Você está aqui

Irã: Depois de uma noite fria nas ruas, uma recepção calorosa

08/11/2019
A coordenadora do projeto de MSF Estelle Thomas descreve um dia na clínica de MSF, no sul de Teerã
“São 7h15 e os primeiros pacientes começam a chegar à nossa clínica, que abre às 8h. Eles chegam cedo para receber um pouco de calor – do aquecedor e da equipe de MSF que já está aqui – depois de passar uma noite fria nas ruas. 
 
Aqui no sul de Teerã, a maioria dos pacientes vive desabrigada e usa drogas. Alguns ficaram desabrigados por causa do uso de drogas; outros começaram a usar drogas porque não tinham onde morar. Todo mundo vive em circunstâncias difíceis e ninguém tem empregos regulares, além de coletar e vender lixo ou fazer pequenos negócios principalmente ilegais. 
 
Alguns pacientes têm famílias, outros não, mas todos são excluídos pela sociedade devido à maneira como vivem. Ocasionalmente, eles podem encontrar um local em um abrigo local durante a noite, mas geralmente dormem nas ruas ou encontram um local tranquilo onde podem consumir drogas do fim da tarde até a manhã seguinte. Existem inúmeros locais como esse – principalmente em parques, mas alguns nas calçadas e nas ruas ao redor do terminal de ônibus do sul. 
 
Estima-se que 3,5% da população do Irã – quase 3 milhões de pessoas em uma população de 84 milhões – é viciada em drogas, de acordo com o escritório de controle de drogas do Irã. Na área em torno da clínica de MSF no sul de Teerã – um bairro histórico onde a pobreza e a superlotação são abundantes – as principais drogas usadas são heroína e metanfetamina, que são principalmente fumadas ou inaladas. Poucas pessoas injetam drogas, o que diminui o risco de transmitir doenças infecciosas através de agulhas contaminadas. 
 
Como os sem-teto, as profissionais do sexo e os membros da minoria étnica ghorbati, os usuários de drogas no Irã são estigmatizados, o que pode complicar seu acesso à assistência médica. MSF mantém esta clínica no sul de Teerã para oferecer assistência médica básica gratuita, incluindo atendimento psicossocial, para todos esses grupos vulneráveis. 
Hoje, Mohammad, 40 anos de idade, visita a clínica pela primeira vez. Vinte e cinco anos atrás, quando ele tinha apenas 15 anos de idade, Mohammed deixou sua família para encontrar trabalho em Teerã. Não conseguindo um emprego e sem parentes na cidade para ajudá-lo, ele logo passou a usar drogas. Ele sofre de alucinações frequentes como resultado das drogas e dorme nos parques da cidade, onde conheceu a equipe móvel de MSF. 
 
Após uma consulta com a médica Aida e aconselhamento da educadora em saúde Mariam, Mohammad é testado para doenças infecciosas, incluindo HIV, hepatite B e C, sífilis e tuberculose (TB). Pacientes com resultado positivo para hepatite C podem receber tratamento e apoio gratuitos na clínica, enquanto aqueles com resultado positivo para HIV ou TB são encaminhados para programas nacionais de tratamento. 
 
O resultado do teste de Mohammad para o teste de hepatite C é positivo, então ele se reúne novamente com Aida e Mariam, que explicam que a doença pode ser curada com tratamento adequado e que ele será apoiado pelos médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e comunitários de MSF para fazer seu tratamento corretamente e ajudar com as alucinações. Ele é apresentado a Neda, uma trabalhadora comunitária, que manterá contato próximo com ele para lembrá-lo de suas consultas na clínica e apoiá-lo durante o tratamento. 
 
Quando os médicos de MSF se deparam com pacientes com problemas médicos e psicossociais complicados – como pacientes com doenças cardíacas ou distúrbios psiquiátricos – eles os encaminham para atendimento especializado em outro lugar, o que poderia ser uma consulta com um especialista, um laboratório para análises adicionais ou internação hospitalar. Os pacientes que necessitam de atendimento hospitalar são apoiados por uma assistente social para facilitar sua admissão, pois a maioria não está familiarizada com o atendimento hospitalar e pode ser recusada.
 
A equipe de MSF inclui 15 trabalhadores comunitários, educadores em saúde e pares, como Mariam e Neda. Como parte da comunidade do sul de Teerã, elas sabem onde é provável encontrar usuários de drogas, pessoas em situação de rua e profissionais do sexo e entendem sua dinâmica. Eles podem chegar a pessoas vulneráveis que precisam de assistência médica, informando sobre os serviços de MSF e direcionando-as para nossa clínica e nossas clínicas móveis, que acontecem várias vezes por semana na cidade e nos arredores. 
 
A equipe de 15 pessoas também ensina as pessoas sobre os riscos de transmissão de doenças infecciosas e oferece suporte aos pacientes diariamente. Juntamente com os assistentes sociais, eles fazem o vínculo com famílias, abrigos ou outras instituições de caridade; eles acompanham os pacientes durante os encaminhamentos; e ajudam pacientes que visitam a clínica de MSF pela primeira vez.
 
Às 16h30, a clínica de MSF fecha suas portas. Nossas clínicas móveis geralmente ficam abertas até mais tarde, pois os usuários de drogas costumam se reunir no fim do dia. Eventualmente, nossos pacientes se dispersam, muitos para passar a noite em parques e ruas da cidade. Talvez eles comecem o dia seguinte chegando cedo à clínica de MSF, sabendo que aqui pelo menos eles certamente receberão uma recepção calorosa. ”
 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar