Você está aqui

MSF teme pela rápida propagação do surto de cólera no Quênia

02/06/2015
Alta densidade populacional é um dos principais fatores de disseminação da doença

Foto: Wairimu Gitau/MSF

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF), junto às autoridades de saúde do Quênia e outros parceiros, tem lutado contra a epidemia de cólera no Quênia desde janeiro. Nos últimos cinco meses, o surto se espalhou para 10 dos 47 distritos do país e tirou 72 vidas, de acordo com dados oficiais.

Embora a cólera seja uma doença tratável, MSF teme que o surto possa piorar e durar muito mais tempo do que a média, devido à alta mobilidade da população e à alta concentração de pessoas nas partes mais afetadas da capital Nairóbi. 

Como a cólera é uma doença altamente contagiosa, na medida em que as pessoas se movimentam de e para os distritos afetados, elas estão espalhando a infecção de uma localidade para outra.

 “MSF está particularmente preocupada com a escala e a propagação da epidemia em Nairóbi, devido à alta densidade populacional, principalmente porque a doença está difundida em quase todos os subdistritos e assentamentos informais da cidade”, diz William Hennequin, coordenador-geral de MSF no Quênia.

“Em Nairóbi, embora o número de casos varie a cada dois dias, as equipes de MSF nos centros de tratamento de cólera dentro das instalações do Ministério da Saúde estão vendo uma média de 200 pacientes por semana”, adiciona.

Desde o início do atual surto, em janeiro de 2015, MSF tem atuado com governos dos distritos para lidar com essa epidemia. MSF estruturou quatro unidades de cólera em Nairóbi e tem apoiado 47 instalações em 8 municípios (Migori, Homa Bay, Bomet, Nakuru, Nairóbi, Muranga, Kiambu e Embu), que ofereceram cuidados e tratamento para mais de 4.200 pacientes. Para assegurar o controle de infecção e a qualidade dos cuidados, MSF enviou 301 profissionais médicos e de outras áreas. Além disso, a organização doou suprimentos, incluindo soluções de reidratação, luvas, sabonetes e tanques de água, em situações em que o governo ou os seus parceiros tiveram capacidade limitada para agir.

Caso seja necessário, MSF continua pronta para atuar em novas localidades do país.

MSF atua no Quênia desde 1987. Atualmente, a organização está administrando atividades médicas nas favelas de Mathare e Kibera em Nairóbi, com foco em cuidados para violência sexual ou de gênero, assim como para HIV e TB resistente a medicamentos. Em Kibera, MSF também administra uma ala de maternidade e um serviço de ambulância para emergências obstétricas e de outros tipos. Em Homa Bay, MSF administra um programa de HIV. MSF também trabalha no campo de refugiados de Dahagaley em Dadaab, oferecendo cuidados de saúde primária e hospitalar.

A cólera é uma infecção gastrointestinal aguda transmitida pela água. Ela é disseminada por alimentos e água contaminados, e provoca diarreia e vômitos. Muitos pacientes morrem de profunda desidratação, às vezes, em questão de horas. A maioria deles podem ser tratados usando soluções de reidratação oral, que são uma mistura de água, glicose e eletrólitos (sódio e potássio). Em casos mais graves, fluidos e eletrólitos são administrados por infusão intravenosa. Para mais informações sobre a cólera, clique aqui