Você está aqui

Iêmen: MSF condena ataques aéreos em uma festa de casamento em Hajjah

24/04/2018
Entre os 63 feridos atendidos por equipes de MSF, 13 eram crianças.

Médicos Sem Fronteiras (MSF) recebeu 63 vítimas em um hospital que apoia em Hajjah, após uma série de ataques noturnos da coalizão liderada pelos sauditas e pelos Emirados Árabes Unidos a uma festa de casamento que ocorreu em um vilarejo remoto e pobre do distrito de Bani Qays, no Iêmen, no domingo, 22 de abril.

“Os ataques contra civis são uma violação grave do direito internacional humanitário. O que aconteceu em Bani Qays é aterrador; entre os 63 feridos que nossas equipes trataram, 13 são crianças. Essas pessoas chegaram ao hospital com adereços tradicionalmente usados para celebrar o casamento. Nenhum deles estava armado ou chegou de uniforme militar ” disse João Martins, coordenador-geral de MSF no Iêmen.

O hospital de Hajjah recebeu seus primeiros pacientes à meia-noite. Os ataques ocorreram por volta das 23h. Os feridos foram inicialmente levados do local por burros, já que os dois únicos carros do vilarejo foram danificados pelos ataques. Os primeiros socorristas e duas ambulâncias do hospital apoiado por MSF finalmente chegaram à aldeia, mas foram severamente atrasados ​​porque as aeronaves que sobrevoavam o local aumentaram a possibilidade de mais ataques.

“Eu estava dentro da tenda quando ouvi os ataques aéreos. Depois disso, caí e perdi a consciência. Quando acordei, vi pessoas fugindo da tenda. Eu estava dentro com meu irmão; o noivo é meu amigo. Um dos meus primos morreu neste ataque ”, disse Kamal, de 12 anos.

Darees, que também participara do casamento, saiu 20 minutos antes do ataque. Quando ele retornou, foi confrontado por uma cena caótica e corpos desmembrados no chão, cobertos de sangue. Crianças, ele disse, estavam procurando freneticamente por seus pais. “Alguns dos cadáveres eram crianças. As crianças brincavam do lado de fora enquanto seus pais assistiam ao casamento dentro da tenda. Foi quando o ataque aconteceu ”, disse ele.

No hospital de Hajjah, as ambulâncias chegaram com até seis pacientes por vez. Os feridos perderam principalmente membros e sofreram ferimentos causados ​​por estilhaços. Pelo menos três pacientes necessitaram de amputação, incluindo dois irmãos, que perderam um pé cada um. No início da manhã, muitos moradores de Hajjah tinham ido ao hospital para doar sangue. Em duas horas, 150 bolsas foram coletadas para tratar os feridos.

“Uma mulher chegou ao hospital em pânico, procurando por seu filho. Ele estava participando do casamento e ela não sabe o que aconteceu com ele. Muitas outras mulheres e crianças da aldeia estão traumatizadas e não sabem o que aconteceu com seus entes queridos ”, disse Sally Thomas, coordenadora do projeto de MSF em Hajjah.

“As partes em conflito devem respeitar os princípios da distinção, proporcionalidade e precaução: é proibido lançar ataques que possam prejudicar os civis. As regras da guerra foram constantemente violadas no Iêmen. Todas as partes em conflito devem se comprometer a proteger os civis e todas as partes que alimentam o conflito vendendo armas devem assumir sua responsabilidade de garantir que as leis internacionais estabelecidas para proteger os civis sejam respeitadas ”, acrescentou Martins.

MSF é uma organização humanitária internacional independente, que trabalha em 13 hospitais e centros de saúde no Iêmen e oferece suporte a mais de 20 hospitais ou centros de saúde em 11 províncias iemenitas: Taiz, Aden, Ad Dhale, Saada, Amran, Hajjah, Ibb, Sana Abyan, Shabwa e Lahj.

 

Leia mais sobre