Você está aqui

Iraque: MSF tratou mais de 67 mil casos de emergência em 4 anos no hospital em Qayyarah

16/11/2020
Projeto é concluído na cidade e serviços continuarão a ser prestados pelas autoridades de saúde locais
Iraque: MSF tratou mais de 67 mil casos de emergência em 4 anos no hospital em Qayyarah

Foto: Maya Abu Ata/MSF

A cidade de Qayyarah se localiza a cerca de 70 quilômetros ao sul de Mosul, na governadoria de Ninewa, no Iraque. Fica na margem oeste do rio Tigre. Antes de o exército iraquiano retomar a área no final de agosto de 2016, ela esteve sob o controle do grupo Estado Islâmico por dois anos e meio. Perto de Qayyarah, seis campos abrigam cerca de 100 mil pessoas deslocadas pela guerra.

De 2016 até 2020, MSF tratou mais de 67 mil pacientes apenas na sala de emergência do hospital de Qayyarah, incluindo mais de 11 mil cirurgias. Só em 2019, tratou 750 pacientes com cuidados de saúde mental, realizou mais de 700 partos e quase 46 mil serviços de consulta nos campos.

Nos últimos anos, as autoridades de saúde locais ampliaram a capacidade de atendimento às necessidades médicas da população. MSF conclui seu projeto em Qayyarah, mas antes apoiou as autoridades no período de transição e também continuará monitorando a situação geral da região, atuando em casos de emergência.

MSF também continua apoiando seus projetos em outras áreas do país nas províncias de Ninawah, Kirkuk e Bagdá.

2016: a guerra, os feridos e as crianças desnutridas

As pessoas que fugiam do conflito chegavam feridas aos campos de deslocados. MSF teve que responder rapidamente e abriu uma tenda cirúrgica em Qayyarah em outubro de 2016. Dois meses depois, montou um hospital cirúrgico de campanha, para operações de emergência. Naquela época, eram tratados milhares de pacientes que sofriam de vários níveis de lesões.

“Eles chegavam em grupos ou sozinhos. Isso incluía mulheres, crianças e homens. Todos precisavam de ajuda urgente”, afirma Marc Van Der Mullen, chefe do projeto de MSF no Iraque em 2017.

Aleksander Wroblewski, cirurgião de MSF, lembra da época em que trabalhava no hospital. “As pessoas fugiam e vinham ao nosso hospital com feridas de tiros e explosões. Em um só dia, operei até cinco pessoas.”

No período de janeiro a maio de 2017, deram entrada 5.657 pacientes no pronto-socorro do hospital. A equipe atendeu pacientes feridos em explosões ou por morteiros. Uma unidade de terapia intensiva com quatro leitos foi inaugurada para atender vítimas de queimaduras, pacientes em choque psicológico e outros casos críticos.

Crianças em risco

À medida que o exército iraquiano avançava para o oeste de Mosul, mais famílias conseguiam escapar. Equipes de MSF começaram a atender crianças com desnutrição aguda, como resultado da escassez de alimentos. Para tratar crianças desnutridas, principalmente bebês com menos de 6 meses de idade, MSF montou um centro de alimentação terapêutica intensiva com 12 leitos no hospital Qayyarah.

O centro de alimentação terapêutica prestou assistência a crianças menores de 5 anos de idade, com foco especial nos bebês menores de 6 meses, que estão nos níveis mais altos de risco. O programa também incluiu uma área “amiga da criança” com foco na promoção do aleitamento materno. Cuidados de saúde mental relacionados com a desnutrição também foram fornecidos.

Mudança das necessidades médicas

Mesmo com o término da guerra no fim de 2017, as necessidades de saúde seguiam urgentes. Como mais pessoas voltavam para suas casas, pacientes chegavam às nossas instalações com ferimentos causados por dispositivos explosivos improvisados que estavam nas estradas. Havia pessoas que sofriam de infecções intestinais por beber água suja ou intoxicação alimentar por falta de eletricidade e gás para refrigeração e cozimento. As crianças, em particular, estavam desenvolvendo doenças de pele e erupções cutâneas por causa da falta de higiene.

MSF decidiu ficar e atender às necessidades médicas contínuas. Para isso, expandiu seus serviços no hospital para incluir atendimento pediátrico, um centro de alimentação terapêutica para pacientes internados, atendimento especializado a recém-nascidos, tratamento de queimaduras e apoio à saúde mental. Uma segunda sala de cirurgia também foi inaugurada em março de 2018 para aumentar a capacidade cirúrgica e a qualidade do atendimento para a população do subdistrito de Qayyarah.

MSF continuou expandindo o hospital até uma capacidade de 62 leitos. Além de pronto-socorro 24 horas por dia, 7 dias por semana, foram disponibilizadas consultas ambulatoriais para casos pediátricos e doenças crônicas, programa de vacinação e unidade de terapia intensiva para pacientes cirúrgicos e médicos.

Nos acampamentos

Cerca de 100 mil pessoas deslocadas estavam nos campos próximos à cidade de Qayyarah, onde MSF iniciou um projeto integrado de nutrição e saúde mental, em julho de 2017. Posteriormente, ampliou as atividades médicas fornecidas aos deslocados internos para incluir um centro de saúde primária, com serviços de saúde sexual e reprodutiva (atendimento pré-natal e pós-natal, atendimento obstétrico básico e neonatal e de planejamento familiar), uma emergência 24 horas, consultas ambulatoriais para casos pediátricos e de doenças crônicas em adultos, programa de vacinação, unidade nutricional, serviços de saúde mental e atividades de promoção da saúde e campanhas de sensibilização nos acampamentos.

De janeiro a junho de 2019, o centro de saúde primário de MSF prestou assistência médica a mais de 130 pacientes diariamente. Foram realizadas 13.800 consultas médicas e 4.600 consultas de emergência. Além disso, mais de 250 partos ocorreram e mais de 500 sessões psicológicas individuais foram oferecidas.

Também havia sofrimento mental entre as pessoas por causa do trauma e dos deslocamentos, então MSF montou uma unidade de saúde mental. Recebemos casos graves de depressão e ansiedade, além de muitas pessoas - principalmente mulheres - que tentavam suicídio nos campos e na cidade de Qayyarah.

A reconstrução começa

Dois anos após a guerra, a reabilitação da saúde na área evoluía lentamente, mas de forma segura. Começou a reconstrução do Hospital do Ministério da Saúde em Qayyarah e, para uma população de 250 mil pessoas na área, apenas os cuidados de saúde primários estavam disponíveis. “Quando cheguei em setembro de 2019, o trabalho de reabilitação estava em andamento no hospital Qayyarah. A área de saúde especializada ainda era necessária e pacientes com condições complexas estavam sendo encaminhados para Mosul”, informa Gwenola Francois, chefe do projeto de MSF no Iraque.

Ao longo desse tempo, MSF continuou acompanhando a situação da reconstrução da saúde na cidade e atendendo a diferentes necessidades.

Novo começo para Ninewa

Em 2020, a Diretoria de Saúde da Ninewa e outros atores continuaram a aumentar sua atuação e se tornaram mais capazes de responder às necessidades de saúde. Como MSF contribuiu para desenvolver a capacidade de muitos especialistas médicos locais ao longo de quatro anos, instalando unidades de saúde especializadas em Qayyarah, decidiu transferir suas atividades médicas para hospitais e centros médicos do Ministério da Saúde. Em janeiro, MSF entregou a unidade de desnutrição pediátrica e neonatal para o Hospital Geral Qayyarah.

Em setembro, MSF entregou seu pronto-socorro, sala de operações equipada, atividades de UTI e departamento de internação para o Hospital Geral Qayyarah, a unidade de queimados para o Hospital Aljomhuri em Mosul e as atividades de saúde primária para a Organização Internacional do Corpo Médico, que está fornecendo apoio na área.

MSF continuou apoiando durante o período de transferência, com mais treinamento especializado e doações de equipamentos médicos. Foram treinados cerca de 350 profissionais que trabalharam no hospital de MSF em Qayyarah, incluindo equipes médicas da Diretoria de Saúde, e a maioria deles permanecerá no hospital público de Qayyarah.

 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar