Você está aqui

MSF chocada com a prisão do coordenador geral da ONG no Sudão

30/05/2005
MSF está sendo acusada de cometer crimes contra o Estado por ter publicado relatório sobre a violência sexual sofrida por mulheres e meninas em Darfur, Sudão. O Coordenador Geral de MSF no país foi liberado sob fiança, mas está proibido de deixar o país

A organização internacional de ajuda humanitária Médicos Sem Fronteiras confirma a prisão do seu coordenador geral em Cartum, no Sudão, Paul Foreman, cidadão britânico. O coordenador geral de MSF foi acusado de cometer crimes contra o Estado. MSF está sendo acusada de publicar relatórios falsos, subestimando a sociedade do Sudão, e de espionagem. MSF está escandalizada com as acusações e rejeita qualquer possibilidade de o relatório ser falso. Paul Foreman foi libertado sob fiança hoje, mas está proibido de deixar o país.

As acusações estão relacionadas ao relatório de MSF “A Esmagadora Pressão do Estupro: Violência Sexual em Darfur”, publicado no dia 8 de março de 2005. Diante de centenas de mulheres e meninas que buscam assistência médica após terem sido estupradas e sofrido outros tipos de violência sexual em Darfur, MSF escreveu e publicou o relatório para chamar a atenção sobre a constante violência contra a mulher.

Vale ressaltar que o relatório não acusa o governo do Sudão.

MSF defende o seu direito de se pronunciar sobre situações humanitárias em Darfur, considera estas acusações sem fundamentos, como uma intimidação contra a comunidade humanitária por parte do governo sudanês. “Como profissionais de saúde e como seres humanos é impossível ficarmos calados ao testemunhar tais abusos – onde quer que eles ocorram.

MSF quer fazer com que as pessoas e os governos tomem conhecimento dessas violações graves para que ações reais possam ser tomadas e, com isso, essas violações cessem”, disse Geoff Prescott, diretor geral de MSF em Amsterdã, Holanda. “Todos que olham para a situação em Darfur, incluindo o governo do Sudão, concluem que o estupro é um problema”.

Angustiada com esses últimos acontecimentos, MSF permanece extremamente preocupada com o nível contínuo de violência e com as condições deploráveis de vida da população de Darfur.

MSF vem trabalhando no Sudão por mais de 20 anos, oferecendo assistência à saúde e ajuda emergencial a milhares de civis sudaneses. MSF é o principal parceiro do Ministério da Saúde do Sudão na luta contra o Kala Azar (leishmaniose), e já tratou mais de 60 mil sudaneses infectados. Nos últimos 12 meses, MSF realizou quase um milhão de consultas e tratou mais de 50 mil crianças que sofrem de desnutrição. MSF não trabalha apenas em Darfur, mas em todo o Sudão, oferecendo cuidados de saúde aos sudaneses afetados por epidemias e conflitos.

Leia mais sobre