Você está aqui

Médicos Sem Fronteiras inicia programa na China para ajudar no controle da SARS

26/05/2003
MSF vai usar experiência bem sucedida no Vietnã para ajudar a China no controle da SARS. Uma equipe de 6 profissionais treinará funcionários de hospitais da província de Hebei. Materiais de proteção serão doados para reduzir os riscos de transmissão.

A organização Médicos Sem Fronteiras está trabalhando em dois hospitais chineses para conter o avanço do vírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave – cuja sigla em inglês é SARS – na província de Hebei, gravemente afetada pela pneumonia atípica. A equipe composta de 6 profissionais está trabalhando no Hospital de Doenças Infecciosas e no Hospital Número 1 ambos na cidade de Zhang Jia Kou, onde atualmente 60 pessoas são suspeitas de terem a doença. MSF vai treinar os funcionários dos hospitais em técnicas de controle de infecção e práticas de segurança de trabalho para prevenir novas transmissões da pneumonia. Eles também vão passar informações educativas – inicialmente para os parentes dos pacientes – sobre o que é a SARS, como ela é transmissível e o que as pessoas podem fazer para reduzir os riscos de infecção.

A equipe - dois enfermeiros de controle de infecção, um médico, um especialista em saneamento e higiene de doenças infecciosas, e um assessor de comunicação – se baseará nas experiências bem sucedidas para o controle da SARS no Vietnã e em Hong-Kong. A intervenção de seis semanas de MSF no Vietnã em março e abril contribuiu para um rápido e bem sucedido controle da doença no país. Na China, MSF irá adotar uma abordagem similar, trabalhando em cooperação com as autoridades locais de saúde.

“Das nossas experiências anteriores, aprendemos que um dos elementos mais importantes para tratar a SARS é aplicar corretamente os protocolos de tratamento dos pacientes, assim que eles derem entrada no hospital” explica Dan Sermand, coordenador geral da missão de MSF na China. “Nós estamos satisfeitos de trabalhar em cooperação com as autoridades de saúde da China e com os funcionários dos hospitais para ajudar a reduzir um maior avanço da doença.”

O foco da assistência oferecida por MSF será garantir que as unidades de isolamento dos hospitais sejam administradas de forma a prevenir a transmissão da SARS para funcionários, pacientes e visitantes. A equipe irá trabalhar com gerenciamento de lixo hospitalar e protocolos de desinfecção e os dois enfermeiros irão oferecer apoio e conselhos na ala de pacientes da pneumonia atípica. O médico de MSF vai fazer rondas de vigilância com médicos dos hospitais para repassar experiência clínica. MSF vai oferecer aos hospitais kits para o controle da SARS contendo materiais tais como luvas, roupas, macacões, máscaras, protetores de sapato e gorros. MSF também vai ajudar os hospitais a re-organizar as alas para acomodar pacientes de doenças infecciosas.

Das muitas províncias da China continental afetadas pela SARS, Hebei é atualmente a mais gravemente atingida. As pessoas estão muito assustadas, e boa parte ainda não entende o que é a SARS e como ela é transmitida. Para tentar suprir a falta de conhecimento, MSF espera iniciar um programa, na próxima semana, que ajude a levar informação aos parentes das vítimas da pneumonia atípica.

“Em todo o país, a epidemia parece estar em declínio,” acrescenta François Fille, Coordenador de Operações de MSF em Bruxelas, “e se isto for verdade, então parece que ficaremos em Zhang Jia Kou por menos de um mês. Obviamente estaremos avaliando como a epidemia irá se desenvolver em todo o país e estaremos prontos para oferecer ajuda extra, caso seja necessária.”