Você está aqui

MSF estima que entre 3.000 e 4.000 crianças sofrem de desnutrição aguda no sul da Etiópia

14/05/2003
A organização Médicos Sem Fronteiras está com uma equipe de 250 profissionais na região, para cuidar dos Centros de Nutrição Terapêutica abertos recentemente e da distribuição de alimentos altamente energéticos para 22.000 crianças.

No último dia 23 de abril, a organização internacional de ajuda humanitária na área de saúde, Médicos Sem Fronteiras, deu início a uma intervenção de emergência nutricional no distrito de Damot Galé, Zona Wollayita, na região sul da Etiópia.

Uma pesquisa realizada por MSF entre os dias 7 e 15 de abril revela um nível crítico de desnutrição em crianças com menos de 5 anos de idade no distrito. De acordo com os resultados da pesquisa, estima-se que entre 3.000 e 4.000 crianças sofram com desnutrição aguda e precisem imediatamente de assistência médica e nutricional. Os resultados da pesquisa mostram uma prevalência de 27,5% das crianças com Desnutrição Aguda Global e 8,2% com Desnutrição Aguda Grave.

Para dar resposta a esta situação de emergência, MSF abriu dois Centros de Nutrição Terapêutica (reabilitação médica para crianças com graves problemas de desnutrição) em Boditi e Buge, onde 250 crianças já foram admitidas e tratadas. MSF espera aumentar a capacidade do Centro num futuro próximo. A partir da próxima segunda-feira, 19 de maio, MSF inicia a distribuição preventiva de alimentos altamente energéticos para 22.000 crianças. Além disso, um Programa de Nutrição Suplementar será implantado, assim que possível, para prevenir uma piora da situação de muitas crianças com níveis moderados de desnutrição. Uma equipe de emergência de MSF, formada por 250 profissionais, irá cuidar do projeto.

Wollayita é regularmente afetada por graves crises de nutrição, principalmente devido à alta densidade demográfica (602 pessoas/km2), uma agricultura subdesenvolvida, um sistema deficiente de alerta e, exacerbadas este ano pelas condições climáticas. Em 2000, MSF já havia feito uma intervenção no distrito de Damot Galé, implementando uma resposta emergencial similar.

“Nós precisamos urgentemente de uma efetiva Distribuição Geral de Alimentos pelas autoridades responsáveis para prevenir uma futura piora da situação até a próxima colheita,” explica Laurent Ligozat, chefe da unidade de emergência de MSF em Genebra. As autoridades relevantes se deram conta da gravidade desta crítica situação durante os últimos dias. Eles garantiram rever o número de pessoas beneficiadas pela distribuição de alimentos que acontece regularmente, levando em consideração os resultados da recente pesquisa de MSF para implementar a distribuição extra de alimentos. “Nós vamos monitorar de perto se os alimentos irão, de fato, chegar ao distrito, para a população mais necessitada”, diz Ligozat.

Leia mais sobre