Você está aqui

Mauritânia: escassez de alimentos ameaça milhares de refugiados do Mali

02/03/2012
MSF oferece assistência médica e nutricional para refugiados malineses e para a população local

Mais de 28 mil refugiados do Mali foram forçados a procurar refúgio na fronteira com a Mauritânia após os conflitos entre o exército malinês e rebeldes da etnia tuaregue, que tiveram início no norte do país há um mês. Alguns refugiados tiveram que viajar durante dias, sem meios de subsistência, para chegar aos acampamentos improvisados em Fassala e Mbéré, no sudeste da Mauritânia.

No dia 29 de fevereiro, um carregamento inicial com 26 toneladas de suprimentos médicos e logísticos foi enviado para a cidade Néma, localizada a 200 quilômetros do acampamento de Mbéré. Equipes de MSF estão dando início às atividades médicas. “Nós estamos no meio do deserto, uma região onde a água é um recurso escasso. E o que é mais alarmante é que essas pessoas estão isoladas aqui, porque é preciso pegar a estrada por seis horas para chegar ao hospital mais próximo”, disse Marie-Christine Férir, coordenadora de emergência de MSF.

A escassez de alimentos é uma ameaça tanto para os refugiados quanto para a população local. A chegada dessas pessoas aumenta a pressão sobre as famílias da Mauritânia, que já vêm sofrendo com colheitas ruins. “Nós sabemos que existem mulheres grávidas e crianças com desnutrição moderada ou severa nesse grupo de refugiados”, disse Marie-Christine. É fundamental que as crianças mais novas, que são especialmente vulneráveis, tenham acesso a assistência médica gratuita, uma vez que uma criança desnutrida está muito mais suscetível a doenças como sarampo, diarreia e infecções respiratórias. E o inverso também é verdade: a possibilidade de uma criança doente ficar desnutrida é maior.

Uma das prioridades de MSF será oferecer assistência médica de urgência e estabilizar os pacientes em estado mais grave antes de encaminhá-los ao hospital em Néma, sobretudo levando em consideração que o hospital mais próximo fica localizado a mais 200 quilômetros de distância. A nova clínica de MSF no acampamento de Mbéré permitirá que as equipes médicas da organização ofereçam uma série de serviços essenciais, como consultas, avaliações nutricionais, cuidados de saúde primários, atendimento pré-natal e vacinas contra doenças infecciosas, como sarampo, por exemplo, quando necessário.

Desde o início de fevereiro, MSF está respondendo às necessidades médicas dos refugiados malineses em Burkina Faso e no Níger. A organização também está presente no norte do Mali, onde oferece cuidados de saúde primários para a população deslocada pelos conflitos.

MSF também está avaliando a situação nutricional da população local em vários países da região, como Mali, Burkina Faso, Níger, Senegal, Chade e Mauritânia.

Leia mais sobre