Você está aqui

Milhares fogem para a mata enquanto o conflito se intensifica

05/03/2020
MSF oferece assistência médica no campo de Proteção de Civis (PoC) na cidade de Pibor
Milhares fogem para a mata enquanto o conflito se intensifica

Foto: MSF

Após o atual surto de violência no estado de Jonglei e na área administrativa de Grande Pibor, no Sudão do Sul, milhares de pessoas fugiram para salvar suas vidas e buscam refúgio no campo de Proteção de Civis (PoC) das Nações Unidas na cidade de Pibor.

Nossas equipes trataram mais de 28 feridos nas últimas duas semanas em nosso centro de saúde primária na cidade. Continuamos recebendo alguns feridos em Pibor, muitos estão chegando em outras instalações médicas e muitos outros provavelmente não conseguiram chegar a um centro de saúde. Ao mesmo tempo, suspendemos as atividades em nossas duas unidades básicas de saúde nas cidades de Gumuruk e Lekongole – que foram abandonadas pela população que fugiu dos confrontos – e estamos concentrando nossos esforços em atender às necessidades mais urgentes de Pibor.
 
“Recebemos informações da comunidade às 2 horas da manhã dizendo que precisávamos sair imediatamente”, diz Nassam*, um morador de Lekongole que recentemente se mudou com sua família. “Andamos a noite toda e, às 16 horas do dia seguinte, chegamos a Pibor. Na estrada, havia muitas crianças e mulheres. Quando corremos, deixamos tudo o que tínhamos para carregar meu pai. Roubaram até minhas roupas e um pouco de dinheiro na viagem para Pibor".  

MSF está oferecendo assistência médica que salva vidas no PoC e criou uma sala de emergência para triagem e estabilização de pacientes. Também existe uma sala de parto e um sistema de referência para quem precisa de cirurgia. "Estamos vendo um grande número de casos de malária, pneumonia, sarampo e ferimentos por arma", diz Lojana Augustino Ngorok, profissional clínico de MSF em Pibor. "É difícil tratar feridos aqui e alguns precisam ser encaminhados a Juba para tratamento mais intensivo".
 
Atualmente, a população tem acesso muito limitado a necessidades básicas , como água, comida, abrigo e latrinas. Nossas equipes estão trabalhando no reforço das condições de água, saneamento e higiene para as pessoas deslocadas. Com apenas as oito latrinas que a equipe de MSF conseguiu construir até agora, a situação das mais de 5.000 pessoas que se estima que buscam segurança dentro do PoC permanece desastrosa e irá piorar à medida que mais pessoas entrarem. Outros milhares fugiram para a mata.  
 
“O campo não é um ambiente propício e é muito preocupante. Está muito lotado”, continua Lojana Augustino Ngorok. “O que me preocupa é a falta de higiene e água para a população. A comida também é uma grande preocupação. A maioria das pessoas tem pouca comida, algumas não têm nada e chegaram sem nada para trocar ou comprar comida.”
 
“O número de pacientes que nossa equipe está atendendo em Pibor é muito baixo para a magnitude da atual violência e do deslocamento na área.  Com serviços de saúde limitados fora da cidade de Pibor, estamos muito preocupados com a capacidade de civis e feridos de acessar atendimento médico”, diz Ania Zolkiewska, coordenadora-geral de MSF.

* O nome foi alterado

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar