Você está aqui

MSF chega à Estação Sé do Metrô de São Paulo

04/02/2009
Exposição multissensorial interativa Médicos Sem Fronteiras pelo Mundo poderá ser visitada pelos paulistas

Será inaugurada nesta quarta-feira, dia 4, e ficará exposta durante todo o mês de fevereiro, uma exposição multisensorial vai trazer o universo da organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) para mais perto dos paulistanos.

Criada em 1971, a organização não-governamental atua hoje em mais de 60 países em situações de emergência como guerras, exclusão social, catástrofes naturais e epidemias. Esses cenários fazem parte da mostra "Médicos Sem Fronteiras no Mundo", cuja cerimônia de abertura está marcada para o dia 4 de fevereiro, às 18h, na Estação da Sé do Metrô de São Paulo.

A exposição já foi vista por cerca de três mil cariocas durante o mês de outubro, enquanto esteve na estação Carioca do Metrô do Rio.

Em uma cabine de 2,55 metros quadrados, escura e com chão de brita, o visitante poderá escutar sons dos ambientes das intervenções e, através de uma vídeo-instalação, "atuar" como um integrante da equipe de Médicos Sem Fronteiras. Durante cerca de três minutos, ele vivenciará a realidade operacional de projetos com diferentes focos: desnutrição, catástrofe natural, conflitos armados e epidemias.

"Com este evento, pretendemos trazer a realidade dos brasileiros que trabalham com Médicos Sem Fronteiras em missões humanitárias nas grandes emergências do momento. Trata-se também de uma oportunidade para poder prestar contas, explicar melhor quem somos e como somos organizados para o público de São Paulo", conta Eric Stobbaerts, diretor-executivo de Médicos Sem Fronteiras no Brasil.
Além do espaço multisensorial, o estande também contará com uma exposição fotográfica, composta de 12 imagens de projetos de MSF.

No local, haverá ainda um mapa da atuação de MSF no mundo com destaque para dez crises humanitárias que vêm sendo negligenciadas pela mídia e por autoridades, que poderão ser explicadas pelos vários integrantes e voluntários que se revezarão no estande para atender o público. Além disso, os visitantes poderão ver em um mapa onde estão os brasileiros que trabalham com MSF pelo mundo.

Haverá também uma vitrine com mapas interativos, que mostrará a concentração de pessoas afetadas pela desnutrição, catástrofes naturais, conflitos e tuberculose.

Palestras oferecidas no local da exposição:
- dia 16/02, às 13h: médico Fábio Souza explica projeto no Complexo do Alemão
- dia 18/02, às 19h: médicas Raquel Yokoda e Sumire Sakabe contam experiência em Moçambique e no Sudão, respectivamente.