Você está aqui

MSF cobra dos EUA apoio no combate às doenças negligenciadas

16/08/2010
Representante da organização fala ao Senado americano sobre a necessidade de uma legislação que quebre o elo entre o preço alto dos medicamentos e o financiamento de P&D

Uma represente de Médicos Sem Fronteiras, Suerie Moon, esteve no Senado Americano para falar com os integrantes do Comitê Saúde, Educação, Trabalho e Pensão sobre o tratamento de crianças com doenças negligenciadas e raras. No encontro, realizado no mês passado, Suerie tentou sensibilizar os senadores para a necessidade de uma legislação que quebre os mecanismos que atrelam pesquisas e desenvolvimento (P&D) aos mercados de produção.

O atual sistema de desenvolvimento de novos medicamentos, testes de diagnóstico e vacinas, é guiado exclusivamente pelo retorno comercial. Por isso, entre 1975 e 2004, apenas 1,3% dos novos medicamentos era direcionado para doenças tropicais e tuberculose.
As doenças negligenciadas são típicas de países pobres, onde o acesso às ferramentas de diagnósticos já existentes é limitado, o que dificulta muito o tratamento. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 2,7 bilhões de pessoas que vivem com menos de U$ 2 por dia sofrem com doenças causadas por parasitas, bactérias ou vírus.

Suerie levou aos senadores a experiência de MSF na África e na América do Sul, onde é grande a incidência de doenças como tuberculose, Chagas e HIV. "Precisamos urgentemente de inovação e novos produtos que sejam mais eficientes, mais fáceis de usar e adaptados às condições apresentadas nos lugares onde atuamos", disse.

O reconhecimento de que o sistema atual de P&D é falho para responder a doenças negligenciadas e raras é quase uma unanimidade. A luta contra as doenças negligenciadas depende de novas ferramentas, que só serão desenvolvidas quando forem criados mecanismos de incentivo a esse mercado.

É preciso quebrar o elo entre o preço alto dos medicamentos e o financiamento de P&D, o chamado conceito de desvinculação. Uma das propostas apresentada por MSF para estimular a desvinculação é a criação de um fundo de prêmios para inovações que realmente atendam às necessidades em saúde das populações presentes nos países em desenvolvimento.

Suerie pediu ao governo dos Estados Unidos mobilização política e financeira para apoiar as inovações médicas que podem melhorar a vidas das crianças mais pobres do mundo. "Está na hora de testar novas abordagens para responder às necessidades globais de saúde", disse.