando MSF forneceu uma lista de quase 200 pessoas, incluindo menores desacompanhados, doentes e feridos, mulheres grávidas e mulheres com crianças viajando sozinhas, eles recusaram. As autoridades italianas solicitaram que transferíssemos apenas as sete mulheres grávidas, mas não responderam à preocupação de MSF em separar as famílias e a necessidade de os maridos acompanharem suas companheiras grávidas ”, disse Kleijer.

Apesar das preocupações de MSF sobre o impacto humanitário e médico da viagem marítima para Valência, as autoridades italianas instruíram o Aquarius, em 12 de junho, a transferir 524 pessoas de volta para navios italianos e embarcar com as restantes 106 resgatadas em uma viagem de quatro dias para a Espanha.

“As autoridades italianas vergonhosamente fecharam seus portos para 630 pessoas resgatadas e ficaram movendo-as no mar em busca de ganhar pontos políticos”, diz Kleijer. "Mesmo que a Itália tenha queixas legítimas sobre outros governos europeus que não aceitam sua parcela de refugiados, isso não é justificativa para esse tratamento degradante".

Pessoas resgatadas ficam presas entre agendas políticas europeias

Os eventos desta semana no Mediterrâneo Central ressaltam a dinâmica política mais ampla na Europa.

Os governos europeus não veem o salvamento da vida de migrantes vulneráveis ​​e refugiados no mar como uma prioridade. Em vez disso, eles restringiram as fronteiras e fecharam as portas. Eles têm apoiado ativamente a guarda costeira da Líbia para devolver as pessoas resgatadas em águas internacionais para a Líbia, onde serão forçadas a suportar tratamentos desumanos e abusivos.

Em toda a Europa, os governos não deram apoio suficiente aos países na linha de frente, como a Itália e a Grécia, que absorvem a grande maioria dos requerentes de asilo e migrantes que chegam. Não assumiram a responsabilidade de partilhar a realocação de requerentes de asilo em toda a Europa.

“Os governos europeus devem reconhecer a importância da busca e salvamento. Mais de 500 pessoas afogaram-se em 2018 enquanto tentavam a perigosa jornada em botes impróprios para atravessar o Mediterrâneo Central. De acordo com as informações da imprensa, 12 pessoas morreram esta semana em um incidente em que um navio da Marinha dos EUA resgatou 40 sobreviventes depois que o barco virou ”, diz Kleijer.

O Aquarius é um dos poucos navios de busca e salvamento não governamentais independentes que ainda operam no Mediterrâneo Central. No entanto, isso não significa que a necessidade dessas pessoas desapareceu. Até 8 de junho, o Aquarius já havia resgatado e / ou transferido 2.350 pessoas em 2018; do contrário, todas teriam se afogado. A capacidade de busca e resgate independente diminuiu ao longo do ano passado devido a barreiras burocráticas e à prisão de funcionários que trabalham para iniciativas não-governamentais de busca e resgate.

“A campanha de difamação contra os navios das ONGs tem que parar. Nossa única intenção é salvar vidas no mar. É difícil explicar por que Aquarius não pode desembarcar as 630 pessoas resgatadas e teve que partir em uma viagem de quatro dias para a Espanha, enquanto um dia depois a embarcação de guarda costeira italiana Dicotti  foi autorizada a desembarcar 900 pessoas na Itália ”, diz Kleijer.

“Valência é o fim de uma terrível provação para 630 pessoas. Agora, é preciso haver um sério compromisso europeu para salvar vidas e desembarcar pessoas resgatadas adequadamente. Enquanto os governos não cumprem suas responsabilidades, a equipe a bordo do Aquarius continuará a conduzir operações de busca e salvamento no Mediterrâneo Central ”.

Conexões MSF

Leia mais sobre