Você está aqui

MSF faz balanço do surto de ebola na África Ocidental

08/07/2014
Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam para 779 casos e 481 mortes desde o início do surto na região

MSF atualmente está trabalhando para tratar pacientes e conter o surto de Ebola que segue se espalhando pela Guiné, Serra Leoa e Libéria, na África Ocidental. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), foram registrados 779 casos e 481 mortes desde o início do surto nesses três países.

Guiné

Na Guiné, MSF mantém três projetos médicos para responder a emergência do vírus Ebola: um no Hospital de Donka, em Conacri; um em Telimele, na Baixa Guiné; e outro em Guéckédou, na floresta da Guiné, epicentro do surto. Em cada projeto, MSF oferece cuidados médico e psicossocial em centros especializados de tratamento de Ebola, serviços de ambulância, desinfecção de corpos e enterros seguros.  MSF também está realizando atividades para limpar áreas contaminadas pelo vírus, como centros de tratamento, casas e locais públicos, oferecendo apoio em rastreio de contatos e análises epidemiológicas.

Em Conacri, MSF tratou 59 pacientes com Ebola, dos quais 33 se recuperaram.  

Em Guéckédou, a equipe tratou 130 pacientes e 31 se recuperaram.

E em Telimele, a equipe de MSF tratou 21 casos confirmados, dos quais 16 se recuperaram. O projeto está sendo encerrado porque há 21 dias não há novos casos.

MSF fechou o centro de tratamento em Macenta, na florestas da Guiné, já que não houve novos casos por 21 dias. Em Macenta, as equipes trataram sete pessoas – cinco morreram e duas se recuperaram.

Serra Leoa

Em Serra Leoa, MSF está atuando em Kailahun, Kenema, Koindu e Daru, no leste do país. MSF instalou um centro de tratamento com 50 leitos em Kailahun que está funcionando desde o começo de julho.

MSF já tratou 45 casos suspeitos, prováveis e confirmados de ebola no projeto em Kailahun. Desses, 12 pacientes morreram. Em colaboração com o Ministério da Saúde, equipes também estão tratando pacientes em instalações de pré-triagem em Koindu e Daru. Equipes de MSF souberam da existência de 10 a 15 pessoas com suspeita de ebola em algumas cidades. MSF, junto com o Ministério da Saúde, identificou uma cidade com mais de 40 casos suspeitos.

Libéria
 
MSF está apoiando o ministério da saúde em seus esforços para frear a disseminação do Ebola em Monrovia com uma equipe de quatro pessoas. Em Foya, MSF está repassando o projeto que instalou para outra ONG.