Você está aqui

Líbia: Médicos Sem Fronteiras reitera pedido por livre acesso aos feridos

01/04/2011
Até agora, 44 toneladas de suprimentos médicos já foram enviadas

Com a continuação do conflito na Líbia, a organização médico-humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) está tomando uma série de medidas para dar assistência às pessoas afetadas pela violência na parte ocidental do país, independente de sua origem.  A organização foi proibida de entrar no oeste a Líbia, apesar de relatos de necessidades humanitárias urgentes.

MSF está tentando aumentar a assistência com reforço às equipes no terreno, enviando mais suprimentos médicos e facilitando a evacuação de feridos e doentes para áreas de tratamento seguras.

"Nós estamos analisando todas as possibilidades para aumentar o apoio às instalações de saúde e atender às demandas médicas mais urgentes, tanto nas áreas controladas pelo governo quanto fora", disse Laurent Ligozat, diretor de operações de MSF. "A nossa prioridade é acessar as áreas onde as necessidades são maiores, conforme vai ocorrendo o deslocamento da frente de batalha".

Na cidade de Misrata, as pessoas estão no meio de uma zona de guerra. De acordo com relatórios recebidos por MSF, o hospital da cidade esteve fechado por dias devido a pesados bombardeios. Segundo relatos, pessoas feridas estão sendo encaminhadas para as duas únicas clínicas que ainda estão em funcionamento na cidade. Elas estão sobrecarregadas com pacientes gravemente feridos. Equipes médicas trabalham em condições perigosas. Há preocupação com a escassez de suprimentos médicos e muita dificuldade para tratar os pacientes.

"Apesar de vários apelos e contínuas negociações com as autoridades, o acesso à parte oeste da Líbia foi negado a MSF, com a justificativa de que não existiriam necessidades médicas", disse Ligozat. "No entanto, há relatos de que a situação em Misrata é crítica, e instalações médicas em outras cidades também estão sobrecarregadas".

MSF reitera seu pedido a todos os lados do conflito que permitam o acesso à assistência médica a todos os cidadãos da Líbia afetados pela violência. MSF também pede o respeito à integridade das instalações, veículos e equipes médicas.

Médicos Sem Fronteiras é uma organização médico-humanitária internacional que oferece ajuda emergencial a pessoas em situações de perigo. As ações de MSF são pautadas nos princípios da neutralidade, imparcialidade e independência, e baseiam-se nas necessidades médicas dos pacientes.

MSF na Líbia:

Após se retirar do leste da Líbia, no dia 15 de março, devido à deterioração das condições de segurança, equipes de MSF voltaram à cidade de Benghazi no dia 24 de março. Eles estão oferecendo remédios e suprimentos médicos a instalações de saúde, inclusive anestésicos e materiais cirúrgicos para os pacientes feridos, em colaboração com o Comitê Médico da Líbia. No dia 21 de março, MSF enviou um carregamento de navio com kits cirúrgicos para 300 pacientes no hospital de Misrata. Até o momento, 44 toneladas de suprimentos chegaram ao país, mais estão a caminho. Equipes de MSF estão sendo reforçadas com funcionários adicionais, que irão dar treinamentos de enfermagem.

Em Ras Adjir, Tunísia, na fronteira com a Líbia, equipes de MSF estão oferecendo auxílio psicológico para pessoas que fogem do conflito. As equipes também estão trabalhando no acampamento de trânsito de Choucha, onde as pessoas esperam repatriamento ou reinstalação. Desde o início da violência na Líbia, a prioridade de MSF tem sido o acesso às áreas onde as necessidades são maiores.

Leia mais sobre