Você está aqui

Líbia: o tempo se esgota para os 800 migrantes e refugiados presos em centros de detenção

04/05/2018
Em Zuwara, alguns imigrantes estão detidos sem água ou comida há mais de cinco meses
Líbia: o tempo se esgota para os 800 migrantes e refugiados presos em centros de detenção

Foto: MSF

Médicos Sem Fronteiras (MSF) se preocupa com o futuro de cerca de 800 migrantes e refugiados mantidos em um centro de detenção superlotado na cidade portuária de Zuwara, a cerca de 100 quilômetros a oeste de Trípoli, capital da Líbia. Alguns homens, mulheres e crianças estão detidos em condições desumanas, sem água ou comida, por mais de cinco meses.

"A situação é crítica", disse Karline Kleijer, coordenadora-geral de emergências de MSF. "Pedimos veementemente a todas as agências internacionais presentes na Líbia, aos representantes dos países de origem dos imigrantes e os refugiados e às autoridades líbias que façam todo o possível para encontrar, nos próximos dias, uma solução para a situação dessas pessoas."
 
Na terça-feira, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) retirou de Zuwara 88 pessoas que precisavam de proteção internacional e as levou a um centro de detenção em Trípoli, buscando identificar os casos mais vulneráveis ​​para uma possível evacuação. As autoridades líbias transferiram algumas pessoas para outros centros de detenção, tentando reduzir a extrema superlotação. A Organização Internacional para as Migrações (OIM) iniciou o processo de "retorno humanitário voluntário" para alguns detidos. No entanto, centenas de pessoas permanecem no centro de detenção em Zuwara sem nenhuma solução à vista.
 
A cada dia que passa, a situação se deteriora com o aumento do número de refugiados e migrantes arbitrariamente detidos. Desde o início da intervenção da equipe de emergência de MSF, em 18 de abril, mais de 500 pessoas foram detidas em uma instalação que já estava superlotada. Atualmente, o centro de detenção de Zuwara está quatro vezes acima de sua capacidade, com um espaço tão limitado que é quase impossível para as pessoas se deitarem.

Um grande número de refugiados, migrantes e solicitantes de asilo em Zuwara já sofreram com níveis alarmantes de violência e exploração na Líbia, assim como durante suas angustiantes viagens desde seus países de origem. Quando chegaram ao centro de detenção, algumas pessoas estavam desnutridas, já que foram mantidas em cativeiro por redes locais de contrabando.
 
“MSF pede novamente o fim da detenção arbitrária de refugiados, requerentes de asilo e imigrantes na Líbia”, reitera Kleijer.
 

Leia mais sobre