Você está aqui

MSF pede ao Programa Alimentar Mundial que mantenha a distribuição de alimentos no Sudão

23/04/2003
A degradação da situação nutricional é devida às colheitas precárias após períodos de seca. A situação é preocupante, uma vez que o estoque de alimentos está acabando muito cedo este ano. As próximas colheitas não são esperadas para antes de setembro.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) considera alarmante a situação nutricional em East Aweil e em Tonj (Bahr-el-Gazal), no Sul do Sudão. MSF faz um apelo para que o Programa Alimentar Mundial (PAM) dê continuidade à distribuição de alimentos nestas regiões.

Na segunda-feira, dia 7 de abril, a organização Médicos Sem Fronteiras abriu um Centro de Nutrição Suplementar (CNS) em Akuem, uma cidade em East Aweil, em Bahr-el-Gazal. Nas duas últimas semanas, 1035 pessoas foram inscritas no CNS, e 213 crianças deram entrada no Centro de Nutrição Terapêutica (CNT). Confrontada com os altos números de crianças que necessitam de apoio nutricional e acompanhamento médico, a equipe de MSF planeja abrir dois novos centros em breve: um terapêutico e um suplementar.

Um inquérito nutricional aplicado em janeiro confirmou que a situação nutricional era muito frágil (13,3% de desnutrição global e 1,7% de desnutrição severa). Desde o início do ano, o número mensal de crianças admitidas no CNT subiu de 46, em janeiro, para 170, em março, o que representa uma média de admissões duas vezes maior do que no primeiro trimestre de 2002.

Em Marial-Lou, uma cidade em Tonj, a deterioração da situação forçou MSF a reabrir um CNS no início de Março deste ano. “Com os níveis de desnutrição global em 22,7% e de desnutrição severa em 3,8%, todos os indicadores apontam para uma situação mais crítica do que a do ano passado. Na primeira semana de abril, 86 crianças já haviam dado entrada no CNT, número duas vezes maior do que o do ano passado, durante o mesmo período”, explica Martine Chamorel, coordenadora de saúde de MSF no Sul do Sudão.

A degradação da situação nutricional é devida às colheitas precárias após períodos de seca. A situação é extremamente preocupante, uma vez que o estoque de alimentos está acabando muito cedo este ano. Além disso, as próximas colheitas não são esperadas para antes de setembro.

“A situação atual é alarmante”, explica Philippe Ribiero, coordenador geral de MSF no Sul do Sudão, “e pode se tornar ainda mais séria se uma distribuição geral de alimentos não for organizada rapidamente”. O Programa Alimentar Mundial organizou uma distribuição de alimentos em East Aweil em março. MSF entende que é crucial que o PAM dê continuidade às distribuições generalizadas de alimentos de uma forma adaptada à população, de modo a garantir que a situação na região não se deteriore ainda mais.