Você está aqui

Iêmen: MSF aumenta atividades conforme a cólera se espalha em várias províncias

29/03/2019
Desde o início do ano, MSF passou a atender 2 mil pacientes de cólera por semana
Iêmen: MSF aumenta atividades conforme a cólera se espalha em várias províncias

Foto: Florian SERIEX/MSF

À medida que novos casos de cólera aumentam nas províncias de Amran, Hajjah, Ibb e Taiz, Médicos Sem Fronteiras (MSF) amplia sua resposta. A assistência humanitária, e particularmente as atividades de água e saneamento, precisam ser aumentadas para evitar que a cólera se espalhe pelo país, diz MSF.

Entre 1º de janeiro e 26 de março de 2019, MSF atendeu 7.938 casos de suspeita de cólera em suas instalações de saúde nas províncias de Amran, Hajjah, Ibb e Taiz, 50% deles oriundos da província de Ibb. Durante esse período, o número de pacientes de cólera tratados por MSF aumentou de 140 para 2 mil por semana. Os resultados dos testes de diagnóstico rápido realizados nos projetos de MSF mostram que, no mesmo período, a porcentagem de casos positivos para cólera aumentou de 58% para 70%.

“Equipes de MSF abriram um centro de tratamento de cólera com 50 leitos em Khamer, aumentaram a capacidade de leitos da unidade de tratamento de cólera em Taiz e reforçaram os centros em Ibb e Kilo. A taxa de ataques é particularmente alta em Huth, na província de Amran, onde MSF apóia um centro de saúde ”, diz Hassan Boucenine, coordenador-geral de MSF no Iêmen. “Fortalecer as atividades de água e saneamento também é uma prioridade, pois são essenciais na luta contra a cólera.”  

Em Sanaa, equipes de MSF estão reformando um departamento do hospital de Al Kuwait para transformá-lo em um centro de tratamento de cólera em funcionamento. MSF forneceu 30 mil litros de solução de lactato de Ringer – usada para substituir fluidos e eletrólitos em pacientes desidratados – para Sanaa.

“A cólera é considerada endêmica no Iêmen, mas o aumento nos casos é preocupante, uma vez que a estação de chuvas – que poderia agravar a situação geral – ainda nem começou”, diz Boucenine.

Entre 2016 e 2017, duas ondas de cólera atingiram o Iêmen. Embora a doença tenha sido subsequentemente controlada, as autoridades de saúde e as organizações médicas continuaram a ver casos de cólera em quase todas as províncias do país.  

Depois de quatro anos de guerra, a pressão sobre as estruturas de saúde do Iêmen é enorme e muitas pessoas não têm acesso a cuidados médicos, que estão limitados aos poucos hospitais que ainda funcionam. Assim como a cólera, os surtos de outras doenças que poderiam ser evitadas por vacinas, como a difteria e o sarampo, continuam sendo um risco para a saúde das pessoas que vivem no país devastado pela guerra.

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar