Você está aqui

Médicos Sem Fronteiras mostra Inferno que ninguém merece enfrentar

03/09/2019
Campanha sobre migrantes e refugiados recria ilustração clássica para obra de Dante
Campanha MSF Refugiados de Dante

O sofrimento enfrentado por milhões de pessoas durante jornadas para fugir de guerras, catástrofes, perseguições, epidemias e pobreza é o tema da campanha publicitária da organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF).

Desenvolvida pela agência Artplan, “Refugiados de Dante” transporta a força da obra de Dante Alighieri, poeta italiano do século 14, para a dura realidade do século 21.  Uma ilustração do artista francês Gustave Doré simbolizando o Inferno do primeiro volume de “A Divina Comédia”, maior obra de Dante, foi recriada utilizando fotos reais, captadas nos contextos onde MSF atua.

Quem acessar o site refugiadosdedante.com vai poder verificar que a realidade enfrentada pelos milhões de migrantes e refugiados que se deslocam por todo o planeta é mais terrível do que qualquer ficção. São reveladas as histórias e o contexto de cada uma das imagens usadas para compor a releitura da ilustração original da obra de Dante. No endereço também é possível assistir a um vídeo explicando como o trabalho foi concebido e realizado.

MSF possui centenas de projetos relacionados ao atendimento de refugiados, migrantes e pessoas que se deslocam dentro do território de seu próprio país. A questão afeta pessoas de todos os continentes:  os que tentam cruzar o Mediterrâneo em botes precários rumo à Europa e acabam confinados em campos superlotados e insalubres na Grécia ou em perigosos centros de detenção na Líbia; quem percorre a pé centenas de quilômetros na fuga de Mianmar, no sudeste asiático, para o distrito de Cox Bazar, em Bangladesh, que hoje abriga o maior campo de refugiados do mundo; os milhões de sírios que buscaram abrigo devido à guerra em seu país; dezenas de milhões de deslocados internos obrigados a sair de suas casas em países como Nigéria, Sudão do Sul e República Democrática do Congo.

“Estamos utilizando a força de um clássico da literatura universal e de uma imagem icônica para gerar uma reflexão capaz de sensibilizar as pessoas para realidades que também são universais, mas que, infelizmente, costumam passar despercebidas”, disse Nira Torres, diretora de comunicação de MSF. “É essencial que essas pessoas deixem de ser invisíveis, e esperamos que a campanha nos ajude a disseminar essas histórias”, afirmou.
 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar