Você está aqui

Líbia: oferecendo cuidados médicos e cirúrgicos aos feridos em Misrata

06/05/2011
Mesmo com os constantes bombardeios, equipes de Médicos Sem Fronteiras (MSF) estão expandindo suas atividades médicas e realizando cirurgias na parte norte da cidade sitiada de Misrata

Nos últimos dois meses, forças governamentais e insurgentes estão em conflito pelo domínio da cidade de Misrata. A cidade continua a ser o alvo de bombardeios, e a insegurança impede a população de acessar cuidados médicos. Faltam profissionais de certas áreas, locais onde mulheres possam ter seus filhos, e leitos hospitalares para os feridos. Em Misrata, a equipe de 22 pessoas da organização médico-humanitária Médicos Sem Fronteiras oferece cuidados médicos e cirúrgicos aos feridos em dois hospitais (Abbad e Kasr Ahmed) e na clínica de Ras Thuba.

Faltam equipes

O acesso a cuidados de saúde se tornou mais restrito, já que um grande número de instalações médicas foi destruído, ou está localizado muito próximo da frente de batalha. Nas poucas instalações médicas que permanecem operacionais, os recursos humanos necessários para garantir a continuidade dos tratamentos pós-operatórios são inexistentes.

"A equipe médica líbia, que está trabalhando incessantemente há uma semana, está exausta", explicou Mego Terzian, coordenador de emergência de MSF."Além disso, as poucas estruturas médicas ainda operacionais não têm enfermeiros, pois a maioria deles eram estrangeiros que abandonaram o hospital".

No dia 28 de abril, uma equipe de nove pessoas de MSF – dois cirurgiões, dois anestesistas, três enfermeiras, um médico e um especialista de logística – chegaram para dar apoio à equipe de três pessoas que já estava em Misrata nos últimos 10 dias, avaliando as necessidades.

Operações cirúrgicas e reabilitação das instalações de saúde

Uma equipe cirurgica está dando apoio ao hospital de Abbad, na parte norte da cidade. Nos últimos dois dias, MSF realizou dez procedimentos cirúrgicos críticos. A organização também está ativa no hospital de Kasr Ahmed, localizado na parte leste da cidade. Mais de 300 mil pessoas foram à região procurar refúgio dos conflitos que vêm ocupando a parte ocidental da cidade. Lá, a cidade está reabilitando a sala de operações, e aumentando sua capacidade de 12 para 50 leitos. Os poucos centros de saúde ainda operacionais sofrem com uma severa carência de leitos: há apenas 100 para toda a cidade.

“Como eles estão com medo de não conseguir lidar com um fluxo maior de feridos, e também porque estão sofrendo com a falta de recursos humanos, médicos líbios são forçados a mandar seus pacientes de volta para casa em apenas dois dias, mesmo quando eles ainda não foram completamente estabilizados", completa Terzian.

MSF também está presente na clínica de Ras Thuba, onde está auxiliando mães na hora do parto, realizando cesarianas e tentando melhorar o atendimento aos pacientes. Para responder a essa demanda, as equipes de MSF pretendem aumentar a capacidade das salas de cirurgia para aproximadamente 60 leitos. Uma psicóloga de MSF também está dando apoio de saúde mental às equipes médicas líbias, que, desde o começo do conflito, estão trabalhando em condições extremas, expostas a situações muito estressantes.


Carência de Suprimentos

Em Misrata, a água está cada vez mais escassa, com frequentes interrupções causadas pelos bombardeios constantes. Em resposta à falta de medicamentos, especialmente anestésicos, e à falta de equipamentos médicos, como máscaras e filtros respiratórios, MSF já enviou mais de 25 toneladas de suprimentos médicos e medicamentos.

Presente em Misrata desde 18 de abril, MSF é atualmente a única organização internacional independente na cidade, trabalhando com uma equipe de 22 membros. Durante a primeira metade de abril, MSF realizou duas evacuações médicas de barco, possibilitando o encaminhamento de mais de cem pessoas feridas a instalações médicas na Tunísia.

Atividades de MSF em Zintan

Em Zintan, uma cidade localizada a 140 quilômetros a sudoeste da capital Trípoli, uma equipe de MSF está trabalhando no hospital local desde 30 de abril. Recentemente, 30 feridos foram levados para o hospital, onde MSF está dando assistência às equipes de emergência, triagem e treinando equipes médicas. Na Tunísia, na fronteira com a Líbia, equipes de MSF estão dando apoio psicológico a pessoas que estão fugindo do conflito. Eles também estão trabalhando um campo de trânsito e em um acampamento de refugiados, onde as pessoas estão esperando repatriação ou reinstalação. MSF também estabeleceu clínicas móveis ao longo da fronteira com a Tunísia, entre as cidades de Dehiba e Ras Adjir, focando em atividades médicas e psicológicas.

Leia mais sobre