Você está aqui

MSF completa um ano de atuação no Complexo do Alemão

21/10/2008
Mais de 8 mil consultas já foram realizadas na unidade, que oferece tratamento de emergência e atendimento psicossocial

Ao longo dos 30 anos de existência, Médicos Sem Fronteiras (MSF) tem ampliados seu foco de atuação para contextos urbanos, nos quais violência e exclusão social são problemas crônicos que impedem a população de usufruir dos serviços de saúde. Foi esta a razão que levou a organização a implementar, em outubro de 2007, uma unidade de pronto-atendimento no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro. Na próxima quinta-feira, dia 22, a coodenadora-assistente do serviço de atendimento psicossocial, Dalila Franco, falará sobre um ano de atuação na comunidade em uma palestra, às 17h, no estande da exposição "Médicos Sem Fronteiras no Mundo", montado na Estação Carioca do Metrô Rio.

Nessas comunidades carentes, são freqüentes os confrontos entre os grupos armados locais e a polícia. Em março de 2007, a violência voltou a ser quase cotidiana no Complexo do Alemão e faltavam serviços de saúde. “MSF decidiu então implementar um projeto para oferecer cuidados médicos e psicológicos que não existiam dentro da comunidade”, conta o coordenador de terreno, Michele Dal Cengio.

A unidade está localizada na comunidade da Fazendinha, localizada no centro do complexo. No local, são oferecidos quatro principais serviços: emergência, cuidados de saúde mental, transferências e orientação para pacientes que não se enquadram no critério de admissão de MSF.

Desde sua abertura, mais de 8 mil pessoas já foram atendidas. A maioria dos pacientes foi atendida com ferimentos devido a episódios de violência ou causados acidentalmente, com infecções respiratórias, casos de suspeita de dengue, entre outros. Todos foram atendidos na unidade antes de serem tratados ou transferidos para estruturas médicas públicas.

Além do atendimento médico de emergência, a unidade conta ainda com o serviço de atendimento psicossocial. Componente indispensável no projeto, o serviço visa a oferecer apoio psicológico às pessoas que têm suas vidas afetadas pela violência e conta com uma equipe de profissionais brasileiros.

MSF está presente no Brasil desde 1991. Além das atividades no Complexo do Alemão, MSF tem um projeto de diagnóstico de Chagas na região amazônica junto com a Fundação Oswaldo Cruz, e oferece ainda capacitação para profissionais de saúde que atuam em contextos de vulnerabilidade social e para os que lidam com população em situação de rua.