Você está aqui

Lago Chade: “A única certeza é de que as pessoas continuarão deslocadas e vivendo em meio ao medo”

26/11/2015
Diretor de operações de MSF na Suíça compartilha suas impressões acerca das maiores necessidades humanitárias na região

Foto: Sylvain Cherkaoui/Cosmos for MSF

A região do Lago Chade se tornou o epicentro da violência com ataques contínuos perpetrados pelo grupo Estado Islâmico da África Ocidental (ISWAP, na sigla em inglês), também conhecido como Boko Haram. As operações militares do governo em resposta às ofensivas também estão contribuindo para um deslocamento massivo na área. Até o momento, mais de 2,5 milhões de pessoas foram desalojadas como resultado da violência na Nigéria, em Camarões, no Chade e no Níger. A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) está ampliando sua resposta médico-humanitária nos quatro países.

Diretor de operações de MSF na Suíça, o Dr. Jean-Clément Cabrol visitou recentemente Camarões e o Chade, e compartilha suas impressões acerca das maiores necessidades humanitárias na região.

“Na região do Lago Chade, estamos observando uma crise regional com consequências humanitárias em larga escala. As pessoas continuam a fugir da violência, para além das fronteiras e dentro de seus próprios países. Algumas estão escapando da violência do ISWAP, mas muitas estão fugindo das represálias e ofensivas realizadas pelas forças militares regionais. Esse é um círculo vicioso de violência, em meio ao qual os civis estão encurralados.

Escassez de cuidados de saúde e condições de vida vulneráveis
As instalações de saúde são poucas e distantes entre si. Em alguns lugares, elas foram totalmente fechadas na medida em que enfrentam a escassez de medicamentos e equipamentos, ou porque o pessoal médico foi forçado a fugir. Isso resulta na privação do acesso da população civil a cuidados de saúde.
Aqueles que foram forçados a fugir estão vivendo em condições extremamente vulneráveis, sem abrigo e meios de subsistência. Muitos estão sem condições de colher suas plantações e o preço dos alimentos aumentaram dramaticamente. Essa situação está colocando ainda mais pressão sobre uma região já frágil e negligenciada, onde serviços básicos não são suficientes.

Em resposta, MSF está prestando assistência médico-humanitária aos refugiados, deslocados e comunidades que abrigam essas pessoas nos quatro países que fazem fronteira com o Lago Chade. As equipes de MSF em Camarões, no Chade, na Nigéria e no Níger trabalham em colaboração com os Ministérios da Saúde para oferecer serviços vitais, como cuidados de saúde primária, apoio pediátrico e nutricional, assistência psicológica, cuidados cirúrgicos, e tratamento para feridos e vítimas da violência. Nós também estamos fornecendo água e itens de primeira necessidade àqueles em necessidade na região.

Extensão total das necessidades desconhecidas
Há muitas pessoas que nós simplesmente não conseguimos alcançar e há regiões onde nós sequer sabemos a extensão total das necessidades. Chegar àqueles que foram deslocados em seu próprio país é muito desafiador, com a maioria deles vivendo em comunidades dispersadas e em áreas de acesso difícil e inseguro. Apesar dessas dificuldades, nós visamos garantir que serviços de saúde estejam disponíveis para eles. Além disso, nós prestamos assistência a comunidades que abrigam refugiados e deslocados cuja solidariedade está sendo colocada sob tensão, na medida em que elas também lutam para sobreviver com recursos limitados.
Medo e futuro incerto

O mais surpreendente sobre essa crise é o terror em que as pessoas estão vivendo. Ataques estão acontecendo em mercados, templos religiosos e escolas, causando medo generalizado e deslocamentos. No entanto, contraofensivas e violência estão forçando as pessoas a deixarem seus vilarejos em busca de um lugar para viver em paz e segurança. As pessoas se sentem inseguras e estão relutantes em voltar para suas casas. É como se elas estivessem só esperando. É difícil enxergar o que o futuro as reserva. Hoje, a única certeza é a de que as pessoas continuarão deslocadas e vivendo em meio ao medo.”

Atualmente, as equipes de MSF estão presentes em diversas localidades nos quatro países que fazem fronteira com o Lago Chade. No norte da Nigéria, MSF está oferecendo cuidados médicos essenciais para deslocados e comunidades que estão acolhendo os deslocados nos estados de Borno e Yobe. MSF mantém instalações de saúde em Minawao, Mora, Mokolo e Kousseri no norte de Camarões. Cuidados médicos vitais também estão sendo oferecidos em Baga Sola e Bol, no Chade, e na região de Diffa, no Níger.

Leia mais sobre