Você está aqui

"Não podemos abandoná-los": tratando HIV em uma cidade devastada pelo ciclone

10/05/2019
Antes do ciclone Idai atingir Beira, em Moçambique, a parte mais vulnerável da população já precisava de assistência
"Não podemos abandoná-los": tratando HIV em uma cidade devastada pelo ciclone

Foto: Pablo Garrigos/MSF

Quando o ciclone Idai atingiu a cidade portuária de Beira, em Moçambique, em 15 de março, danificou ou destruiu edifícios e infraestruturas e arrancou os telhados da maioria dos centros de saúde, tornando muitos completamente inutilizáveis.

Deixar incontáveis pacientes sem ter para onde ir seria um grande problema de saúde pública em qualquer parte do mundo, mas as ruas arborizadas de Beira escondem uma vulnerabilidade adicional. Esta cidade de mais de meio milhão de habitantes é a capital de uma província onde um em cada seis adultos vive com HIV.

A entrada do Grande Hotel em Beira, um antigo hotel de luxo que se tornou a maior comunidade de favelas de Beira, lar de alguns dos pacientes de MSF vivendo com HIV, e um local chave para a equipe de MSF fornecer educação em saúde © Pablo Garrigos/MSF

A entrada do Grande Hotel em Beira, um antigo hotel de luxo que se tornou a maior comunidade de favelas de Beira, lar de alguns dos pacientes de MSF vivendo com HIV, e um local chave para a equipe de MSF fornecer educação em saúde © Pablo Garrigos/MSF
 

Comunidades estigmatizadas – como trabalhadoras do sexo, que podem ser relativamente pequenas em número, mas que, estatisticamente, têm um risco extremamente alto de serem infectadas pelo HIV – são particularmente vulneráveis.

Médicos Sem Fronteiras (MSF) mantinha um programa de HIV em Beira antes do ciclone. Teodora Tongouche é uma trabalhadora do sexo que entende bem os desafios. Ela também é uma das educadoras comunitárias de MSF.

“Algumas dessas pessoas [que perderam suas casas] têm vergonha”, explica ela. “Elas agora vivem com outras 10 pessoas no mesmo espaço e não querem que sua condição de HIV seja conhecida. Mas tem sido difícil contatá-las, porque o telefone e a internet não estão funcionando bem.”

À medida que a resposta humanitária pós-ciclone diminui, seu papel trabalhando com MSF para educar outras trabalhadoras do sexo sobre gestão de HIV é mais importante do que nunca.

Filipe Francisco Luis é um homem trabalhador do sexo e também membro da equipe de educadores comunitários de MSF.  Como soropositivo, Filipe sabe como é crucial garantir que as pessoas possam continuar o tratamento de HIV após a devastação do ciclone Idai:

“É muito importante encontrar essas pessoas agora e lembrá-las da importância de tomar seus comprimidos. Porque tomar seus medicamentos não é sua maior preocupação atual – elas estão preocupadas em encontrar abrigo, onde dormir, o que comer. Nós não podemos abandoná-las, porque se elas não forem tratadas, sua carga viral aumentará.”

Filipe Francisco Luis, trabalhador do sexo e membro chave do programa de sensibilização de HIV de MSF para homens que fazem sexo com homens em Beira © Pablo Garrigos/MSF
Filipe Francisco Luis, trabalhador do sexo e membro chave do programa de sensibilização de HIV de MSF para homens que fazem sexo com homens em Beira © Pablo Garrigos/MSF

 

Como centenas de milhares de outras pessoas, Filipe também perdeu quase tudo durante o ciclone e as enchentes em massa subsequentes. "Eu praticamente só tenho minha roupa e um colchão", ele diz. O ciclone Idai não deixou ninguém bem.”

Paula (nome fictício) é trabalhadora do sexo e uma das pessoas com HIV que MSF atende. Ela falou sobre alguns dos outros impactos que o ciclone causou em sua renda e segurança profissional como trabalhadora do sexo.

“Meu trabalho é mais arriscado agora”, diz ela. “Muitos dos lugares que eu costumava me encontrar com clientes foram destruídos pelo ciclone Idai. Eu acabo indo para lugares mais perigosos. Recentemente, quando saí de um desses lugares, fui abordada por três homens armados. Tive que dar tudo a eles.”

“Tenho menos clientes desde o ciclone”, continua ela. “Acho que eles não conseguem pagar o mesmo valor que pagavam antes. Todos foram afetados pela tempestade.”

Desde 2014, o programa de HIV de MSF em Beira tem se concentrado em ajudar comunidades de risco particularmente alto – trabalhadoras do sexo e homens que fazem sexo com homens. Além disso, no principal hospital de Beira, cuidados de emergência são prestados a pessoas com HIV avançado e infecções fatais associadas, como a tuberculose.

Como resultado do ciclone, a resposta de MSF em Beira centrou-se inicialmente nas consequências mais visíveis dos danos provocados pela tempestade, incluindo a falta de água limpa e o surto de cólera.

Desde os primeiros dias, as necessidades menos visíveis do HIV tornaram-se parte da resposta. No entanto, demorou quase um mês até que o programa completo de HIV de MSF – incluindo clínicas noturnas em bordéis e outros centros de trabalhadoras do sexo – estivesse funcionando novamente.

Uma consulta com uma pessoa com HIV em 9 de abril, o primeiro dia da reabertura total do programa de HIV de MSF no centro de saúde de Munhava após o ciclone Idai ter atingido Beira. © Pablo Garrigos/MSF
Uma consulta com uma pessoa com HIV em 9 de abril, o primeiro dia da reabertura total do programa de HIV de MSF no centro de saúde de Munhava após o ciclone Idai ter atingido Beira. A profissional de saúde usa uma máscara porque muitas pessoas com HIV estão co-infectados com tuberculose, que pode ser transmitida pela tosse © Pablo Garrigos/MSF

 

“Em uma das nossas clínicas de HIV em Beira, vimos uma média de 125 pessoas com HIV todos os dias antes do ciclone”, diz o dr. Antonio Flores, especialista em doenças infecciosas de MSF. “Mas por causa do ciclone o telhado do centro foi arrancado e as atividades ambulatoriais ficaram paralisadas por 10 dias. Nossa equipe de educadores comunitários começou a ouvir falar de pessoas, incluindo algumas trabalhadoras do sexo, que não puderam reabastecer suas receitas. Isso foi uma grande preocupação – porque algumas trabalhadoras do sexo estavam tomando o remédio como forma de manter-se segura contra a infecção pelo HIV, algumas para manter seu nível de vírus baixo o suficiente para não ser um risco para sua saúde e para garantir que não pudessem transmitir o vírus para seus parceiros sexuais.”

O impacto financeiro do ciclone também pode estar exacerbando a disseminação do HIV. "Depois de desastres naturais, dificuldades extremas muitas vezes forçam as pessoas a procurar formas alternativas e de última instância de ganhar dinheiro para sobreviver", diz o dr. Flores. “Ouvimos vários relatos sugerindo que o sexo transacional – ou de sobrevivência – pode ter aumentado, incluindo pessoas que nunca haviam se envolvido em trabalho sexual antes. Temos que colocar o HIV como uma prioridade cada vez mais urgente na resposta pós-desastre. A epidemia de HIV estava tirando vidas muito antes do ciclone e, se ignorarmos essa emergência médica, as consequências a longo prazo podem ser devastadoras.”

 

MSF em Beira: MSF mantém um programa de HIV em Beira desde 2014. A equipe oferece serviços de saúde sexual e reprodutiva, incluindo testes de HIV e tratamento para grupos vulneráveis e estigmatizados, como trabalhadoras do sexo e homens que fazem sexo com homens (HSH), como parte do projeto transnacional "Corredor" de MSF ao longo das rotas de transporte entre Malaui e Moçambique. Mais recentemente, desde 2018, a equipe trabalha na emergência do Hospital Central de Beira para reduzir a doença e a mortalidade em pessoas com HIV avançado, melhorando o diagnóstico, o tratamento e a continuidade dos cuidados e apoiando o laboratório e a farmácia. Como a resposta de emergência ao ciclone começa a diminuir, esta equipe continuará a apoiar o Ministério da Saúde com este programa vital de HIV.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar