Você está aqui

Médicos Sem Fronteiras faz campanha de vacinação contra a febre amarela em Serra Leoa

19/01/2009
Surto da doença fez governo do país decidir imunizar toda a população do distrito de Bo, que tem cerca de 525 mil habitantes

Médicos Sem Fronteiras (MSF) está participando de uma campanha de vacinação em resposta ao surto de febre amarela em Serra Leoa. A campanha de cinco dias teve início no dia dez de janeiro e tem como objetivo a imunização de 525 mil pessoas.

Trinta e cinco equipes de vacinação lideradas por MSF, com dez pessoas cada uma, estão trabalhando em Bo, a segunda maior cidade do país, e em suas redondezas. A doença, transmitida pela picada de mosquito, é tão séria que a confirmação de um único caso é suficiente para a realização de uma campanha de vacinação em massa.

Em resposta ao surto, as autoridades sanitárias de Serra Leoa decidiram vacinar toda a população do distrito de Bo, que tem aproximadamente 525 mil habitantes. MSF tem por responsabilidade imunizar 225 mil pessoas, ação realizada com a cooperação do Ministério da Saúde, que está encarregado de vacinar o restante da população.

"As pessoas que contraem a febre amarela correm um alto risco de morte e, como muitas pessoas na área não são vacinadas contra a doença, é importante ter acesso e vacinar essas pessoas rapidamente, para prevenir que essa doença se espalhe", contou Johan Mast, chefe de missão de MSF na Serra Leoa.

Não há tratamento específico disponível para a febre amarela e a única opção é tratar os sintomas, que incluem febre, icterícia e hemorragias. Entre os que contraem a forma mais grave da doença, cerca da metade morre. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que a febre amarela provoque a morte de 30 mil pessosa por ano, principalmente na África. Surtos da doença podem ser prevenidos e controlados com campanhas de vacinação em massa, cujo foco são adultos, com exceção das mulheres grávidas, assim como crianças com mais de nove meses de idade.

Na semana passada, equipes de MSF deram início às atividades de comunicação para informar as pessoas no distrito sobre a campanha e a importância de se vacinar.

"Nós temos carros com auto-falantes circulando, cartazes espalhados pelo vilarejo e centros de saúde e mensagens no rádio para que as pessoas tomem conhecimento da campanha", afirmou Vikki Stienen, coordenadora de emergência de MSF em Bo. "Nós também temos promotores de saúde usando megafones e que tiveram encontros com os líderes locais, professores e autoridades do governo".

A febre amarela é endêmica em Serra Leoa e as imunizações de rotina só tiveram início em 2002, tendo como foco bebês com entre nove e 12 meses, mas deixando a maioria da população desprotegida contra o vírus.

Leia mais sobre